segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Amor une casal em uma casa sobre Beatles


Imagine viver a sua vida para os Beatles e colecionar durante décadas essas lembranças.Então imagine você e sua mulher fazendo isso até hoje.Pois aconteceu com essas 2 pessoas,Jim Walker e Victoria Spector-Walker.
Para a maioria das pessoas que eram adolescentes na década de 1960, os Beatles representaram um momento no tempo.
Mas para Spector-Walker, o amor por John Lennon, Paul McCartney, Ringo Starr e George Harrison tem resistido mais de quatro décadas.
Os álbuns dos Beatles e lembranças da mulher de Dimondale com 58 anos comprou durante esses anos tornou as sementes de uma coleção de recordações da vida dos Beatles.
Hoje, a coleção que ela compartilha com seu marido, Jim Walker, 56 anos, inclui mais de 5.000 itens que vão desde cartões de chiclete e alcaçuz para alfinetes de lapela, relógios, lanternas, capas de álbuns autografados,obras de arte originais e todo tipo imaginável de material ligado aos Beatles.
A dupla - que conheceu on-line ao mesmo tempo comprando e vendendo itens dos Beatles e casou em 2009 - tem tantos itens exclusivos dos Beatles que estão abrindo suas casas em Dimondale como um museu.
"Isso é o que acontece quando uma coleção fica totalmente fora de controle", Viki disse com uma risada, de pé sobre um tapete do Sgt Pepper na parte inferior da escada do porão.
"Nós tivemos várias pessoas, e quando os nossos amigos vêm, eles sempre dizem:" Posso levar isso e aquilo? '"Viki disse. "Depois de ver outras pessoas que querem vê-lo."
Na escadaria acima Viki tem enquadrados, cartazes de cinema em tamanho normal para o lançamento italiano do "Yellow Submarine" e "A Hard Day's Night".Pinos de bowling pintado para parecer cada linha Beatle nas quatros escadas.
Na parte inferior da escada, uma caixa de vidro contém dezenas de artefatos dos Beatles, de lancheiras de metal a um conjunto de mod de bonecos de Madame Alexander. Cada Beatle está vestido com um terno mod e vem com seu próprio instrumento musical.
Jim é dono de um total de 180 gravatas dos Beatles, em tudo. Ele usou a gravata "The Long And Winding Road" no dia do casamento.
A área do bar - ou, pub, se você quiser, desde que Jim é da Escócia - apresenta uma mesa de bar personalizada e mesa de apoio em torno de cubos de publicidade vintage com imagens dos Beatles sobre eles. Uma caixa registadora ornamentada perto da barra tem um tipo diferente de nostalgia por Viki - é o pai dela usada há décadas em seu negócio de estofos Lansing.
O quarto de hóspedes está enfeitado com almofadas dos Beatles e até mesmo um cobertor dos Beatles vintage, o banheiro tem um desenho animado dos Beatles pintado na tampa do sanitário, com os meninos ensaboando-se em uma linha de chuveiros.
No escritório de Jim, as grandes janelas não deixam muito espaço da parede - para que um rack feito sob medida mantém álbuns dos Beatles vintage pressionados em segurança contra o teto. Uma prateleira em torno da borda exterior da sala tem um trem com um "submarino amarelo".
A última sala, forrada com vitrines personalizadas, contém uma variedade estonteante de "coisas" sobre Beatles de alcaçuz para cartões comerciais para globos de neve e um original button "Official Beatles Fan". Há até mesmo os jogos de tabuleiro dos Beatles.
Spector-Walker adora arte original dos Beatles, e está em exibição em toda a casa.Viki diz que eles têm gostado de colocar a coleção em exposição - e espero que as pessoas gostem de visitar-lo.
"A coleção não é boa se for mantida em caixas", Viki disse. "É aí que esta a coleção de 40 anos."

Comentário:
Quando falarem que fãs dos Beatles são doidos por amar-los,responda que é melhor do que não sentir nada!
Sobre a casa só posso dizer OHHHH!

fontes:http://www.lansingstatejournal.com/article/20110130/LIFE/101300489/Dimondale-duo-takes-love-for-Beatles-to-another-level

domingo, 30 de janeiro de 2011

Os Beatles excursionam pela América em 1964 parte final

Chegaram então em Detroit, terra da Motown e da música que os Beatles tanto adoravam. Mas na eterna seqüência interminável de viagens, hotéis, entrevistas e shows, sempre iguais, com meninas berrando, flashes pipocando e balas jujubas sendo atiradas sobre eles, uma cidade acabava tendo a mesma aparência que a seguinte. As perguntas infames agora não tinham mais graça para os rapazes, já estressados pela fadiga das viagens. P: O que acham de Detroit? Paul: Estamos tendo uma ótima recepção, estamos todos lisonjeados. Mas como posso dizer que gosto de Detroit? Eu sequer pude ver a cidade. P: Ouvimos dizer que vocês não tocarão em Jacksonville se eles não permitirem a entrada de negros. Isto é verdade? Paul: Bem, pelo que ouvimos, foi permitido a eles apenas sentar nas laterais, mas não na área central. O nosso contrato prevê que nós não tocaremos a não ser que eles possam entrar onde quiserem.
Em Toronto, dez mil pessoas aguardavam a chegada dos Beatles no aeroporto desde a noite anterior, um recorde. Na chegada ao hotel, desta vez o público derrotou a polícia. John foi agarrado por uma menina e, sorrindo, lutou bravamente para se soltar. Paul teve várias meninas agarrando-o e acabou com suas roupas rasgadas. Ringo idem. Só George, o mais rápido naquele dia, saiu ileso. Depois Ringo comentou, "Acabamos ficando para trás mas a polícia agiu rápido e nos salvou". Lennon retrucou, "A melhor vista da cidade está sobre os ombros azuis da polícia". Lá fora, o canto continuava: "We want the Beatles!" Exaustos, a direção do hotel trouxe gente para congratulá-los, quando o que eles queriam era apenas comer e dormir. George passou a cumprimentar as visitas com o pé e as pessoas finalmente perceberam que estava na hora de ir embora e deixá-los descansar. Deram duas apresentações para uma arena lotada, com 16.761 pessoas por show. No dia seguinte, em Montreal, outros dois shows estavam igualmente lotados. John Lennon lutava contra um resfriado já há alguns dias, tomando injeções para segurar a saúde e agüentar o pique. Uma ameaça contra a vida de Ringo Starr foi levada a sério pela polícia, frente a problemas com a FLQ (Frente de Libertação de Quebec).
Enquanto os Beatles tocavam em Toronto, o furacão Dora varria a Florida, e com ela Jacksonville, a cidade seguinte depois de Montreal. Os planos originais eram do grupo descansar em Montreal depois do show mas, com a ameaça de vida sobre Ringo, sequer passaram pelo hotel onde tinham reservas, saindo do avião direto para os dois shows e daí de volta para o avião. O aeroplano os levou para Key West, Florida, onde descansaram por dois dias, com relativa tranqüilidade. Mesmo com a população ficando ciente de suas presenças, não foram ostensivamente molestados, uma grata surpresa. Um milionário, Tony Martinez, ofereceu sua piscina para os rapazes curtirem. Dias depois, os Beatles descobriram que a água da piscina tinha sido engarrafada e vendida como "Água Beatles", e o lucro supostamente ido para caridade. Ninguém acreditou.
Em Jacksonville o avião tinha que ficar circulando ao redor do aeroporto, aguardando o presidente Johnson deixar a cidade. O presidente passou o dia em Jacksonville para verificar os estragos deixados pelo furacão. Quando os Beatles finalmente aterrizaram, a criançada conseguiu invadir a pista. Felizmente, infiltraram-se através de um ponto oposto aonde estava o aeroplano, e o escort presidencial levou a troupe até o seu hotel. O estádio tinha diversos cameramen tentando filmar a apresentação dos Beatles, com fins comerciais. Eles já vinham tentando isso em pequenos grupos desde o início da excursão, sendo devidamente expulsos pela equipe de Epstein. Aqui não foi possível controlar previamente o fluxo destes profissionais. Derek Taylor então subiu ao palco, enquanto o povo urrava o já tradicional "We Want The Beatles!". Ele pegou um microfone e dirigiu-se ao público, "Os Beatles estão a cinco metros de distância." O povo urrava. "Eles viajaram milhares de milhas e a única coisa que os está impedindo de subir ao palco são esses senhores com suas filmadoras." E Derek apontou para os cameramen. O público vaiava os cameramen. "Silêncio! Se vocês querem que os Beatles se apresentem, por favor peçam para os policiais mostrar aos cameramen a saída". "Fora!, Fora!" o público passou a urrar, enquanto homens fardados começaram a aparecer colocando suas mãos nas lentes e retirando mais de oito profissionais com suas filmadoras. Em seguida os Beatles deram o seu concerto habitual, apesar dos ventos fortes que ainda persistiam. Do show foram para o aeroporto, a caminho de Boston.Com a excursão já quase no final, as prefeituras das cidades aprenderam que a chegada dos Beatles em suas cidades era um fenômeno muito maior do que os cem policiais exigidos por contrato pudesse resolver. Neste terço final, a proteção, que já contou com escort presidencial em Jacksonville, tem agora polícia montada e detetives particulares, além de obrigar folgas de policiais a serem canceladas e colocar oficiais em plantão por doze horas. Nem presidente nem realeza obrigaram a tamanha movimentação de uma segurança local.
Em Cleveland, quinhentos policiais fizeram hora extra, mais bombeiros e assistentes da Defesa Civil. Infelizmente, apesar da contingência, a segurança não estava emocionalmente preparada. Quase na metade do show as crianças partiram em direção ao palco, algumas atropelando outras, e alguns policiais foram feridos. O oficial Bare, encarregado da segurança, invadiu então o palco tomando um dos microfones e ordenou: "O concerto está cancelado!" Os Beatles o ignoraram e continuaram a tocar. Lennon e Harrison foram arrancados do palco pela polícia, e todos ficaram furiosos com a estupidez e falta de bom senso demonstrados por ela. Derek Taylor pediu para conversar com o público, dizendo que ele resolveria o problema, e o oficial Bare apenas riu dele. Os Beatles já estavam se arrumando para ir embora quando Derek finalmente conseguiu permissão para subir ao palco e conversar com a multidão. Novamente, como em Jacksonville, ele explicou ao público que o destino do concerto estava nas mãos deles mesmos. "Se vocês quiserem que os Beatles continuem tocando, é imprescindível que permaneçam sentados. A segurança do evento depende de sua cooperação". O público começou a entoar "Sentem, Sentem!" e as coisas pareceram voltar ao normal. Derek Taylor conseguiu de novo e os Beatles voltaram a vestir seus ternos, subiram ao palco e continuaram de onde pararam.
Em Nova Orleans, o prefeito Schiro declarou o dia 16 de setembro como o Dia dos Beatles e presenteou cada um com uma chave da cidade, e pediu autógrafos em troca. Estar ao lado dos Beatles  se mostrou ser politicamente vantajoso. Antes do show, foram apresentados a Fats Domino, grande ídolo dos rapazes, em um dos momentos mais importantes da excursão para eles. Em Kansas City, 40% do contigente policial foi destacado para cuidar de assuntos ligados à segurança dos Beatles . Somente durante o furacão de 1957 tal contingente fora destacado para um único evento, comentou um oficial. Este foi o show mais caro na história do rock 'n' roll até então, os Beatles  sendo pagos a US$150,000 por uma apresentação que sequer teve lotação esgotada. O dono do estádio ficou no prejuízo mas ainda assim estava feliz em tê-los trazido à cidade. Em troca, os Beatles tocaram uma música a mais, só para Kansas City e o show transcorreu sem maiores incidentes. Em Dallas, tendo o presidente Kennedy sido assassinado há menos de um ano, os Beatles se sentiram extremamente intimidados. A minutos antes dos portões serem abertos, o auditório recebeu uma ameaça de bomba mas a única coisa que a inspeção achou foi fãs escondidos nos lugares mais esdrúxulos. De se destacar, apenas o fato de o show ser uma das poucas apresentações em que os Beatles puderam se ouvir na maior parte do tempo. O último concerto da excursão foi um sucesso.
Os Beatles então tiraram dois dias de descanso na fazenda do dono da American Flyers, em Alton, Missouri, onde comemoraram o 30º aniversário de Brian Epstein. Depois voltaram a Nova York, para um show beneficente no Paramount Theater. Com todo o dinheiro que eles estavam ganhando na América, uma apresentação beneficente para crianças retardadas era uma maneira simpática de agradecer e evitar problemas futuros. Como sempre, todas as atrações anteriores à entrada dos Beatles foram insultadas e, quando os Beatles subiram ao palco, os flashes pipocaram interminavelmente e as balas jujubas voaram. Ao final do dia, Lennon e Dylan conversaram no quarto do hotel até altas horas.
Durante a volta para Londres, no dia seguinte, uma sensação de orgulho pela missão cumprida estava estampada no rosto de toda a equipe. Não havia nada que pudesse antever as proporções exageradas de entusiasmo neste continente. Se as pessoas urravam nos shows do Elvis Presley, nunca os Estados Unidos viram milhares de adolescentes acamparem em frente aos hotéis de seus ídolos como aconteceu em todos os lugares por onde os Beatles passaram. Foi reportado que apenas o assassinato de John Kennedy conseguiu se igualar, em termos de quantidade de matéria, ao espaço ocupado nos jornais pelos Beatles. Mais do que um sucesso comercial, esta foi a excursão que criou o modelo para os grandes concertos das décadas seguintes.
Para o ano seguinte, a amplificação especificamente desenhada para as excursões dos Beatles seria utilizada, dando início aos "Sound Systems" que hoje até os cinemas mais sofisticados oferecem. Rock 'n' roll, a partir de então, realmente passaria a ser levado a sério; primeiro pelo dinheiro que demonstra poder levantar e em segundo, pela vigilância sob a segurança do público e dos astros, que o frenesi exige. Para os Beatles, as excursões seriam muito como foi definido no filme "A Hard Day’s Night", onde a vida se tornara uma interminável seqüência que girava em torno de um avião e um quarto, um carro e um quarto, um quarto e um quarto.
O Itinerário
19 Ago - Cow Palace San Francisco, California
20 Ago - Convention Hall Las Vegas, Nevada
21 Ago - Seattle Center Coliseum Seattle, Washington
22 Ago - Empire Stadium Vancouver, British Columbia; Canada
23 Ago - Hollywood Bowl Los Angeles, California
26 Ago - Red Rocks Stadium Denver, Colorado
27 Ago - Cincinnati Gardens Cincinnati, Ohio
28/29 Ago - Forest Hills Tennis Stadium Queens, New York
30 Ago - Convention Hall Atlantic City, New Jersey
2 Set - Convention Hall Filadélfia, Pennsylvania
3 Set - Indiana State Fair Coliseum e Grandstand Indianapolis, Indiana (2 shows)
4 Set - Milwaukee Auditorium Milwaukee, Wisconsin
5 Set - International Amphitheater Chicago, Illinois
6 Set - Olympia Stadium Detroit, Michigan
7 Set - Maple Leaf Garden Tornonto, Ontario; Canada
8 Set - The Forum Montreal, Quebec
11 Set - Gator Bowl Jacksonville, Florida
12 Set - Boston Gardens Boston, Massachusetts
13 Set - Baltimore Civic Center Baltimore, Maryland
14 Set - Pittsburgh Civic Arena Pittsburgh, Pennsylvania
15 Set - Public Auditorium Cleveland, Ohio
16 Set - City Park Stadium New Orleans, Louisiana
17 Set - Athlete's Stadium Kansas City, Kansas
18 Set - Memorial Coliseum Dallas, Texas
20 Set - Paramount Theater Manhatten, New York
Repertório
Twist And Shout,You Can't Do That,All My Loving,She Loves You,Things We Said Today,Roll Over Beethoven,Can't Buy Me Love,If I Fell,I Want To Hold Your Hand,Boys,A Hard Day’s Night e Long Tall Sally.

fonte:http://whiplash.net/materias/especial/000088-beatles.html

Ringo Starr cria sua marca para games

Depois dos Beatles entrarem no jogo Rock Band.Agora, o ícone do rock parece ser um novo viajante no mundo do jogo com um projeto solo.
Em 23 de janeiro de 2011, Starr entrou com uma marca de "Ringo", sob a descrição de bens e serviços de "software de jogos de computador " e "jogos de computador descarregáveis através da Internet e dispositivos sem fio." A marca também foi apresentado sob a descrição de um "brinquedo, ou seja, veículos de brinquedo, brinquedos de pelúcia, etc ..."
É desconhecido o que Starr pretende fazer com sua marca "Ringo" relacionados com jogos de marca.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Itens da era da Beatlemania irão à leilão

(bolsa para escola dos Beatles)
Alguns itens vintage da era da Beatlemania e de mais tarde serão apresentados em um leilão nos dias 1-3 de fevereiro Hake's Americana and Collectibles em York, PA.
(seleção de livros Yellow Submarine)
Os itens incluem bilhetes a partir de shows em 1966, em St. Louis, Cleveland e Washington,quadrinhos do "Yellow Submarine ",
um filme mudo de 8mm dos Beatles "a chegada em Nova York (e não "A Hard Day's Night", como diz digitado na guia na foto acima), uma foto da capa de "Please Please Me" na Vee Jay Records, um cartaz para o show em benefício de John Sinclair com John Lennon e Yoko Ono, um fichário dos Beatles de 1964 e uma bolsa para escola dos Beatles.
(vestido dos Beatles para adolescentes)
mais itens você pode ver aqui

Os Beatles excursionam pela América em 1964 parte 3

Durante as apresentações, o trabalho da polícia era basicamente salvar a vida das pessoas que tropeçavam. Sim, porque uma vez que os Beatles subiam ao palco, a reação imediata era o estouro da mulherada, todas em direção ao muro de proteção. Quem tropeçava, e sempre havia algumas tropeçando, corria risco de vida. Depois haviam as meninas que desmaiavam, ou do calor ou de emoção. Em Nova York, mal os quatro saíram da limousine para entrar no hotel, alguém roubou do pescoço de Ringo, sua medalha de São Cristóvão. Dentro do hotel, através de uma linha telefônica direta com a estação WABC, com o famoso DJ Cousin Brucie na outra linha, Ringo tristonho pedia que se devolvesse a medalha dada a ele por uma tia. Cousin Brucie sugeriu que a recompensa fosse um beijinho de agradecimento e com isso a notícia se espalhou como fogo em palha. Em menos de uma hora, a pequena Angie McGowan, apareceu com a medalha, para devolver. A estação a escondeu para manter o assunto no ar por mais algum tempo, prolongando o drama. Os rapazes se divertiam conversando com diversas estações de rádios, geralmente pedindo canções de outros artistas como Fats Domino, Little Richard e Chuck Berry.
O show seria realizado no Forest Hills Tennis Stadium e, para chegar lá, foram de helicóptero. Momentos antes, ao averiguar o estádio, Bob Bonis descobriu que fora armada uma tenda vazia para os Beatles, como camarim. "Isto não serve, deveríamos estar com o camarim dentro do clube", ele tentou negociar. "Não será possível, a administração teme que eles possam estragar o lugar. Além do mais, já está tarde, os Beatles já estão no helicóptero a caminho", responderam. Bonis imediatamente puxou alguma geringonça do bolso, esticou dela uma antena e falou "Isso não é problema, ou você libera um camarim mobiliado ou eu ligo agora mesmo e mando o helicóptero voltar." "Não, não, não, eu vou conversar com eles", foi a resposta. Bonis, disfarçando um sorriso, abaixou a antena e guardou de volta no bolso seu rádio AM portátil. Quando os Beatles aterrissaram, o camarim estava pronto e aguardando. Lá conheceram Benny Goodman. Este foi para muitos a melhor apresentação da banda de toda a excursão. O público máximo do recinto era de 17.000 lugares, todos tomados. A NYPD destacou 200 homens no local e nenhum incidente maior foi registrado.
De volta no hotel, Derek Taylor segurava jornalistas e algumas celebridades, como o trio Peter, Paul and Mary, enquanto os rapazes jantavam. Bob Dylan e Al Aronowitz, que voltava de sua residência em Woodstock, foram levados direto para a suíte dos rapazes. Lá, com os quatro Beatles estavam apenas os mais íntimos, Brian Epstein, Mal Evans e Neil Aspinal, todos de Liverpool. Feitas as apresentações, em meio às conversas iniciais os rapazes ofereceram suas pílulas, uma cortesia entre músicos que geralmente necessitam de anfetaminas para agüentar o pique exigido pela carreira. Dylan declinou e ofereceu em troca maconha para relaxarem.
É largamente divulgado hoje em dia que Bob Dylan apresentou maconha para os Beatles, mas isto é só parcialmente verdade. Os Beatles fumaram maconha certa vez em Hamburgo, lugar onde eles conheceram, pela primeira vez, muitas coisas. Mas não curtiram muito pois ficaram apenas rindo à toa, não levando a nada. Brian foi o primeiro a se pronunciar, "Os Beatles nunca fumaram maconha". Dylan, confuso, perguntou sobre a canção em que a letra diz "And when I touch you, I get high, I get high" (E quando eu lhe toco, fico alto, fico alto). "Mas a letra não é essa", retrucou Lennon. "A frase é ‘I can't hide’" (Não consigo esconder). Enganos a parte, Dylan ofereceu acender um, se o pessoal estivesse interessado. Pediu que as portas fossem trancadas, as luzes apagadas, enquanto incensos e velas foram acesos. Foi explicado como inalar a fumaça e, durante o decorrer da noite, Dylan fez desenhos com a brasa do incenso e os papos fluíram soltos. Se em Hamburgo a experiência não teve graça, desta vez eles realmente relaxaram e se divertiram. Maconha passou a fazer parte dos acessórios de recreação da banda.
Na entrada de um dos hotéis em que eles se hospedaram, Bonis ouviu uma mãe conversando com sua filha: "Uma vez que você chega lá em cima, tenha a certeza de que John Lennon está no quarto. Aí grite ‘estupro!’. Estaremos ricos." Em Filadélfia, um Sr. Charles Finley, dono de um clube de baseball em Kansas City, ofereceu US$150,000 para que os Beatles abrissem mão de um dia de descanso e se apresentassem em sua cidade. O convite já fora negado quando ainda estava em US$50,000, e depois em US$75,000, mas agora o dinheiro ajudaria a pagar várias despesas hoteleiras extras que acumularam. Brian consultou os rapazes, explicando o fator histórico de serem os primeiros a receber tamanha importância por uma única apresentação e os contratos foram redigidos e assinados.
Em Indianapolis, às cinco da manhã, Ringo, com insônia, solicitou que dois guardas locais levassem ele para uma volta de carro, para conhecer a cidade. Durante o passeio, Ringo ganhou os dois patrulheiros com seu humor e polidez e estes o levaram até a casa de um deles, uma fazenda caipira. Ringo passeou com a filha de onze anos entre vacas e galinhas. No caminho de volta pararam para comer e Ringo assinou autógrafos para algumas crianças, incrédulas de sua boa sorte. Mais tarde, antes do show, outro aviso anônimo de um atentado à bomba é feito, mas novamente nada é encontrado e o show é realizado normalmente.

Continua na próxima parte...

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Os Beatles excursionam pela América em 1964 parte 1

Em 1989,foi lançado um livro chamado A Hard Day’s Night in América, de A. Ray com fotos de Curt Gunther,onde falava detalhes incríveis sobre a 1ª turnê americana dos Beatles.
Entre aquela chegada em fevereiro e a seguinte, em agosto, os Beatles não descansaram um minuto. Gravaram um disco e filmaram o longa-metragem "A Hard Day’s Night"; excursionaram pela Europa e Austrália e ainda acharam tempo para compor e iniciar as gravações de algumas músicas que acabariam no álbum "Beatles For Sale". No dia 18 de agosto, chegaram na costa da Califórnia com o cansaço estampados nos rostos.
Apesar de toda a confiança que o empresário Brian Epstein depositava na banda, havia nervosismo e incertezas em todos. Uma coisa é tocar em alguns poucos centros, como fizeram em Nova York e Washington D. C. em fevereiro, mas varrer o país como estavam por fazer, era outra história. Os Rolling Stones tentaram o feito em junho, em menor escala, e fracassaram terrivelmente. É bom lembrar que a esta altura dos acontecimentos, os Stones já eram dados como mais populares em Londres do que os Beatles. Na pergunta feita por George Harrison ao repórter do "Liverpool Echo", "A América tem de tudo, porque eles iriam nos querer?", pode-se perceber a incerteza na mente do grupo.
A proposta certamente era assustadora. Os quatro rapazes de Liverpool teriam que se apresentar em 26 casas, quase todas estádios ou arenas, fazendo 31 shows em 27 dias. Teriam direito a um total de sete dias de descanso, o que os obrigaria a tocar mais de uma vez por dia. Mas antes desta louca maratona musical iniciar, houve um show de negociações estrelado pelo grande artista invisível ao público, Brian Epstein. Foi o seu trabalho de conseguir que a Capitol passasse a dar uma maior atenção aos Beatles e divulgasse mais "I Want To Hold Your Hand", que detonou a onda que culminaria com a chegada dos Beatles no Ed Sullivan Show. Depois desta aventura americana realizada em fevereiro, os convites eram tantos que tomaram quase cinco meses de planejamento.
Se em 1964 o maior artista americano era possivelmente Bob Hope, que cobrava cerca de US$15,000 por show, a excursão dos Beatles exigia o mínimo de US$20,000, ou entre 40 a 80% da bilheteria. Nos Estados Unidos, naquele ano, a faixa etária de maior população beirava os 17 anos e os organizadores dos espetáculos sabiam que fariam dinheiro, não importasse as exigências. Difícil para alguns foi convencer os bancos a financiar o adiantamento necessário. Entre as ofertas, Epstein deu preferência às cidades onde haviam os maiores índices de vendagem de discos dos Beatles.
Uma de suas exigências na época causou espanto e irritação para muita gente. O valor teto de um ingresso teria que ser de US$5.50, assinalado em contrato. Brian objetivava garantir a presença da garotada e ao mesmo tempo não queria que uma excessiva exploração danificasse a boa imagem que o grupo conquistara. Era certo que os Beatles poderiam cobrar o dobro ou triplo deste valor nos ingressos melhores, mas Epstein, com o consentimento da banda, não permitiu. Na prática, muitas casas venderam ingressos a US$6.50, e na mão de cambistas no próprio dia dos shows havia ingressos sendo vendidos a US$15, US$25 e até US$35.

Outras exigências sem precedentes tratavam das medidas mínimas do palco em que eles iriam se apresentar, detalhes dos equipamentos que teriam que ser fornecidos e a garantia de um engenheiro de som de primeira linha para cada espetáculo. Também sob contrato, a garantia de no mínimo cem policiais uniformizados dentro do estádio ou arena durante o evento, para garantir a segurança de todos. Além disso, camarins exclusivos para os Beatles e demais artistas que se apresentariam antes deles, completos com quatro camas portáteis, espelho, geladeira de isopor, uma televisão portátil e várias toalhas limpas. Como explicaria Norman Weiss, braço direito na organização da excursão, diretamente abaixo de Epstein, "Sabíamos que uma vez dentro do local do evento, eles não poderiam se locomover livremente, tendo que se contentar em ficar presos dentro do camarim por várias horas. Todas as exigências vinham das necessidades e não de vaidade." Exclusivamente para os Beatles, haveriam duas limousines, com ar condicionado e chauffeur.
Foram contratadas, para abrirem os shows, as bandas The Righteous Brothers, Jackie Del Shannon, The Exciters e o Bill Black Combo, que abriria o set e depois serviria de banda de apoio para as demais atrações. Para viajar de um lado para o outro, foi utilizado pela primeira vez o expediente de um avião exclusivo. Foi alugado através da American Flyers, firma que mantinha contratos com o exército americano, um Lockheed Electra II com capacidade para noventa e dois passageiros, pela quantia de $75.000 dólares.
Foi também contratada uma firma exclusivamente para cuidar das acomodações de toda troupe nas diversas cidades que faziam parte da excursão. Se a segurança no local das apresentações estavam garantidas sob contrato, a segurança do aeroporto até o local do evento, e para os hotéis, era outro assunto a ser lidado com precaução e estudo. Foi então contratado Ed Leffler, homem que trabalhou para a inteligência do exército americano, para negociar e planejar a segurança com as diferentes polícias de cada cidade, em cada estado. Até o detalhe de ter ternos feitos exclusivamente para essa excursão, meia dúzia para cada Beatle, não foi esquecido.
As vendas de ingressos bateram todos os recordes na história do "music business". Para se ter uma idéia, depois de garantir que seria fisicamente impossível vender todos os ingressos do Hollywood Bowl em um dia, os ingressos se esgotaram em três horas. Nunca antes acontecera nada parecido com a Beatlemania. Quando a organização dentro do Hollywood Bowl tentara negociar um segundo show, já não havia mais datas e a oferta foi recusada.
No dia 1º de Agosto, o filme "A Hard Day’s Night", estreava simultaneamente na Inglaterra e nos Estados Unidos.No dia 18 de agosto, os Beatles chegavam a San Francisco.
Os Beatles, com seus cabelos compridos, se tornaram, mesmo sem prever, um fator representativo entre os jovens. O cabelo comprido não é ainda uma moda mas é encarado como uma forma de protesto. Uma maneira de demonstrar descontentamento com o sistema imposto.Se em fevereiro tudo era uma "adorável jogada publicitária" para os olhos americanos, os adultos já estavam paranóicos e insatisfeitos com a ressonância carismática que os Beatles causavam a suas crianças. A igreja culpava o demônio e os direitistas culpavam os comunistas. Em suma, a América pegava fogo.
As rádios anunciavam desde o início da manhã, "Hoje é o Dia B", uma alusão ao Dia D e à invasão da Normandia, ponto da virada da Segunda Guerra Mundial. Aqui, o Dia B era de Beatles mesmo. Todas as estações entoavam músicas dos Fab Four e o aeroporto de Los Angeles foi repentinamente invadido por uma horda de jovens estimada em mil crianças, que faziam um barulho ensurdecedor após uma estação soltar no ar o local e horário de sua chegada. Depois de uma viagem de quinze horas no Boeing 707 da Pan Am, o quarteto teve uma hora para esticar as pernas, passar pela alfândega, conversar com os repórteres e estar de volta no avião rumo a San Francisco, onde estreariam no dia seguinte.

Continua na parte 2...

Os Beatles excursionam pela América em 1964 parte 2

No San Francisco International Airport, uma aglomeração estimada em cinco mil pessoas fervia no calor e na histeria. Muitos chegaram com até vinte e oito horas de antecedência. A segurança do aeroporto, como também a polícia local, nunca vira nada parecido e todos estavam tensos com o medo de uma possível catástrofe. Haviam outras quatro mil pessoas aguardando em frente ao Hilton Hotel, onde eles iriam se hospedar. Quando a polícia conseguiu levar os quatro Beatles para dentro do hotel e eles já se encontravam seguros dentro do seus quartos, todos relaxaram. Anunciaram então para o povo que cercava o hotel que eles poderiam ir para suas casas pois os Beatles já estavam em seus quartos e não fariam nenhuma aparição pública. Pronto, o pandemônio se instalou, com a criançada não aceitando o fato de ter perdido a chance de ver seus ídolos. Muitos invadiram o hotel em direção aos elevadores.
Em Cow Palace, no dia seguinte, enquanto o Bill Black Combo e demais atrações tentavam se apresentar para um público em coro gritando "We want the Beatles" (Nós queremos os Beatles), os rapazes estavam no backstage conversando com a imprensa. Foram apresentados a Joan Baez e, mais tarde, Shirley Temple e sua filha de sete anos, Lori. Bastou eles subirem ao palco para que tudo ficasse claro, tamanha a quantidade de flashes das câmeras fotográficas. Para cada rapaz presente, havia pelo menos dez meninas, em um público pagante total de 17.130 pessoas, a maioria jogando "jellybabys" - uma bala colorida equivalente à nossa jujuba, que certa vez na Inglaterra os Beatles caíram na asneira de dizer que gostavam. As balas batiam nos rapazes e doíam. Tocaram seu set e logo após eles descerem do palco, duas limousines pretas fugiam pela saída dos fundos. Muitas crianças seguiram atrás mas os Beatles estavam na verdade presos em seus camarins, só podendo sair uma hora depois, escondidos em uma ambulância.
O pandemônio continuou em todas as cidades em que passaram. Em Las Vegas tiveram a oportunidade de conhecer Liberace e Pat Boone. Realizaram duas apresentações, uma às quatro da tarde, outra às oito da noite. Antes do segundo show houve uma ameaça de bomba que exigiu uma vistoria completa antes de ser considerada sem fundamento, e o show realizou-se normalmente. Em Seattle, uma menina conseguiu escalar até o palco mas foi rapidamente impedida de chegar perto dos quatro e levada embora. Depois do show, muitas das meninas chegaram até o palco para catar pedaços de balas pisadas pelos Beatles e guardar como souvenir. A limousine partiu, porém desta vez o povo conseguiu pular na frente, obrigando o veículo a parar. Foi um desastre; o teto cedeu e as portas foram arrancadas. Se tivesse alguém dentro do carro, teria possivelmente morrido, mas novamente os Beatles estavam encurralados em seus camarins, aguardando as horas passarem para poder fugir dentro de uma ambulância.
Em Vancouver, tiveram que interromper o show duas vezes para pedir calma ao público e várias meninas foram levadas para uma área externa para se recuperarem. Do lado de fora do estádio, milhares de pessoas sem ingressos davam trabalho. Uma menina de onze anos foi encontrada chorando no meio do pandemônio. Aparentemente ela havia fugido de casa para ver os Beatles, mas não tinha nem ingresso nem meios de voltar.
No dia 23 de agosto o Hollywood Bowl abriria suas portas para rock 'n' roll pela primeira vez. Às sete da manhã começavam as primeiras filas para entrar. Os portões acabaram sendo abertos às 17:20, porque o Bowl já estava cercado por milhares de pessoas. No backstage, são apresentados à atriz Lauren Bacall. O show correu normalmente e a saída dos Beatles foi a mais tranqüila até então. À noite, hospedados em uma mansão que pertencia ao ator inglês Reginald Owens, houve uma festa de comemoração onde todos que faziam parte da excursão foram convidados. Entre os que compareceram e pernoitaram estavam Peggy Lipton e Joan Baez. Foram convidados também, pela parte administrativa que cuidava de entretenimentos, as mais belas fãs dos Beatles acima de 21 anos em Los Angeles.
A Capitol solicitou uma gravação do show com a intenção de lançar um disco exclusivamente para o mercado americano. Depois, ao ouvir o material, o projeto foi abortado, pois a barulheira dos 18.700 pagantes registrados estava mais audível do que a música. Surgiriam versões piratas no mercado a partir de 1970, quando a primeira gravadora pirata, "Trade Mark of Quality", foi inaugurada. No Brasil, de alguma maneira misteriosa, Big Boy, o maior e mais importante DJ na nossa história, conseguiu lançar oficialmente o disco "And The Beatles Were Born", que incluía um lado com o show do Hollywood Bowl e, no outro lado, miscelâneas de artistas variados como o show do The Who no Rock And Roll Circus. A Capitol acabaria lançando em 1977 um disco chamado Hollywood Bowl mas que mesclaria as apresentações dos Beatles tanto em 1964 quanto em 1965.
No dia seguinte, o presidente da Capitol, Sr. Livingston, que com sua esposa, a atriz Nancy Olson, patrocinavam uma fundação em prol da assistência para crianças hemofílicas, solicitaram aos Beatles comparecer a um encontro de caridade. A idéia era que, por uma doação de apenas US$ 25, as crianças poderiam passar parte da tarde com os Beatles. Nenhum adulto teria acesso sem a presença de uma criança e os convidados foram escolhidos a dedo. Quando a polícia foi contactada para a segurança, entrou em pânico. Armou barricadas, cercou a casa onde o evento seria realizado e deixou um esquadrão de choque de sobreaviso, escondido entre os arbustos durante a duração da festa. Para levar os Beatles até o local, uma residência com um imenso jardim em uma região bucólica, nenhuma firma de transportes quis o serviço. Até mesmo a Brink’s recusou, temendo ter um de seus caminhões destruídos. Finalmente uma limousine fez o translado, sob garantias de que qualquer prejuízo em relação ao carro seria ressarcido. Estiveram presentes uma pequena elite da California, como Dean Martin e seus filhos; Lloyd Bridges e suas crianças, entre eles o hoje também ator Jeff Bridges; Princesa Jasmin Khan, a filha de Rita Hayworth; Gary Lewis, o filho de Jerry Lewis; Jack Palance e sua filha Holly, entre muitos outros. Os quatro Beatles conversaram por uma hora e foram embora para descansar. À noite, Paul, George, Ringo, Derek Taylor, Mal Evans, Neil Aspinal e Roy Gerber foram jantar e assistir um filme na casa de Burt Lancaster. John ficou em casa para terminar de compor uma canção.
Em Denver, Joan Baez, que tocaria lá na noite seguinte, chegou cedo para curtir a companhia dos rapazes, pernoitando novamente com o mesmo beatle. Em Cincinnati, eles foram apresentados a Elvis Presley pela primeira vez. Elvis se queixa que comprou um baixo novo e ficou com os dedos cheio de bolhas. Depois com a imprensa, as entrevistas eram tediosas, sempre com as mesmas perguntas, que nunca eram sobre o assunto que eles queriam conversar: música. P(ergunta): Qual é sua desculpa para ter cabelos compridos? Ringo: Deixamos ele crescer. John: Não precisamos de desculpa. Você é que precisa de uma desculpa. P(para Ringo): Porque você recebe mais cartas dos fãs do que os demais? Ringo: Eu não sei mas deduzo que seja porque eles escrevem mais para mim. P: O que aconteceria se os fãs conseguissem passar pelo cerco policial? Ringo: Morreria rindo. P: De onde surgiu a idéia do seu penteado? John: Já contamos tantas mentiras a respeito que esquecemos. Paul: Na verdade tivemos a idéia na Alemanha quando uma fotógrafa amiga usou o seu cabelo assim.

Continua na parte 3...

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Música de Paul McCartney em novo CD do Serviço Postal dos Estados Unidos

"USPS: Love Notes", uma nova compilação de canções românticas para o Dia dos Namorados,que inclui uma canção de Paul McCartney e Wings como uma das 11 das canções no CD. O disco estará disponível a partir quinta-feira até o final de fevereiro nos Estados Unidos nos escritórios do Serviço Postal.
"Silly Love Songs", a faixa de McCartney incluído no CD, aparece junto com 10 outras músicas de Alison Krauss, Madeleine Peyroux, Natalie Cole, Frank Sinatra (com Antonio Carlos Jobim), Tony Bennett (com Bill Evans), Diana Krall, Spencer Day, Carole King and James Taylor, Ray Charles and Rosemary Clooney. O CD pode ser comprado online no www.usps.com.
Canção natalina de McCartney natalina "Wonderful Christmastime" foi apresentado em "Let It Snow", que foi vendido pelos Correios durante os feriados de Natal.

fonte:http://www.examiner.com/beatles-in-national/paul-mccartney-song-featured-on-new-romantic-cd-from-u-s-postal-service

Universidade britânica entrega primeiro diploma em estudo dos Beatles

LONDRES - Uma canadense tornou-se a primeira pessoa no mundo a graduar-se com um mestrado no estudo dos Beatles. Ex-finalista do concurso de Miss Canadá, Mary-Lu Zahalan-Kennedy foi uma das primeiras 12 estudantes a matricular-se no curso da Universidade Hope de Liverpool sobre os Fab Four quando começou, em 2009, e foi a primeira a se formar, informou a universidade na quarta-feira.
- "Sinto orgulho", disse Zahalan-Kennedy. "O curso foi desafiador, interessante e me deu grande insight sobre o impacto que os Beatles tiveram e ainda têm hoje sobre todos os aspectos da vida".
O lançamento do mestrado sobre Beatles, Música Popular e Sociedade foi o primeiro no mundo quando começou. Zahalan-Kennedy foi a primeira pessoa a receber seu diploma pessoalmente da universidade. O curso analisa o som e composição dos Beatles e como Liverpool ajudou a moldar a música deles. O mestrado analisa o significado da música deles e como ela ajudou a definir identidades, cultura e sociedade.
Mike Brocken, fundador e líder do mestrado nos Beatles na Universidade Hope Liverpool, disse que o mestrado faz de Zahalan-Kennedy membro de um grupo seleto de especialistas em música popular.
- "Mary-Lu ingressou num grupo internacionalmente reconhecido de especialistas em Estudos de Música Popular que podem oferecer novidades na disciplina da musicologia".

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Paul McCartney aprecia a emoção dos fãs

Sir Paul McCartney diz que suas canções muitas vezes trazem as emoções profundas entre seus fãs.
O ex-Beatle se dar ao luxo de ser capaz de realizar um catálogo de volta que se estende por 50 anos, cheio de canções memoráveis.Aos 68 anos de idade, confirma que ele está consciente dos sentimentos intensos que ele cria em seus fãs durante os shows, mas reconhece que normalmente está se divertindo mais do que eles.
"Você não fica tão ciente de como as pessoas na platéia quando você fala depois. Mas você está ciente de um sentimento. O bom é que é um sentimento comum," porque é você e os senti-lo. Obviamente quando eu toco Here Today ou Something estou pensando especificamente em John ou George. Quando eu toco My Love ou Maybe I'm Amazed, estou pensando especificamente em Linda. Portanto, há uma emoção inerente a essas canções ", ele disse à revista Q .
Paul acredita que ele compreende esses sentimentos mais depois de testemunhar em primeira mão durante uma performance ao vivo por James Taylor.O cantor norte-americano surpreendeu Paul, que encontrou-se profundamente comovido.
"Mas me pego às vezes com outros artistas. Alguns anos atrás eu vi James Taylor e ... não era a música ... era apenas uma lembrança de sua voz e seu violão e eu só pensei, 'porra!eu adoro esse cara "E isso me levou.de repente eu me vi chorando", revelou.

fonte:http://www.belfasttelegraph.co.uk/entertainment/music/news/paul-mccartney-enjoys-emotional-fans-15063790.html

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Banda cover de Beatles do Brasil irá tocar num festival na Rússia


Em Agosto a Banda cover Clube Big Beatles volta a ser apresentar em Liverpool.Será a 17º vez no International Beatles Week.A banda Clube Big Beatles é a única fora da Europa que faz parte do Hall da Fama do Festival dos Beatles.Apenas 9 bandas em 28 anos receberam essa honraria e depois de Liverpool,a primeira semana em setembro de 2011.A banda Clube Big Beatles vai fazer apresentações na Russia,em Saint Petersburgh e na cidade de Novosibirsk que fica na Sibéria.
Os organizadores colocaram um video no youtube com imagens da cidade divulgando um evento mundial para os jovens que aconteceu na cidade e de fundo músicas dos Beatles.
Isso ai....Brasillllllllllllll!

Colaboração:Edu Henning

CD/DVD Live At Shea Stadium de Billy Joel com Paul McCartney

Na terça-feira, 8 de março a Legacy Recordings lançará,pela primeira vez, Billy Joel - Live at Shea Stadium, um filme musical de longa-metragem do show histórico de Billy Joel em julho de 2008 onde marca o último concerto na arena.
Billy Joel - Live At Shea Stadium estará disponível em edições 2CDs/DVD,2CDs, bem como um DVD independente e autônomo Blu-ray Disc.
Billy Joel chamou Paul McCartney para fechar o show com as músicas I Saw Her Standing There e Let It Be que estão no setlist do CD,DVD e Blu-ray.
Uma edição de transmissão de Billy Joel - Live At Shea Stadium vai estrear no PBS Great Performances em março.

fonte:http://www.broadcastnewsroom.com/articles/viewarticle.jsp?id=1326549 (set list completo das músicas)

Yoko Ono nega que vendeu os direitos autorais das cartas de John Lennon

Yoko Ono emitiu um comunicado hoje em contradição com algumas reportagens na imprensa e na internet que ela vendeu seu direito de autor sobre as cartas de John Lennon para ser apresentado em um livro a ser editado pelo biógrafo dos Beatles Hunter Davies.
O porta voz disse "Como mulher de John Lennon, ela possui os direitos autorais subjacentes das cartas, mesmo que ela não está na posse física das cartas de John tem escrito para outras pessoas do que ela. Como ela se sente,Hunter Davies ser um amigo de confiança de longos anos, e um bom editor,ela fez a concessão de permissão para o editor em publicar um livro como este, sujeito à sua aprovação das cartas ", dizia a declaração.
"Ono não vendeu nenhum direito autoral sobre essas cartas e, por enquanto, nenhum contrato foi assinado com qualquer editora para este projeto."
A reação do autor Davies também foi incluído na declaração. "Eu acabei de voltar de férias ao ler que Yoko Ono foi, entre aspas," vendeu as cartas de seu falecido marido.Este projeto como um todo é a minha idéia e todos,Yoko Ono fez foi concordar com a ideia e dar-me a permissão para reproduzi-los como, é claro, ela detém os direitos autorais. Ela não as vendeu, para mim ou qualquer outra pessoa, e é profundamente ofensivo sugerir o contrário ", disse ele.

fonte:http://www.examiner.com/beatles-in-national/yoko-ono-clarifies-she-still-holds-copyright-lennon-letters-book-deal

Sir Peter Blake o homem responsável pela capa do Sgt Pepper's dos Beatles

Sir Peter Blake, 78 anos, foi um dos pioneiros da cena pop-art britânica em finais dos anos cinquenta e sessenta.
Mais conhecido pela criação da capa do álbum de 1967 dos Beatles Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, para o qual recebeu apenas £200 ($320), ele também desenhou a capa de 1984 da Band Aid o single "Do They Know It's Christmas e em 2006 do Oasis de maiores hits Stop The Clocks.
Sobre arrepedimentos,ele disse "Eu deveria saber - eu só ganhei £ 200 para a concepção de Sgt. Pepper. Eu poderia me chutar e ficar amargo sobre o assunto (eu nem sequer recebo royalties, apesar da capa está se tornando lendária), mas o uso que é isso? Eu tenho que seguir em frente. Concentre-se no que você pode fazer, não o que você não pode ou deveria ter feito."
Sua colaboração pop mais recente é um livro de arte com o Beach Boy Brian Wilson.That Lucky Old Sun que já está à venda por £ 900 pela Genesis Publications.
Se tornou Cavaleiro do império britânico em 2002, ele vive em Londres com sua segunda esposa, Chrissy.

Quem quiser ver as fotos das sessões para a capa do Sgt Pepper,estão no link abaixo:


Colaboração: Eric Bourgouin correspondente do Canadá

domingo, 23 de janeiro de 2011

Site dar como certo Paul McCartney no Rock In Rio 2011

Os rumores já estão rolando na internet e o site de importantes informações sobre Paul McCartney,o Macca Report postou como certo a vinda de Paul McCartney no Rock In Rio 2011 entre 23 de setembro e 02 de outubro.Está escrito assim:
"January 22, 2011 -- Macca Report News EXCLUSIVE!!!
Paul McCartney to play Rock n Rio
Paul has been confirmed as one of the artists to perform at the Rock n Rio 4 concert that takes place September 23rd to October 2nd in Rio de Janeiro, Brazil.
The concert attendance over the 10 day rock fest, is expected to be over 600 million."

Também recebi um email de uma importante pessoa que prometi não dar o nome que Paul McCartney gosta de tocar em festivais e que seria a chande dele de bater o recorde de maior público mas para isso teria que ter um dia no festival só dele.
E no email também falava que ele viria...
Vamos aguardar e torcer para isso...mais informações em breve

fonte:http://www.maccareport.com/

sábado, 22 de janeiro de 2011

O DVD "Last Play At Shea" de Billy Joel com Paul McCartney

O Documentário de Billy Joel sobre o último concerto no Shea Stadium de Nova York "Last Play at Shea", será lançado em DVD no dia 08 de fevereiro, de acordo com a Lionsgate Entertainment. O filme-documentário escrito pelo vencedor do Oscar,o escritor Mark Monroe ("The Cove"), analisa as histórias cruzadas de Billy Joel e Shea Stadium. Ele inclui as memórias da carreira de Joel e do New York Mets para quem Shea Stadium era a sua casa.
Alec Baldwin narra o documentário que contará com celebridades como Sting, Christie Brinkley, John Mayer, Garth Brooks e Tony Bennett, além da apresentação de Paul McCartney que foi a surpresa que coroou o show.

Empresa britânica fez jukeboxes dos Beatles

A Empresa britânica de áudio SoundBeat Ltd., que está oferecendo uma linha de jukeboxes dos Beatles no Reino Unido, disse ao site que a esperança de alargar o seu mercado e trazer seus produtos para os Estados Unidos.
As jukeboxes apresentam quatro modelos diferentes - Apple, Yellow Submarine,The Beatles "Love" e os álbuns dos Beatles. Cada uma tem as medidas 59 1/2 polegadas de altura, 37 1/2 polegadas de largura e 27 1/2 cm de profundidade. Eles têm um trocador de disco de 80 com uma tela motorizada de 70 títulos e um controle remoto.
Um porta-voz disse ao site que as jukeboxes e alto-falantes são fabricados pela empresa britânica Sound Leisure e foram aprovados pelos os Beatles a empresa Apple Corps Ltd.
Os preços para as unidades são £ 2.495 (cerca de $ 3.989 dólares, de acordo com as taxas de câmbio atuais, para os álbuns dos Beatles,a Jukebox incluindo alto-falantes e £ 3.995 (cerca de $ 6.387 dólares) cada um para o Yellow Submarine, dos Beatles Cartoon Jukebox e Beatles Love Jukebox.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Autógrafos e materiais sobre os Beatles irão à leilão em NYC

Beatles Memorabilia ainda é um grande investimento como a próxima geração de escavações por fãs de música nas raízes do Fab Four. Pode ser o momento certo para comprar uma memorabilia do rock and roll.
Graças a gente pode experimentar a nova tecnologia de áudio e vídeo dos Beatles em todos os lugares, mas encontrar artefatos raros da época está se tornando difícil.
Autógrafos são particularmente um assunto de fraude e de loucura .... sim os Beatles assinaram um monte de coisas, mas não, eles não assinaram tudo.
A fim de se sentir bem sobre a compra de um autógrafo de um dos Beatles, é melhor saber toda a história do local onde o autógrafo foi assinado e como essa pessoa teve acesso aos Beatles.
Por isso,no sábado dia 22 de janeiro de 2011,Phil Weiss irá leiloar algumas grandes Memorabilias dos Beatles incluindo alguns itens incríveis autografados.Serão esses alguns itens:
A foto com os 4 Beatles,é um original em preto e branco 6,25 "x 8,25", as imagens de fotografias com o baterista original dos Beatles, Pete Best, uma impressão original da foto famosa tirada no Cavern Club, atrás carimbado pelo fotógrafo ", Pardoe" com endereço em Liverpool, assinou pessoalmente no Cavern Club, em agosto de 1962, um dos primeiros shows de Ringo com a banda e tudo o que alguém tinha na época eram fotos com Pete Best, o inverso é assinado, "Para Carol com amor de John Lennon," Love Paul McCartney "," Para Carol, o amor de George Harrison, "e" Ringo Starr "as assinaturas a caneta, o excesso de fita e resíduos de fita, em excelente estado geral. Vem com carta de autenticidade de James Spence.Estimativa: 6.000,00 - 8.000,00
Carta datilografada e assinada por John Lennon e Yoko Ono, e assinado por ambas as mãos. Carta é dirigida ao "sr. Hall Smith, c / o senador Sam Ervin". O conteúdo é agradecendo o Sr. Smith por organizar uma visita ao Historic Waterfate Hearings.Além da TLS, está incluído um 6 "x 8" "War Is Over" um cartão postal também assiando por John Lennon e Yoko Ono, e datado de 28 de junho de 1973. Carta e cartão postal estão no envelope de correio original, no entanto, o endereço no envelope não são escritas por Lennon e Ono.Estimativa: 3,000.00 - 5,000.00
Um ingresso para o concerto dos Beatles em Houston em 1965 dizendo "Radio Station KILT apresenta o Show Anual de Sexta de volta à escola promovido pelo Clube dos Meninos de Houston", "Starring The Beatles (em pessoa) e All-Star elenco de apoio", "Mestre de Cerimônias: Russ Knight The Weird Beard "," General Admission Ticket: $ 5.00 ", do Sam Houston Coliseum, quinta-feira 19 de agosto de 1965," No. 3575,tem manchas de fita, a sujeira menor, stub completo,"Lado esquerdo perfurado onde o ingresso foi destacado, em excelente estado geral.Estimativa: 300.00 - 400.00
O leilão terá recordações de outras músicas e recordações de Hollywood e começará em Oceanside NY no sábado dia 22 de janeiro de 2011 às 10:00 am EST. A licitação é ao vivo, por telefone e na Internet, no Proxibid ... todos os disponíveis através do site www.weissauctions.com.
Para informações de contato: Phil@weissauctions.com ou 516-594-0731
Para entrar em contato sobre Memorabilia de Rock'n'Roll Gary Sohmers - wexrex@aol.com ou 508-788-5474.
Nos links abaixo tem mais itens dos Beatles que irão à leilão

fontes:http://news-antique.com/?id=796286&keys=Beatles-Memorabilia-Autograph-Auction e http://prwauctions.auctionflex.com/showlot.ap?co=6845&weid=15516&weiid=5544949&mindate=20110120&maxdate=20120120&keyword=Lennon&lso=lotnumasc&pagenum=1&lang=En e http://prwauctions.auctionflex.com/showlots.ap?co=6845&weid=15516&weiid=0&mindate=20110120&maxdate=20120120&keyword=Beatles&lso=lotnumasc&pagenum=1&lang=En

Novo plano "salvará" a casa de infância de Ringo Starr

O local de nascimento do ex-Beatle Ringo Starr não será demolido, se um novo e ambicioso programa de renovação é aceito pelo conselho de chefes de Liverpool.
O movimento vem apenas semanas depois de o ministro da Habitação Grant Shapps intensificou-se para conceder um indulto para a casa de infância de Ringo,na 9 Madryn Street.
Permanente da histórica de imobiliários em Dingle, Madryn Street, que tinha sido programado para liberação em esquema promovida pelo antigo governo trabalhista.
A Renovação de Habitação da firma Regeneration Express Ltd têm mantido conversas com funcionários do Conselho, e tem um plano sobre como casas degradadas podem ser transformadas em propriedades desejáveis.
O diretor da Regeneration Express, Ian Robinson é um reconhecido especialista na área e ele próprio um ex-oficial de habitação de Liverpool.
O Sr. Robinson disse: "Fizemos uma reunião com altos funcionários do Conselho Municipal de Liverpool na qual descrevemos o que acreditamos que possa ser alcançado.
"Na verdade, eles nos pediram para vim com um programa de ação para olhar para várias áreas empobrecidas da cidade em Granby, Picton, e até mesmo Edge Lane.
"Ainda estamos aguardando uma resposta formal da cidade, mas se conseguirmos ir adiante nossa prioridade número um será a Welsh Streets."
Os fãs dos Beatles se disseram otimistas de que agora o berço de Ringo seria preservado para a posteridade.
"É uma notícia maravilhosa para os fãs dos Beatles em Liverpool e em todo o mundo, que uma solução realmente emocionante foi apresentada.
"Milhares de visitantes vêm para ver o número 9 da Madryn Street a cada mês.
Conselho Municipal de Liverpool confirmou que as discussões com a Regeneration Express tinham sido "positiva".
Um porta-voz da prefeitura disse: "Os policiais realizaram uma reunião com Regeneration Express e havia um sentimento positivo das discussões.
"Um esboço do projeto de revitalização que eles estão colocando a frente foi recebida e está sob consideração".

fontes:http://www.clickliverpool.com/news/local-news/1212194-regeneration-firm-promises-ringo-reprieve-for-liverpools-madryn-street.html e http://www.clickliverpool.com/news/local-news/1212204-council-boss-well-do-right-thing-over-home-of-ex-beatles-drummer-ringo-starr.html