quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Exposição sobre John Lennon chega ao Museu da Imagem e do Som de SP em 2020

Photographed by Bob Gruen, 29 Aug 1974 NYC
No ano em que se completa 40 anos da morte de John Lennon, o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS-SP) irá trazer para o Brasil a exposição “John Lennon em Nova York” com abertura em março de 2020. A mostra reúne cerca de 120 fotografias de Lennon clicadas por Bob Gruen no período em que o cantor morava em Nova York, nos anos 70.
Além das fotos serão exibidos mais de 30 vídeos daquela época, músicas selecionadas, um documentário e objetos de John, como cartas.
A exposição “John Lennon em Nova York” ficará em cartaz de março a maio de 2020.
Lennon marcou os anos 60 ao lado do The Beatles, banda britânica que dominou o mundo. Em carreira solo, a partir dos anos 70, John virou símbolo da juventude, participando de diversos protestos e assumindo um discurso pacifista. Ao lado de Yoko Ono ele viveu um dos romances mais comentados dos anos 70 e lançou diversas músicas que marcaram a década.
Atualmente, o Museu da Imagem e do Som expõe a mostra “Musicais no Cinema”, que explora o mundo dos musicais no cinema com imagens, itens originais, vídeos e cenários interativos.

source: Jetss.com

Netflix vai adaptar livro de Paul McCartney em filme com músicas inéditas

Paul McCartney está com um novo projeto em parceria com a Netflix. A plataforma de streaming vai ajudar o ex-Beatle a adaptar o seu livro de aventura para crianças, High in the Clouds, como um filme de animação que contará com canções inéditas compostas pelo próprio McCartney.
Como aponta o Deadline, a adaptação o livro lançado pelo britânico em 2005, em parceria com os escritores Geoff Dunbar e Philip Ardagh, está na gaveta de Hollywood há dez anos. A produtora francesa Gaumont fez parceria com a Netflix para acelerar o desenvolvimento.
Timothy Reckart, que foi indicado ao Oscar pelo curta metragem de animação Head Over Heels, vai dirigir a adaptação de High in the Clouds. O roteiro ficou com Jon Crocker, responsável por scripts da franquia Paddington.
O livro de McCartney é protagonizado por um esquilo chamado Wirral, que se envolve com um grupo de rebeldes após contrariar a terrível coruja Gretsch, uma cantora que inferniza a vida de qualquer um que demonstrar talento maior do que o dela.
"Estamos animados com essa parceria com a Netflix", comentou McCartney. "Eles complementam o que já é um time incrível de pessoas envolvidas neste filme, e nos dão a oportunidade de levar essa história para um público global".

Colaboração: Claudia Tapety a fã nº 1 de Paul McCartney

source: UOL e Paul McCartney

O álbum Dark Horse de George Harrison completa 45 anos parte 3

George na Índia no Templo de Kali em 1974
"Um mau ano doméstico" parte 2
O adultério era o assunto lado B fora do álbum de George Harrison a partir deste período, "I Don't Care Anymore", e sua associação musical com Ron Wood onde escreveram à música "Far East Man".Esta co-composição foi gravada pela primeira vez para o álbum solo de estréia de Ron Wood, I've Got My Own Album to Do e, quando lançado em Dark Horse, que marcou a primeira incursão na soul music dentro do trabalho solo de Harrison.
foi a sua viagem à Índia, em janeiro e fevereiro de 1974.Em Benares, Harrison forjou um plano com o mentor de longa data Shankar para patrocinar uma turnê de música clássica indiana no final do ano,
com dezoito músicos e um inédito (no Ocidente) com uma gama de instrumentos tradicionais indianos e um álbum seria gravado apenas de antemão,no estúdio da casa de Harrison em Friar Park, em Oxfordshire.O Festival de Música de Ravi Shankar da Índia foi a realização de um sonho de longa data para o ex-Beatle,mas, como acontece com sua dedicação ao álbum The Place I Love do Splinter, o projeto teria impacto sobre a qualidade de seu próprio álbum.
Em maio, Harrison tinha concordado com os termos de distribuição com a A & M Records e foi, portanto, capaz de lançar formalmente a Dark Horse Records,embora ele permaneceria contratado para a Apple como um artista solo, como os outros Beatles, até janeiro de 1976.Depois de anunciar a realização do Festival de Música da Índia em Setembro de 1974,Harrison também confirmou que ele planejava uma turnê pela América do Norte, em conjunto com conjunto de Ravi Shankar, nos meses de novembro e dezembro.Apesar de sua aversão declarada,Harrison seria o primeiro de seus ex-companheiros de banda a fazer uma turnê pela America;as expectativas que isto criou, juntamente com o seu papel como um chefe de uma gravadora ,significa que a pressão sobre George Harrison seria imenso e pressionado.
Produção
Novembro de 1973
A gravação para a Dark Horse começou em novembro de 1973,no meio das sessões prorrogado para The Place I Love, no estúdio caseiro de 16 canais de Harrison, FPSHOT (abreviação de Friar Park Studios, Henley-on-Thames).como em Living In The Material World, Harrison produziu as sessões de si mesmo e Phil McDonald novamente serviu como engenheiro de gravação.Usando o mesmo line-up de músicos como em Material World -. Ringo Starr, Jim Keltner, Klaus Voormann, e Gary Wright e Nicky Hopkins alternando nos teclados - Harrison gravou faixas básicas para o seu tão esperado para o natal/ano novo,o "clássico", "Ding Dong, Ding Dong", uma versão inicial de "Dark Horse", e "So Sad". Harrison tinha originalmente dada a última canção do quase vizinho Alvin Lee para gravar.Em agosto,fez uma sessão junto com Ron Wood.Harrison,Alvin Lee e Ron Wood tudo posteriormente adicionaram partes de guitarras para "Ding Dong", na primeira das tentativas de Harrison em construir camadas da canção com instrumentação, e assim recriar seu antigo colaborador Phil Spector que fez a "parede sonora".Esta sessão de overdubs teve lugar em algum momento após o retorno de Harrison da Índia no início de março de 1974,a julgar pela versão da pré-overdub de "Ding Dong" que Harrison incluiu em uma fita da David Geffen, pouco antes de sair."So Sad" seria da mesma forma recebendo uma quantidade significativa de overdubs,a criação de um "encontro angustiante", quando Harrison declarou seu "grande desespero" no final de seu relacionamento com Boyd.

Continua amanhã...a produção do álbum

fonte: Wikipedia

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

O álbum Dark Horse de George Harrison completa 45 anos parte 2

"Um mau ano doméstico"
Terceiro álbum de estúdio de George Harrison desde da separação dos Beatles veio no final de "um mau ano doméstico",Como ele descreveu no sua autobiografia em 1980.A partir de meados de 1973, com o seu casamento com Pattie Boyd que estava acabando.George tinha se imerso em seu trabalho, particularmente no desenvolvimento que acabaria por assinar a sua nova gravadora, a Dark Horse Records -. Ravi Shankar e um grupo até então desconhecido chamado Splinter,questões de negócios relacionados a empresa dos Beatles a Apple Corps também estavam vindo para cima dele durante 1973-1974,quando George, John Lennon e Ringo Starr colocaram uma ação judicial contra Allen Klein,o seu ex-gerente e aliado contra Paul McCartney (que tinha colocado o processo original em dezembro de 1970 buscando dissolver a parceria da banda) e as subsidiárias da Apple Corps 'deixaram um número de músicas e projetos para o cinema em perigo,o que resultou para George ter de fazer regularmente viagens para Los Angeles a fim de encontrar um distribuidor para o álbum Shankar Family & Friends, onde foi gravado na Califórnia em abril de 1973, e estréia de Splinter,The Place I Love. Outro empreendimento que foi afetado foi o filme Little Malcolm ,um projeto da Apple Films para que George fosse o produtor executivo e trabalhasse para selar um acordo de distribuição na Europa.

Para agravar ainda mais a pressão,ele estava bebendo muito e havia retornado as drogas da década de 60. Alguns dos biógrafos de George falam que este abandono do caminho "semi-ascética" defendida em seu álbum de 1973 Living in the material World foi a reação de George para mexer com os meios de comunicação, especialmente na Grã-Bretanha,no conteúdo piedoso do álbum , bem como um reflexo do desânimo de George sobre o fracasso de seu primeiro casamento.O amigo e confidente Klaus Voormann descreveu este momento como um "passo para trás" óbvio na jornada espiritual de Harrison, enquanto Boyd escreveria mais tarde: "esse período todo foi insano no Friar Park como um hospício.Nossas vidas eram movidas a álcool e cocaína, e assim.. foi com todo mundo que entrou em nossa esfera ... George usou cocaína excessivamente e eu acho que o mudou. "George falava desse comportamento em" Simply Shady " e colocava para fora seus sentimentos sobre a inevitável separação do casal em "So Sad".

Ferido por infidelidades freqüentes de George, Boyd deixou o e foi para Eric Clapton em julho de 1974, tendo anteriormente um caso com a esposa de Ron Wood dos Faces.Ambos os flertes também receberam atenção no álbum Dark Horse.Em sua gravação para a cover "Bye Bye, Love" dos Everly Brothers, Harrison declarou: "Lá se vai nossa senhora, com a-você-sabe-quem / o que eu espero que ela seja feliz, velho Clapper também".No encarte do álbum está listado um dos músicos convidados sobre "Ding Dong, Ding Dong" como ""Ron Would If You Let Him". Por sua parte, George tinha uma relação com a mulher de Ringo Starr, Maureen Starkey e os tablóides britânicos logo relataram ele estava envolvido com a modelo Kathy Simmons (ex-namorada de Rod Stewart),bem como Krissy Wood (esposa de Ron Wood).Pouco antes do lançamento de Dark Horse, George iria se esquivar das perguntas dos repórteres sobre sua vida privada com a sugestão de que as pessoas esperam para o novo álbum, dizendo: "It's like Peyton Place"

Continua amanhã...a outra parte de ""Um mau ano doméstico"

fonte: Wikipedia

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

O álbum Dark Horse de George Harrison completa 45 anos parte 1

Dark Horse é o quinto álbum de estúdio de George Harrison, lançado pela Apple Records em 09 de dezembro de 1974 nos EUA e 20 de dezembro de 1974 no Reino Unido.Embora profundamente antecipado com o lançamento,Dark Horse é sinónimo da turnê norte-americana controversa que George fez com Ravi Shankar em novembro e dezembro daquele ano. Esta foi a primeira turnê nos Estados Unidos por um membro dos Beatles desde 1966, e da nostalgia do público para a banda, juntamente com George que contraiu laringite durante os ensaios e escolheu Ravi Shankar tão fortemente no programa,que resultou em comentários contundentes sobre as músicas pelos críticos.
O álbum Dark Horse foi escrito e gravado durante um longo período de turbulência na vida pessoal de George Harrison, quando ele dedicou grande parte de suas energias para questões de negócios, tais como a criação da Dark Horse Records.O autor Simon Leng referiu-se ao álbum como "uma novela musical, catalogando palhaçadas de rock da vida, conflitos conjugais, perdas de amizades, e auto-dúvida",devido ao seu foco na separação de George Harrison com a primeira esposa Pattie Boyd e sua temporária retirada das certezas espirituais de seu trabalho anterior.
O álbum conta com uma série de músicos convidados - incluindo Tom Scott, Billy Preston, Willie Weeks, Andy Newmark, Jim Keltner, Ringo Starr, Gary Wright e Ron Wood - e produziu dois singles, "Dark Horse" e "Ding Dong, Ding Dong ". Mostrou-se movendo em direção ao funk e soul como influências,embora o álbum não foi bem recebido pela maioria dos críticos da época. Dark Horse ganhou um disco de ouro pela Recording Industry Association of America alguns dias depois do lançamento, mas ele se tornou o primeiro álbum solo de George Harrison há não chegar nas paradas da Grã-Bretanha. A capa foi desenhada por Tom Wilkes e consiste em uma fotografia de escola desde o tempo de George no Instituto de Liverpool sobreposta à uma paisagem do Himalaia. O álbum foi relançado remasterizado em 22 de setembro de 2014, como parte da caixa The Apple Years 1968-1975.

Continua amanhã...porque esse álbum tem muita história!

source: Wikipedia

domingo, 8 de dezembro de 2019

* Remembering John Lennon *


A engenharia extremamente criativa e inovadora por trás de Tomorrow Never Knows dos Beatles.

Lançada em 1966, a faixa de encerramento do seu sétimo álbum de estúdio, Revolver, Tomorrow Never Knows exemplificou a capacidade florescente da banda de usar o estúdio como um instrumento, tecendo uma obra de arte psicodélica que habilmente consegue combinar a recente descoberta de música concreta de Paul, o interesse de John na música. Livro tibetano dos mortos, o desejo de George de trazer escalas musicais orientais para o mundo ocidental, e a bateria de Ringo.
A faixa Tomorrow Never Knows dos Beatles foi feita de magia de estúdio que, em 1966, raramente havia sido visto antes. Foi assim que foi feita.
Em antecipação às sessões de gravação do Revolver, Paul estava demonstrando um interesse crescente no movimento da música concreta, expressando sua admiração particular pela Gesang Der Jünglinge de Stockhausen pelo uso de saturação de fita e efeitos de loop.
Ele havia descoberto que, desativando a cabeça de apagar de um gravador e, em seguida, enrolando um loop contínuo de fita na máquina durante a gravação, as fitas constantemente se sobrepunham, criando esse efeito de saturação que ele ouvira em Gesang Der Jünglinge.
Apaixonado pelo conceito, Paul incentivou os outros a criar seus próprios loops e, quando chegou às primeiras sessões do Revolver, em 6 de abril de 1966, a banda havia fornecido a George Martin mais de 30 loops de fita que eles criaram por conta própria. em que eles manipularam mais devagar, acelerando, revertendo e saturando.
Esses loops se tornariam o pano de fundo perfeito para uma música que John acabara de escrever, então intitulada 'Mark I', que estava muito longe do material anterior. Ele apresentava John falando sério em um único acorde C, inspirado em sua recente aquisição do livro The Psychedelic Experience: A Manual Based on the Tibetan Book of the Dead de Timothy Leary. O livro contém a seguinte frase: “Whenever in doubt, turn off your mind, relax, float downstream”.
Dos 30 loops fornecidos a Martin, apenas 16 fizeram parte, cada um com duração de cerca de 6 segundos.
Cinco loops que são mais reconhecíveis na mixagem final são: uma gravação do riso de McCartney que foi acelerado para se parecer com o som de gaivotas, um acorde orquestral de um B maior, um mellotron tocado em seu famoso cenário de flauta, outro mellotron na configuração de cordas, alternando entre B e C em 6/8 e uma cítara tocando uma frase escalar crescente, gravada com forte saturação e acelerando.
Também se especulou que uma parte do solo de guitarra pesada de McCartney de Taxman também foi usada (desacelerada, revertida e afinada) durante o intervalo instrumental.
O que realmente torna os laços de fita significativos, no entanto, é como eles foram tecidos juntos para produzir a mixagem final.
Cinco máquinas de fita separadas ao redor do prédio da Abbey Road foram usadas para gravar a faixa. Cada máquina era controlada e monitorada por um técnico da EMI, segurando um único lápis ou copo de vidro dentro de seu pedaço de fita de quarto de polegada designado para manter a tensão enquanto o observavam passar pelo cabrestante e passar pela cabeça de reprodução, repetindo-se sem parar.
Enquanto os técnicos assumiam o cargo, os quatro rapazes de Liverpool cuidavam dos faders no console principal do estúdio 3, enquanto George Martin variava o panorama estéreo, e o então engenheiro Geoff Emerick, de 19 anos, monitorava os medidores em busca de níveis de gravação take após take, ao vivo para a fita master.
Como Paul lembra: “Tocamos os faders, e logo antes que você pudesse perceber que era um loop, antes que começasse a se repetir muito, eu usava um dos outros faders e, assim, usando as outras pessoas: 'Você puxe isso para lá '', você puxa para dentro '', nós fizemos uma reprodução meio aleatória e orquestrada das coisas e gravamos isso em uma faixa na fita master real, de modo que, se conseguirmos uma boa, essa seria a solo. Tocamos algumas vezes e trocamos algumas fitas até conseguirmos o que pensávamos ser realmente bom. ”
George Martin comenta ainda que Tomorrow Never Knows “é a única faixa, de todas as músicas que os Beatles fizeram, que nunca poderia ser reproduzida: seria impossível voltar agora e mixar exatamente a mesma coisa: o 'acontecimento' das fitas com loops, inseridas quando todos nós giramos as alavancas dos faders, quer ou não, foi um evento aleatório. ”
Depois de concluir a gravação, McCartney estava ansioso para avaliar a reação dos contemporâneos da banda, pois sabia que nada disso havia sido tentado na música popular antes. Em 2 de maio, ele tocou a música para o amigo Bob Dylan na suíte de hotel em Londres; quando a faixa começou, Bob Dylan disse com desdém: “Oh, entendi. Você não quer mais ser fofo ... "

source: Happy Mag

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

O álbum Beatles For Sale completa 55 anos - parte final

photo Robert Freeman
Lançamento
Beatles For Sale foi lançado no Reino Unido em 4 de dezembro de 1964. Em 12 de dezembro, começou as 46 semanas de longo prazo nas paradas, e uma semana depois bateu A Hard Day's Night fora do topo das paradas. Depois de sete semanas, o tempo do álbum no topo parecia ter acabado, mas Beatles For Sale fez um retorno em 27 de fevereiro de 1965, ao destronar os Rolling Stones e retornando para o primeiro lugar por uma semana.A corrida do álbum nas paradas ainda não estava concluído e em 7 de março de 1987, quase 23 anos depois de seu lançamento original, Beatles For Sale re-entrou nas paradas brevemente por um período de duas semanas logo após o lançamento do primeiro lançamento em CD em 26 de Fevereiro de 1987.
photo Robert Freeman
A capa
O clima pessimista das músicas do Beatles For Sake se refletiu na capa do álbum, que mostra os Beatles sérios e sem sorrisos,ao contrário,cansados e olhando em uma cena do outono fotografado no Hyde Park, em Londres. McCartney lembrou: "A capa do álbum foi bastante agradável.:. Fotos de Robert Freeman Foi fácil!Fizemos uma sessão com duração de duas horas e teve algumas fotos razoáveis, para utilizar ... O fotógrafo sempre é capaz de dizer a nós, 'Basta aparecer, "porque todos nós usávamos o mesmo tipo de equipamento o tempo todo,cores negras;.. camisas brancas e grandes lenços pretos"
Este foi o primeiro álbum dos Beatles a ter uma capa dupla desdobrável, com encarte na parte interna,(a próxima seria Sgt. Pepper Lonely Hearts Club Band, em 1967). A foto no interior da capa mostra os Beatles em pé na frente de uma montagem de fotos, o que alguns têm assumido que foi a fonte de inspiração para a capa de Sgt. Pepper Lonely Hearts Club Bad, embora não haja nenhuma evidência para isso.
As notas da capa apresenta, uma observação de Derek Taylor em 1964 sobre o que o álbum significa para as pessoas do futuro:
"Quando, daqui a 20 anos ou mais, uma criança, entendida em música, estiver num piquenique em Saturno, e lhe perguntar quem eram os Beatles – “Você os conheceu na época?” – não tente explicar tudo sobre os cabeludos e sua turbulência! Basta à criança tocar algumas faixas deste LP e logo entenderá tudo. Os jovens do ano 2000 extrairão da música mais sensação e bem estar do que sentimos hoje, porque a mágica dos Beatles, desconfio, não tem limite de tempo nem idade."
Faixas:
Lado A (se quiser saber sobre alguma faixa do disco,basta clicar em cima)
4. "Rock and Roll Music" (Chuck Berry) Lennon 2:31
6. "Mr. Moonlight" (Roy Lee Johnson) Lennon 2:38
7. "Kansas City/Hey, Hey, Hey, Hey" (Jerry Leiber and Mike Stoller/Richard Penniman) McCartney 2:38

Lado B
2. "Words of Love" (Buddy Holly) Lennon and McCartney 2:04
3. "Honey Don't" (Carl Perkins) Starr 2:57
7. "Everybody's Trying to Be My Baby" (Carl Perkins)

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Sony fecha acordo para distribuição norte-americana de memorabilia dos Beatles

A Sony Music Entertainment assinou um acordo para ser o fornecedor norte-americano exclusivo de camisetas dos Beatles e outras recordações, segundo pessoas familiarizadas com o assunto, o mais recente sinal da crescente importância dessas vendas para músicos e gravadoras.
O acordo, cujos termos não foram divulgados, ocorre no momento em que a unidade da Sony Corp. trabalha para expandir sua presença no crescente mercado de merchandising musical com sua divisão Thread Shop.  As mercadorias representaram recentemente uma parcela cada vez maior dos negócios de artistas e as empresas de música estão participando cada vez mais do que costumava ser considerado uma parte relativamente menor da indústria.
A Sony planejava enviar convites quarta-feira para uma loja pop-up que será inaugurada na próxima semana em Nova York, que deve mostrar novos designs de roupas, brinquedos e outros produtos da marca Beatles, incluindo toca-discos e uma máquina de pinball.
A licença de mercadorias norte-americana dos Beatles era mantida desde 2013 pela Bravado, uma subsidiária da Universal Music Group da Vivendi SA.  A Bravado, a empresa dominante no mercado, tem cerca de US $ 300 milhões em receita anual.
A Sony e a Universal estão profundamente envolvidas em outras partes dos negócios dos Beatles.  A Universal possui o catálogo de músicas gravadas do grupo e atua como sua gravadora em todo o mundo.  A Sony controla os direitos de publicação de centenas de músicas originais da banda através da Sony / ATV Music Publishing.
De acordo com o contrato, a Thread Shop trabalhará com a Apple Corps Ltd., entidade corporativa da banda em Londres, para expandir a marca dos Beatles nos EUA, desenvolvendo vestuário e outros produtos e parcerias.  As lojas programadas para transportar a nova mercadoria incluem Target, Forever 21, FYE e Hot Topic.  A Thread Shop também operará o site de varejo norte-americano do grupo.
A distribuição de mercadorias dos Beatles tem sido historicamente um negócio com margens relativamente baixas, porque a banda é capaz de obter altas taxas de royalties, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.  Mas trabalhar com a banda poderia ajudar a Sony a atrair outros grandes artistas para seus crescentes esforços de merchandising.
Em agosto, a Thread Shop adquiriu a divisão de mercadorias da empresa de produção teatral Araca Group, ganhando uma lista de artistas como Led Zeppelin, Pink, Shania Twain e Sugarland.
Esse acordo seguiu aquisições no ano passado pelas duas maiores rivais da Sony Music.  Em janeiro, a Universal comprou a empresa de mercadorias Epic Rights, com sede em Los Angeles, que trabalhou com Kiss, Def Leppard, AC / DC, Aerosmith, Madonna e Celine Dion.  Em setembro de 2018, o Warner Music Group da Access Industries Inc. fechou um acordo de US $ 180 milhões para a varejista de produtos de entretenimento online E.M.P.  Merchandising Handelsgesellschaft mbH, que oferece mercadorias de artistas como Metallica, Nirvana, Guns N 'Roses e Pink Floyd.
A venda de mercadorias de marca - de moletons e camisetas a maquiagens e gorros - tornou-se um negócio cada vez mais importante para muitos artistas nos últimos anos.
À medida que as vendas de músicas gravadas diminuem, substituídas por streaming menos lucrativo, os artistas procuram preencher o déficit de receita com vendas de turnês e mercadorias.  Com a crescente demanda por essas novidades, os artistas têm vinculado a venda de um CD ou download digital a esses itens, em um esforço para aumentar sua posição na parada de álbuns da Billboard 200.  Esses chamados pacotes levaram ao que alguns na indústria chamam de resultados distorcidos das paradas, refletindo o desejo dos fãs de recordações em vez de um álbum.

O álbum Beatles For Sale completa 55 anos - parte 2

Photo by Robert Freeman
Composição
Quando o álbum Beatles For Sale estava sendo gravado,a Beatlemania estava em alta e pegando fogo;no início de 1964, quando eles fizeram as apresentações na televisão nos Estados Unidos, o que provocou uma demanda sem precedentes pelos os seus discos.Beatles For Sale era o seu quarto álbum em 21 meses.A gravação para o álbum começou em 11 de agosto, apenas um mês após o lançamento de A Hard Day's Night,seguindo os passos de várias turnês.Grande parte da produção do álbum foi feito em "dias de folga" das performances no Reino Unido, e na maioria das composições foram feitas no próprio estúdio.
A maioria das sessões de gravação do álbum foram concluídas em um período de três semanas com início em 29 de Setembro.O produtor dos Beatles George Martin lembrou: "Eles estavam bastante cansados da guerra durante o Beatles For Sale.É preciso lembrar que eles foram bem pressionados como loucos ao longo de '64, '63 e muito do sucesso é uma coisa maravilhosa, mas é muito.. , muito cansativo. "
A seleção das músicas
Mesmo o time de compositores como Lennon-McCartney não conseguiam acompanhar a demanda por suas músicas, e com um prazo alvo para o Natal para atender, a banda recorreu a gravação de várias versões covers para o álbum. Esta tinha sido seu modo de funcionamento para os seus primeiros álbuns, mas tinha sido abandonado no álbum anterior,A Hard Day's Night.O álbum incluía seis covers, como o mesmo número nos seus dois primeiros álbuns. Lembrou McCartney: ". A gravação do Beatles For Sale não demorou muito Basicamente era o nosso show no palco, com algumas músicas novas." De fato, três das covers foram gravadas em um total de cinco takess em uma única sessão, em 18 de outubro. 
Beatles For Sale teve oito músicas originais de Lennon e McCartney.Nesta fase da sua parceria, as composições de Lennon e McCartney eram altamente colaborativas; mesmo quando as músicas tinham um autor principal e o outro contribuiria muitas vezes com peças-chave, como em "Not Reply", onde McCartney ajudou numa música quase inteiramente de Lennon.
Em 1994, McCartney descreveu o processo de composição que ele e Lennon passaram: 
"Nós, normalmente, tocávamos várias semanas antes da sessão de gravação e eles diziam: 'Nós estamos gravando no período de um mês e você tem uma semana de folga antes das gravações para escrever algumas coisas." ... Assim que eu estava fora todos os dias com John na semana, e o resto do tempo era apenas uma folga. Nós sempre escrevemos uma música por dia ... e a casa de John em Weybridge era bastante agradável,confortável, perto do campo de golfe ... Então John e eu sentávamos, e então por uma ou duas horas, e por quatro ou cinco horas teríamos feito."
Gravação 
A gravação ocorreu nos estúdios da EMI,no Abbey Road.Os Beatles tiveram que dividir o estúdio com músicos clássicos, quando McCartney se relacionaria em 1988:. "Hoje em dia você vai a um estúdio de gravação e você tende a ver os outros grupos, outros músicos ... você veria sessões clássicas acontecendo no 'estúdio 1'. Nós sempre fomos convidados a desligar porque um piano clássico estava sendo gravado no 'estúdio 1' e eles poderiam nos ouvir. "George Harrison lembrou que a banda estava se tornando mais sofisticada sobre técnicas de gravação:. "Nossos discos estavam progredindo Na primeira vez em um estúdio estávamos nervosos e ingênuos e olhando para o sucesso por esse tempo que tivemos.Mas depois de vários sucessos estávamos mais relaxados com nós mesmos, e mais confortáveis no estúdio ... nós estávamos começando a fazer um pouco de overdub, também, provavelmente,em uma mesa de quatro canais"
A gravação foi concluída em 18 de outubro. A banda participou de várias sessões de mixagem e edição antes de concluir o projeto em 4 de novembro; o álbum foi levado às pressas para a produção e lançado exatamente um mês depois.Neil Aspinall, mais tarde, refletiu: "Nenhuma banda hoje viria de uma turnê longa pelo EUA no final de setembro e correr para o estúdio e começar um novo álbum, ainda escrevendo músicas, e depois ir em uma turnê pelo Reino Unido , terminar o álbum em cinco semanas, ainda em turnê, e ter o álbum a tempo para o Natal. Mas isso é o que os Beatles fizeram no final de 1964. muito do que estava na ingenuidade, pensando que esta era a maneira que as coisas eram feitas.Se a gravadora precisa de mais um álbum, você vai e fazer um.

Continua amanhã...

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

O álbum Beatles For Sale completa 55 anos - parte 1

Beatles for Sale é o quarto álbum de estúdio dos Beatles, lançado em 4 de Dezembro de 1964 e produzido por George Martin para a Parlophone. O álbum marcou um ponto de viragem menor na evolução da parceria Lennon-McCartney, John Lennon particularmente começava a mostrar interesse em compor canções de carácter mais autobiográfico. "I'm a Loser" mostra Lennon pela primeira vez que vem sob a influência de Bob Dylan,a quem ele conheceu em Nova York durante a turnê, em 28 de agosto de 1964.
Beatles for Sale não produziu um single para o Reino Unido - as faixas "I Feel Fine" e "She's a Woman" que não fazem parte do álbum realizaram esse papel. No entanto,nos Estados Unidos foi lançado um single "Eight Days a Week" com "I Don't Want to Spoil the Party" como Lado B,que se tornou seu sétimo número 1 em marco de 1965.Na Austrália, um single com covers dos Beatles do álbum,"Rock and Roll Music" e "Honey Don't"(de cada lado) foi número 1 ficando 4 semanas.
O álbum ficou no 1º lugar no Reino Unido tirando a posição que era do álbum anterior,A Hard Day's Night e manteve essa posição por 11 das 46 semanas que passaram no Top 20 .Beatles for Sale não veio à tona como um álbum regular nos EUA até 1987. Em seu lugar foi lançado Beatles '65 que tinha oito canções do Beatles for Sale, mais o single "I Feel Fine"e "She's a Woman" e a faixa "I'll Be Back" do álbum A Hard Day's Night do Reino Unido.O álbum Beatles '65 teve uma temporada de nove semanas no topo das paradas norte-americanas a partir de janeiro 1965.
História
Os Beatles estavam exaustos das tournês e gravações que vinham realizando. Dois meses e oito dias após gravarem o terceiro álbum A Hard Day's Night, eles voltaram ao estúdio para gravar Beatles For Sale. Haviam acabado também uma tournê mundial e feito várias aparições em programas de TV e de rádio na Inglaterra. Isso os levou a incluir alguns covers em seu novo álbum. Nos dois primeiros álbuns, os Beatles já haviam incluído alguns covers, mas no terceiro só incluíram composições próprias. Talvez por isso, alguns críticos consideraram Beatles For Sale o álbum mais fraco da carreira dos Beatles. Não pela qualidade dos covers escolhidos mas por um retorno aos covers, era como se eles tivessem voltado um passo atrás na elaboração de novas e próprias canções. Foi o quarto álbum do grupo em apenas 21 meses desde o primeiro.

Continua amanhã...

O primeiro evento mundial dos Beatles soará como uma apresentação ao vivo da banda

Os fãs dos Beatles poderão experimentar o álbum Sgt Pepper Lonely Hearts Club Band como nunca foi ouvido antes deste Natal.
A gigante da tecnologia Apple escolheu Liverpool para lançar sua nova experiência sonora imersiva em um primeiro evento mundial centrado na banda.
Apelidado de "melhor experiência de audição dos Beatles", o novo evento verá o inovador álbum tocado em Dolby Atmos - uma nova geração de alto-falantes inteligentes de som surround - que parecerá como se a banda estivesse se apresentando ao vivo no espaço.
O Dolby Atmos é um tipo de som envolvente mais avançado, baseado nos objetos de áudio que podem ser colocados em qualquer ponto do plano 3D, oferecendo uma experiência de som em 360 graus.
Um grande número de alto-falantes é colocado ao redor dos ouvintes, criando uma paisagem sonora em 3D, transportando-os para os Abbey Road Studios, onde o Sgt Pepper foi gravado.
Para o evento, o álbum foi remixado das gravações originais por Giles Martin, filho do lendário produtor dos Beatles George Martin.
Falando sobre o evento, ele disse: "Essa nova mixagem em Dolby Atmos nos permite entrar no disco e mergulhar totalmente no mundo fantástico que foi criado com tanta beleza nos Abbey Road Studios há mais de 50 anos. "
O evento é uma colaboração entre Tate Liverpool, National Museums Liverpool e Apple Corps Ltd.
Helen Legg, diretora do Tate Liverpool, disse: "Na época em que fizeram o Sgt Pepper, os Beatles estavam no epicentro da arte pop e performática dos anos 60 de Londres, o que influenciou fortemente esse tremendo disco.Ouvir esse mix especial é como ouvir algo familiar pela primeira vez. Parece tão novo que você pode ouvir todos os elementos que apenas sublinham o quão descontroladamente inventivo foi".
Sgt Pepper Lonely Hearts Club Band de Sgt Pepper - The Immersive Experience será apresentada no edifício do Dr. Martin Luther King Jr, do National Museums Liverpool, no Royal Albert Dock, de quinta-feira 19 de dezembro de 2019 a quinta-feira 9 de janeiro de 2020 - exceto 24 a 26 de dezembro e 31 de dezembro a 1 de janeiro.
Os ingressos já estão disponíveis para uma variedade de slots programados. Os ingressos são gratuitos, mas a reserva antecipada é essencial e restrita a duas por pessoa. Eles podem ser reservados no site do National Museums Liverpool.
Os fãs também poderão ver obras de arte do padrinho da pop art britânica, Sir Peter Blake, um dos criadores da capa do icônico Sgt Pepper, que será exibida nas paredes e bandeiras marítimas no café Tate Liverpool bem como no Dazzle Ferry de Liverpool.