sábado, 14 de abril de 2018

O trabalho duro de Derek Taylor como assessor de imprensa dos Beatles

Derek Taylor
Certa manhã, em 1968, eu estava sentado à minha mesa no London Evening Standard quando recebemos uma denúncia de que John Lennon havia sido preso por uma acusação de drogas.
Meu trabalho na época era - entre muitas outras coisas - cobrir tudo o que era dos Beatles. Então, eu telefonei para o simpático assessor de imprensa deles, Derek Taylor, na sede da Apple.
"Eu disse que isso iria acontecer", apontei. "John é um tolo, não é?"
A resposta de Taylor não foi o que eu esperava. Em uma voz furiosa e cada vez mais alta, ele disse: "Nós nunca tomamos drogas, Ray. É muito impróprio você dizer isso NÃO TELEFONE. COMO VOCÊ SE ATREVE A NOS CALUNIAR?!
Eu pensei que ele deveria ter enlouquecido. É claro que os Beatles usavam drogas e Derek não era estranho a substâncias que alteram a mente.
Mas, naquele momento, como li agora nesta reedição de suas memórias, ele estava paranóico e seu telefone estava sendo tocado pela polícia. A última coisa que ele queria era o "muito direto Ray Connolly", como ele me descreveu, confirmando o uso de drogas de seus empregadores ao telefone.
Fora naquele dia, ele era o mais gentil e receptivo dos assessores de imprensa. Raras eram as semanas do final dos anos 60 que eu não andava em seu escritório onde ele estava sentado em uma grande cadeira de vime branco e, entre receber ligações de jornalistas de todo o mundo sobre todos os aspectos da vida dos Beatles, ele conversava.
Derek Taylor  e George Harrison
Inteligente, erudito e articulado, possuía um tipo de classe muito anca. Tendo aprendido seu jornalismo em Liverpool e depois em Manchester, antes de ser tentado a lidar com as turnês americanas dos Beatles, ele manipulou a pressão constante que pessoas como eu colocaram nele com a necessidade de promover e ainda proteger seus patrões.
Foi, como ele conta, um trabalho que exigia diplomacia ilimitada, como evidenciado em uma cidade dos EUA quando a esposa do prefeito insistiu em buscar os Beatles para a filha ver - como se fossem simplesmente modelos de cera.
Ele disse a ela que não podia fazer isso porque eles estavam dormindo.
"Acorde-os", ela respondeu.
'Perdoe-me?'
‘Levante-os. . . Eles não têm razão para dormir a esta hora do dia.
Claro, ele não os acordou. Mas, à medida que a histeria continuava, ele às vezes pensava que também dormia e sonhava, tão absurdas eram algumas das situações em que ele se encontrava.
Quando os quatro jovens que ele representava eram tratados como se fossem deuses vivos, ele sabia melhor do que a maioria que eles nem eram santos.
As demandas sobre ele eram implacáveis, pois o fenômeno dos Beatles continuou crescendo e o comportamento dos quatro ficou cada vez mais errático.
"Estávamos todos assustados", escreve ele à equipe da Apple. "Nós estávamos com medo deles e ficamos com medo um do outro e ficamos com medo da imprensa."
Anos depois, ele me disse que desenvolveu um grave problema com álcool naquela época, tão grande foi a pressão quando John, Paul, Ringo e George começaram a cair. Mas, com sua maneira maravilhosa com palavras, esse pai de seis nunca deixou transparecer.
 John Lennon com a mão na cabeça do Derek Taylor no escritório da Apple
Derek Taylor teve muitos outros trabalhos durante a sua vida, alguns dos quais também fazem capítulos engraçados neste livro, notavelmente seu encontro com Mae West que, em seu romance, considerou se reinventar como uma estrela do rock and roll que precisaria de um PR.
Isso acabou sendo um engajamento curto, mas ela legou a ele algumas dicas úteis - uma sendo nunca pegar suas roupas do chão porque, se você as deixasse, sempre haveria alguém para fazer isso por você.
Os Beatles, é claro, aprenderam essa lição em particular bem no início de suas carreiras - algo que Taylor não teve medo de divulgar quando escreveu sobre eles e sobre sua parte na criação de mitos.
Eles eram generosos, disse ele, mas "muito duro também, e trabalhar para eles deixou todos nós muito desconfortáveis". . . porque são quatro homens muito duros e fortes, não insensíveis, mas calejados. Nós, assessores dos Beatles, nós viemos e partimos, e a maioria das vezes não é lamentada quando partimos.
Ele estava errado sobre isso. Quando Derek Taylor morreu, aos 65 anos, em 1997, ele definitivamente foi lamentado. . . não menos importante, pelos jornalistas que uma vez o cercaram.
Texto de Ray Connoly lendo uma passagem da biografia de Derek Taylor As Time Goes By
A biografia de Ray Connolly Being John Lennon: A Restless Life: será publicada em outubro pela Weidenfeld and Nicolson.

Comentário:
 Vale lembrar que Derek Taylor  teve que  anunciar para a imprensa toda no dia 10 de abril de 1970  explicando a saida de Paul dos Beatles e as razões!

source: Daily Mail

2 comentários:

  1. Entro nesse site todos os dias para saber mais dos Beatles. Acho ótimo. Só fico um pouco desconfortável com a tradução dos textos; meio confusos. Acho que, na minha opinião, deveria antes de lançá-los, revisar e soltar o texto com mais clareza. É só uma dica. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Obrigado não esquece de deixar seu nome...

      Excluir