sexta-feira, 7 de agosto de 2020

O álbum HELP! completa 55 anos parte 2

As músicas rejeitadas
Algumas músicas que foram destinadas para o filme não foram utilizadas por causa das sugestões dos Beatles.John Lennon e Paul McCartney escreveram "If You've Got Trouble" para Ringo Starr cantar, mas foi rejeitada e Ringo gravou "Act Naturally", em vez.
"That Means a Lot" (música acima), foi escrita para o filme, mas os Beatles não estavam satisfeitos com a sua performance e deram a PJ Proby, que lançou um single.
Lennon disse que a música "Yes It Is", foi "uma tentativa para uma regravação de" This Boy ", mas não deu".Foi lançada como lado B de" Ticket to Ride "e também estava no álbum Beatles VI. 
"You Like Me Too Much" e "Tell Me What You See" foram rejeitas para uso no filme por seu diretor, Richard Lester, embora eles aparecem no álbum (e também no Beatles VI).
Muito mais tarde, em junho de 1965, a música "Wait" foi gravada para o álbum. No entanto, "Wait" (com alguns overdubs adicionados depois) acabou entrando para o álbum Rubber Soul quando uma música era necessária para completar o álbum.
A versão americana foi um verdadeiro álbum de trilha sonora, misturando as primeiras sete músicas com material orquestral do filme.Das outras sete músicas, duas foram lançadas na versão americana do álbum dos Beatles seguinte, Rubber Soul, duas nos Estados Unidos no próximo single e depois apareceram no álbum Yesterday and Today e três estavam no álbum Beatles VI.
Lançado no dia 13 de agosto de 1965,gravado nos Estúdios da EMI nos períodos de 15 a 19 de fevereiro,13 de abril,10 de maio e 14 a 17 de junho de 1965,a verão americana foi produzida por George Martin e Dave Dexter, Jr. 
Faixas
Todas as músicas foram compostas por Lennon/McCartney, exceto as notadas.
Lado A
1."Help!" (com introdução do tema de James Bond de Ken Thorne instrumental)– 2:39
2."The Night Before" – 2:36
3."From Me to You Fantasy" (instrumental) (Lennon/McCartney; arranjos por Thorne) – 2:08
4."You've Got to Hide Your Love Away" – 2:12
5."I Need You" (Harrison) – 2:31
6."In the Tyrol" (instrumental) (Ken Thorne) – 2:26
Lado B
1."Another Girl" – 2:08
2."Another Hard Day's Night" (instrumental) (Lennon/McCartney; arranjos feitos porThorne) – 2:31
3."Ticket to Ride" – 3:07
4.Medley:"The Bitter End" (Ken Thorne)/"You Can't Do That" (instrumental) (Lennon/McCartney; arranjos feitos por Thorne) – 2:26
5."You're Gonna Lose That Girl" – 2:19
6."The Chase" (instrumental) (Ken Thorne) – 2:31
No Brasil, o álbum foi lançado com as faixas diferente dos lançamentos dos EUA e do Reino Unido. No lançamento original do LP no Brasil (número de catálogo: MOFB - 333), em 1965, as faixas eram:
Faixas
Lado A
1. "Help!" 2:18
2. "The Night Before" 2:33
3. "I Need You" (George Harrison) 2:28
4. "You've Got to Hide Your Love Away" 2:08
5. "You're Going to Lose That Girl" 2:17
6. "Another Girl" 2:05

Lado B
1. "Ticket To Ride" 3:10
2. "I'm Down" 2:33
3. "I Feel Fine" 2:25
4. "Thank You Girl" 2:21
5. "Ask Me Why" 2:24
6. "P.S. I Love You" 2:06
Em 2003, o álbum foi classificado como o número 332 da lista da revista Rolling Stone dos 500 maiores álbuns de todos os tempos.

A música de Paul que John não gostou de não ter sido chamado para gravar

Em 1968,os Beatles estavam gravando o Álbum Branco e a banda estava se dividindo em facções durante as gravações e uma dessas partes realmente "machucava" John Lennon.
O problema não foi se ofender com a estrutura lírica da música, foi a maneira que Paul McCartney a gravou que realmente incomodou John.
Por incrível que pareça, também é uma música que Lennon amou, uma vez que chamou de "uma das melhores". 
A música em questão,era 'Why Don’t We Do It In The Road'
A música foi inspirada no encontro de Macca com uns macacos enquanto a banda ficava em Rishikesh, na Índia, estudando com Maharishi Mahesh Yogi, o compositor compartilhou: “Um macho [macaco] pulou nas costas dessa fêmea e mandou brasa, como se costuma dizer. Em dois ou três segundos ele pulou novamente e olhou em volta como se dissesse 'Não fui eu!' E ela olhou em volta como se houvesse algum distúrbio leve ... E eu pensei ... é assim que é simples o ato de procriação. ... Temos problemas terríveis com isso, e ainda assim os animais não. ”
Apesar de ter alguma construção básica, a música se tornou uma parte amada do disco especialmente considerando que até John Lennon gostou. O cantor, falando com David Sheff em 1980, disse: "Esse é o Paul. Ele até gravou sozinho em outra sala. Era assim que estava naqueles dias. "
Era uma situação que estava piorando as conexões da banda. Lennon continua com Sheff: "Entramos e ele fez o álbum inteiro. Ele tamborilando, ele tocando piano, ele cantando. Mas ele não podia ... talvez não conseguisse escapar dos Beatles. Eu não sei o que era, você sabe. Gostei da faixa.
Lennon revelou que como Paul estava trabalhando sozinho o aborreceu: “Ainda não posso falar por George, mas sempre me machucava quando Paul fazia algo sem nos envolver. Mas é assim que era então. "
Um ano depois, McCartney estava defendendo seu direito de gravar a faixa por conta própria, alegando que era uma negligência intencional: "Há apenas um incidente em que posso pensar, que John mencionou publicamente. Foi quando eu saí com Ringo e fiz 'Why Don’t We Do It In The Road'? Não era uma coisa deliberada, John e George estavam amarrados terminando alguma coisa, e eu e Ringo estávamos livres, apenas por aí , então eu disse a Ringo: 'Vamos fazer isso.' ”
Tão raro foi o elogio de Lennon à faixa de Macca que ele também se lembra de John curtindo a música: “Eu ouvi John algum tempo depois cantando. Ele gostou da música e suponho que ele quisesse fazer isso comigo. Era uma música muito a cara de John, de qualquer maneira. É por isso que ele gostou, suponho.Era muito a cara do John, a ideia, não eu. Eu escrevi isso como um ricochete com John.

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

O álbum HELP! completa 55 anos parte 1


Help! é o quinto álbum britânico e nono americano dos Beatles,e a trilha sonora de seu filme de mesmo nome.Produzido por George Martin para a EMI Parlophone Records, contém 14 músicas em sua forma original britânico, sete dos quais apareceram no filme Help!.Estas músicas ficaram no primeiro lado do álbum em vinil e inclui todos os singles "Help!" e Ticket "to Ride". O lado B continha sete versões, incluindo a canção mais gravada já escrita, "Yesterday".
Lançado no Reino Unido no dia 06 de agosto de 1965,gravado no Abbey Road de 15 de Fevereiro a 17 de Junho de 1965.
Alemanha

Música
O álbum apresenta a música "Yesterday" de Paul McCartney,com violão e quarteto de cordas e gravada sem que os outros membros do grupo.A música "You've Got to Hide Your Love Away" de John Lennon mostra a influência de Bob Dylan e inclui flautas. 
A música "I've Just Seen a Face" é puro country com um ritmo tão rápido que poderia ter sido bluegrass se não fosse a ausência de banjo e violino.
"Ticket to Ride", também lançada como single, foi sentida por Lennon para ser "pesada" em seu som em comparação com o álbum anterior e ousada na sua referência a um garoto e uma garota vivendo juntos.McCartney chamou o arranjo de "muito radical". 
George Harrison contribuíu com "I Need You" e "You Like Me Too Much", suas primeiras composições a serem incluídas em um álbum dos Beatles desde "Don't Bother Me" em 1963 no With The Beatles. 
França

O álbum contém duas covers e algumas faixas mais intimamente mais pop do que o disco anterior do grupo, mas ainda marcou um avanço decisivo.No disco,Lennon e McCartney fizeram o uso extensivo e proeminente dos teclados, anteriormente tocado discretamente por George Martin.A tecnologia de overdubs durante as gravações em quatro canais incentivou isso.Lennon, por sua vez, fez um uso muito maior de guitarra acústica,abandonando a sua Rickenbacker.Todos estes desenvolvimentos podem ser comparados ao disco anterior,onde eles eram menos óbvios porque esse álbum foi gravado mais apressadamente e continha muitas versões covers.
Mais tarde,Lennon declarou que a faixa título do álbum foi um grito sincero para de ajuda;se arrependia de mudar-lo de uma balada para o piano para uma canção pop que foi feita apenas como resultado de pressões comerciais.
As músicas "Bad Boy" e "Dizzy Miss Lizzy",ambas escritas por Larry Williams e gravadas em 10 de maio de 1965,no aniversário de Williams,apareceram no álbum Beatles VI da Capitol Records, lançado nos EUA em junho de 1965." Bad Boy "não foi lançado no Reino Unido até o álbum A Collection of Beatles Oldies de 1966.

Faixas (SE QUISER SABER SOBRE CADA MÚSICA BASTA CLICAR EM CIMA)

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Em casa,Paul McCartney fala porque processou os Beatles para salvá-los

foto Mary McCartney
Paul McCartney é um grande nome com muita história que levaria anos para ser contada completamente.
Em uma entrevista para revista GQ,Paul falou sobre o tempo que ficou em casa no lockdown e o que aprendeu:
"Eu tive muita sorte, na verdade. No começo do ano, estávamos de férias e o bloqueio começou logo depois que voltamos, então eu voei para a Inglaterra e passei o tempo com minha filha Mary e seus filhos na fazenda. Então, de repente, estávamos todos trancados lá. 
Sinto muito por todos os que tiveram menos sorte e, obviamente, por todos que perderam entes queridos, mas tive sorte. Consegui escrever e entrar na música, começando músicas, terminando músicas. Eu tenho algumas coisinhas para escrever e me deu tempo para terminar algumas músicas que não encontrei tempo para conhecer, sabe? Eu gravei usando muitos toalhetes de mão e desinfetante e distanciamento social, o que foi bom porque não gosto de não trabalhar.
Suponho que aprendi que você não pode dar nada como garantido e que é muito difícil prever o futuro agora. Com toda a honestidade, acho que não aprendi muito. Eu conhecia o valor da minha família e tem sido ótimo poder passar mais tempo com eles, mas isso não significa que eu queira fazer isso o tempo todo.Eu gosto de trabalhar também.
Eu gosto de ter coisas para fazer, pois mantém o cérebro ocupado. Além de todos os meus projetos, tive o luxo de poder sentar e escrever músicas sem motivo, o que é ótimo."
Paul comentou o que faz quando visita Liverpool como foi para o programa do James Corden:
"Eu gosto de dirigir e não quero dirigir por Liverpool. E eu sei todas as rotas, você sabe? Na maioria das vezes, estou dirigindo para Lipa e no caminho passo por todos os lugares antigos e é como uma visita guiada, comigo como guia. Eu digo: "E é aqui que a mãe de John, Julia, morava e costumávamos passear e visitá-la. E aqui é a rua onde eu tive minha primeira namorada. Então é tudo isso. “Foi aqui que eu fiz isso; Foi aqui que fiquei com essa garota ... ”Lembro-me de muitas coisas. “Foi aqui que fizemos nosso primeiro pequeno show, em um local chamado The Wilson Hall, e então aqui eu e John andávamos por essa rua com nossos violões e depois eu caminhava lá em cima, em sua casa, do outro lado do golfe.
Este é um pequeno local onde costumávamos brincar no porão, um pequeno clube ilegal dirigido por esse negro de Liverpool chamado Lord Woodbine. Foi quando éramos apenas eu, John e George. Eu estava tocando bateria, porque não tínhamos um baterista na época.
A única diferença com o que fiz com James é que nunca estive dentro da minha antiga casa. Eu não tinha voltado desde que saí. James sugeriu fazê-lo. Eu sempre ficava um pouco apreensivo em voltar. Eu não sabia se seria bom ou se eu teria más lembranças ou o que quer que seja, embora eu realmente não saiba com o que estava preocupado. Mas foi fabuloso - realmente ótimo. Fiquei feliz por poder contar a ele todas as histórias, do meu pai, meu irmão e nosso tempo lá. Trouxe de volta muitas lembranças legais, então eu adorei."
foto Mary McCartney
Paul tem uma centenas de guitarras e falou qual era a sua favorita:
"Eu tenho uma Epiphone Casino, que é uma das minhas favoritas. Não é a melhor guitarra, mas eu a comprei na década de 60,quando eu entrei em uma loja na Charing Cross Road.Por ter um corpo oco, ela reage mais facilmente. Eu me diverti muito com ela. Essa é a guitarra em que toquei o solo de "Taxman" e também a guitarra em que toquei o riff na "Paperback Writer". Provavelmente ainda é minha guitarra favorita."
E por falar dos Beatles,Paul lembrou do início na época do shows em Hamburgo:
"Lembro-me de uma vez que estava no camarim de Hamburgo e sabíamos que o saxofonista das bandas estava chegando, e eu tinha um livro de poesia comigo, que minha então namorada havia me enviado, e antes que ele entrasse, todos nos sentamos em volta, como se estivéssemos em profunda contemplação enquanto lia este poema. E o saxofonista entrou, viu todos nós, comigo lendo este poema, e ele disse: "Oh, desculpe", e silenciosamente guardou o saxofone. Quando ele saiu, todos caímos na gargalhada. Nós sabíamos que éramos diferentes. Sabíamos que tínhamos algo que todos esses outros grupos não tinham. Ele gelificou."
foto Mary McCartney
Paul comentou mais lembranças com George e John pegando carona:
"Lembro-me de pegar um violão com George, saindo de carona ... Eu era um grande fã de carona, então eu convencia George e John, principalmente, a ir de férias. George e eu pedimos carona uma vez para o País de Gales. Fomos a Harlech, ficamos em um pequeno local e tocamos um pouco, só eu e George. Então eu e John fomos para Reading, onde meu tio tinha um pub. E nós fizemos um pequeno show lá como The Nerk Twins. E então eu e John pedíamos carona para Paris ...
foto Mary McCartney
Paul conta a sua lembrança quando estava conhecendo John:
"Eu e John nos conhecendo, o fato de que nós dois já começamos a escrever pequenas músicas ... eu perguntei a ele: "Qual é o seu hobby?" e eu disse a ele "Eu gosto de escrever", e ele "Oh, eu também." Você sabe, ninguém que eu já conheci tinha dito isso como resposta. E dissemos: "Bem, por que você não toca comigo e eu tocarei com você?" Isso é muito incomum e fortuito, o fato de que devemos nos encontrar e nos reunir."
foto Mary McCartney
Na parte da entrevista,Paul comenta sobre que ele teve que processar os Beatles para salvá-los:
"A única maneira de eu salvar os Beatles e a Apple - e lançar Get Back de Peter Jackson, o que nos permitiu lançar Anthology e todos esses grandes remasters de todos os grandes discos dos Beatles - foi processar a banda. Se eu não tivesse feito isso, tudo teria pertencido a Allen Klein. A única maneira que me foi dada para nos livrar disso foi fazer o que fiz. Eu disse: "Bem, vou processar Allen Klein", e me disseram que não podia porque ele não fazia parte disso. "Você precisa processar os Beatles".
Bem, como você pode imaginar, isso foi horrível e me deu alguns momentos terríveis. Eu bebi demais e fiz demais de tudo. E foi uma loucura, mas eu sabia que era a única coisa a fazer, porque não havia como salvar (a banda) para mim, depois de trabalhar tão duro por toda a minha vida e ver tudo isso desaparecer em uma nuvem de fumaça. Eu também sabia que, se conseguisse salvá-lo, estaria guardando para eles [o resto dos Beatles] também. Porque eles estavam prestes a doar. Eles amavam esse cara o Allen Klein. E eu estava dizendo: "Ele é um idiota".
"Sobre o que você está falando? Ele e ótimo!"
E John dizia essa coisa clássica: "Quem é tão ruim não pode ser tão ruim".
E você dizia: "John, ele pode ser ... porque ele é um idiota".
Mas John estava muito apaixonado por ele, até que não estava.
Se você ler a história, chega um momento em que todos os caras se voltam contra [Klein], mas eu tive que fazer isso. Então, para responder à sua pergunta, porque eu tinha que fazer isso, acho que fui o cara que acabou com os Beatles e o bastardo que processou seus companheiros. E, acredite, eu comprei isso. Essa é a coisa mais estranha. Era tão predominante que durante anos eu quase me culpei. Eu sabia que isso era estúpido e, quando finalmente voltamos, eu sabia que era bobo, mas acho que fez muitas pessoas pensarem isso de mim."
foto Mary McCartney
E o resultado de tudo isso,Paul falou quando a banda se separou e se isso afetou a ele:
"Eu acho que sim. Mas, na verdade, eu apenas começei a beber. Não havia muito tempo para ter problemas de saúde mental, era apenas, foda-se, estou bebendo ou dormindo. Mas tenho certeza que sim, pois eram tempos muito deprimentes. É engraçado, lembro que quando conheci Linda, ela se divorciou e tinha uma criança e morava em Nova York e teve que se cuidar sozinha. Ela ficou com depressão e eu lembro dela dizendo que tinha tomado uma decisão. Ela disse: “Você sabe o que? Não vou ter essa depressão, porque se tiver, vou estar nas mãos de outras pessoas. E não vou permitir que isso aconteça. " Então ela meio que pegou as botas e disse: "Eu mesmo preciso sair disso". E acho que foi isso que pude fazer, para sair da depressão dizendo: "OK, isso é muito ruim e preciso fazer algo a respeito". Então eu fiz. E acho que é o meu jeito, quase sendo meu próprio psiquiatra. Você diz: “Isso não é legal. Você não é tão ruim quanto pensa que é "e todas as coisas. Então você começa a pensar: "OK".
Por exemplo, John disse: "Tudo o que você escreveu foi 'Yesterday'". Não. Espere um pouco. "Let It Be", "Eleanor Rigby", "Lady Madonna", pelo amor de Deus. E fiquei feliz em me contar tudo isso. Tem mais! "Hey Jude", "The Fool On The Hill", qualquer que seja. Eu acho que foi assim que consegui, convencendo-me de que não era uma boa ideia ceder à minha depressão e às minhas dúvidas. Eu tive que procurar maneiras ..."
Mas você entende. Sempre que você escreve uma música, você diz: "Isso é uma porcaria. Isso é terrível. Vamos." Então eu me chuto e digo: “Faça melhor. Se for terrível, melhore. " E às vezes alguém aparece, alguém que você respeita e diz: "Não, isso é ótimo. Não se preocupe com isso ", e então mostre a você um lado que você não notou e então dirá:" Ah, sim. "
Um exemplo clássico disso foi quando eu estava tocando "Hey Jude" para John e eu disse: "The movement you need is on your shoulder.". Eu me virei para ele e Yoko, que estava atrás de mim, e disse: "Não se preocupe, eu vou consertar isso". E John disse: "Não, você não vai. Essa é a melhor linha nela. " Mas se você não tem isso, às vezes pode ser: "O que estou fazendo é uma porcaria e minha vida não vale nada".
foto Mary McCartney
Paul faz uma comparação sobre a fama de agora com os anos 60:
"Nos anos 60, a fama era um jogo completamente diferente. Era novo, inocente, emocionante e sempre que alguém lhe pedia um autógrafo, você dizia: "Sim, deixe-me fazer dois!" Você só queria fazer isso. Então chegou um momento em que isso começou a desaparecer, e você disse: "Sim, tudo bem, eu vou fazer o autógrafo". Mas então as pessoas vêm até você quando você está jantando em privado ou algo assim e você diz: "Você pode esperar até que eu termine de comer?" Começa a empalidecer e a fama começará a se tornar algo que não era tão atraente quanto era antes. Mas eu não gostaria de tentar ficar famoso agora, com mídias sociais e outras coisas.
Muitas pessoas da minha família tem o Instagram e eu digo: "Não acredito que você esteja fazendo isso, porque toda vez que você publica algo, precisa pensar em algo inteligente para dizer". É a pior pressão na terra. Porque tudo o que você está fazendo é tirar uma foto do seu café da manhã e dizer: "Panquecas não são apenas para a terça-feira gorda". Para mim isso não é divertido.
Na verdade, eu tenho uma conta no Instagram e, ocasionalmente, mergulho nela, mas não sou realmente eu. É minha equipe quem faz isso. Eu gosto e gosto que eles façam isso, e quando eu mergulho, eu meio que gosto, especialmente quando algo importante acontece, como o aniversário de alguém ou alguém morreu ...
Então a fama hoje em dia é um grande jogo de bola, onde todas essas questões entram em jogo e eu não gostaria de tentar obter mais hits que Beyoncé ou Rihanna. Eu não gostaria de jogar esse jogo.
A entrevista completa está no link abaixo

Colaboração: Claudia Tapety a fã nº 1 de Paul McCartney

source: GQ Magazine

terça-feira, 4 de agosto de 2020

O livro John & Yoko: The Plastic Ono Band será lançado em outubro

A Amazon divulgou hoje fotos do livro "John & Yoko: The Plastic Ono Band" que deverá ser lançado em 06 de outubro de 2020,perto da data onde John faria 80 anos e pela comemoração dos 50 anos do álbum Plastic Ono Band de John Lennon pela Weldon Owen.
O livro que está sendo listado pela Amazon,terá 288 páginas mostrando em fotos desde do encontro de John e Yoko até o lançamento do álbum solo em 1970.
"Uma exploração reveladora definitiva e profunda do primeiro álbum solo intensamente pessoal de John Lennon após a separação dos Beatles.
Descrito por Lennon como "a melhor coisa que já fiz", e amplamente considerado como seu melhor álbum solo, John Lennon / Plastic Ono Band foi lançado em 11 de dezembro de 1970.
Com comentários em primeira mão de Lennon,Yoko Ono e outros membros da banda, e repleto de fotografias inéditas de quem documentou suas vidas, este volume incisivo oferece novas idéias sobre as emoções cruas e a mentalidade aberta de Lennon após o casamento com Yoko Ono e a separação dos Beatles, com a criação do álbum e entrevista reveladora com Jann Wenner em dezembro de 1970.
A terapia primordial teve um enorme impacto nas composições de Lennon, resultando na criação de faixas intensamente pessoais, que revelam a alma. Este livro toma suas letras como ponto de partida e explora a vida, a carreira e a autopercepção de Lennon, de "performing flea" com os Beatles até a autenticidade como artista solo."

source: AmazonWeldon Owen

domingo, 2 de agosto de 2020

John Lennon "Acho que foi o meu primeiro grande trabalho"

Em 1965, ouvir uma estrela pop cantar sobre suas próprias vidas de uma maneira tão sincera era praticamente inédito.
Foi um salto gigantesco para Lennon e a banda. Os Beatles começaram a florescer com sua nova direção e criaram alguns de seus trabalhos mais queridos, usando suas próprias vidas como pontos de referência. Mas, como em tudo, sempre há uma primeira música que iniciou a tendência e, para os Beatles, era 'In My Life'.
“Foi a primeira música que escrevi que era conscientemente sobre minha vida”, lembra Lennon durante sua entrevista para a Playboy com David Sheff em 1980. “(John cantando) 'There are places I’ll remember/ All my life though some have changed… (Há lugares que eu lembrarei / Toda a minha vida, embora alguns tenham mudado ... )“Antes, estávamos apenas escrevendo músicas como Everly Brothers, Buddy Holly - músicas pop com nada mais que pensar nisso. As palavras eram quase irrelevantes.
Lennon também compartilhou um pouco da concepção da música durante a entrevista: "'In My Life' começou como uma viagem de ônibus de minha casa na 250 Menlove Avenue para a cidade, mencionando todos os lugares que eu conseguia lembrar. Eu escrevi tudo e foi ridículo ... era o tipo mais chato de 'O que eu fiz nas viagens de ônibus das minhas férias' e não estava funcionando. Mas então eu me deitei e essas letras começaram a aparecer sobre os lugares que eu lembro. ”
A música continua sendo uma das músicas mais queridas da banda e sugeriu que John Lennon estava pronto para abrir: “Acho que foi o meu primeiro grande trabalho. Até então, tudo tinha sido meio zombeteiro e descartável. E foi a primeira vez que conscientemente coloquei minha parte literária de mim na letra.
Embora Lennon tenha citado frequentemente a contribuição de McCartney, Macca sugere que ele teve uma mão maior na estrutura da música. Falando em 1984, ele disse: “Acho que escrevi a música para isso; esse é o que contestamos levemente. John esqueceu ou não achou que eu escrevi a música. Lembro que ele tinha as palavras, como um poema ... meio que sobre rostos que ele lembrava. Lembro-me de sair por meia hora e sentado com um Mellotron que ele tinha, escrevendo a música ... que foi inspirada por milagres, pelo que me lembro. De fato, muitas coisas eram então. ”

sexta-feira, 31 de julho de 2020

John Lennon "Eu sempre odiei essa música"

John Lennon 4 de julho de 1965 Foto Murphy / Mirrorpix
Olhando para trás no Help !, John não pôde deixar de lamentar sobre "It’s Only Love", uma faixa pela qual ele assumia total responsabilidade, embora Paul também tenha assumido alguma culpa por isso. E tudo se resumia às letras.
Antes de John sair dos Beatles, ele começou a atacar "It’s Only Love". Em 1968, falando com a revista Rolling Stone, ele aprimorou seu problema com a faixa. "Eu sempre tive vergonha dessa por causa das letras abomináveis", disse John.
Na verdade, a faixa não pega ouvintes para fora do portão. "Eu fico chapado quando vejo você passar", canta John. "Oh meu Deus." E realmente não melhora a partir daí. "Quando você suspira, meu interior voa", continua John no primeiro verso. "Butterflies.".
Em 1980, a opinião de John sobre a música não havia melhorado. "'Only Love' é minha. Eu sempre pensei que era uma música ruim ”, ele disse a David Sheff na entrevista da Playboy que se tornaram All We Are Saying. “A letra era péssima. Eu sempre odiei essa música.
Mas enquanto John estava disposto a aceitar pela "It’s Only Love", Paul reconheceu que tinha uma mão na escrita. De fato, Paul disse que ele era responsável por uma parte significativa da música.
Na biografia autorizada de McCartney Many Years From Now (1997), Paul disse a Barry Miles que escreveu cerca de 40% de "It Only Only Love" depois que John começou a música. Mas Paul não tinha uma estima mais alta do que John. Ele foi apenas um pouco mais educado sobre isso.
"Às vezes, não brigávamos se a letra saía um tanto branda em algumas músicas como "It’s Only Love", disse Paul. "Se uma letra era realmente ruim, editávamos, mas não éramos tão exigentes com isso, porque é apenas uma música de rock 'n' roll. Quero dizer, isso não é literatura.

source: Cheat Sheet

quarta-feira, 29 de julho de 2020

A primeira música escrita por John Lennon que os Beatles abandonaram

Os Beatles no Ready Steady Go! em 4 de outubro de 1963. 
Foto Mark e Colleen Hayward / Redferns
Embora houvesse apenas nove meses entre a falha na audição da Decca e as gravações do Please Please Me pela Parlophone, as músicas que John Lennon e Paul McCartney que estavam escrevendo ficaram muito melhores. "Love Me Do", o primeiro single dos Beatles, fez muito bem (nº 17) em uma faixa de estréia.
E "Please Please Me", o segundo single da banda, apresentou uma qualidade de composição ainda mais alta. Logo, a banda estava retirando faixas do seu repertório da época do teste na Decca. E isso incluiu "Hello Little Girl", a primeira música que John escreveu.
Os Beatles certamente podiam sentir orgulho de subir nas paradas com "Love Me Do", mas o sucesso de "Please Please Me" os colocou entre a elite. Essa faixa, lançada em janeiro de 63, chegou ao topo de uma das paradas do Reino Unido e acabou em segundo lugar.
Até então, os Fab Four estava ganhando mais confiança em suas composições todos os dias. Portanto, não é surpresa que eles pareciam ter feito esforços simplistas como "Hello Little Girl".
"Infelizmente, as palavras não são tão maravilhosas ", disse Paul sobre a faixa em sua biografia autorizada Many Years From Now (1997). "Elas são um pouco médio." Ao recordar aqueles dias nas entrevistas da Playboy em 1980, John lembrou-se de ter escrito a faixa com o sapateiro Scatterbrain de Frank Masters.
"Lembro-me de algumas músicas dos anos 30 ou 40 que foram:" Você é encantadora, é deliciosa e da da da. Não é uma pena que você seja um covarde '', disse ele. “Isso sempre me fascinou por algum motivo ou outro. Também está conectado à minha mãe. Ela costumava cantar. Então eu criei 'Hello Little Girl' com isso. ”
Embora não fosse bom o suficiente para os Beatles em 63, outras bandas sempre precisavam de faixas para gravar. E logo John e Paul deram para uma banda de Liverpool chamads The Fourmost. O grupo gravou "Hello Little Girl" no verão de 63 e depois chegou ao top 10 do Reino Unido.
"Os Fourmost estavam ansiosos para alcançar e eram muito bons amigos nossos", disse Paul em Many Years From Now. “Eles eram mais um grupo de comédia, um show de cabaré realmente muito engraçado. Eles simplesmente não eram os tipos de caras que iriam ter um grande sucesso. "

source: Cheat Sheet

segunda-feira, 27 de julho de 2020

As opinões de John e Ringo sobre o álbum "John Lennon/Plastic Ono Band"

John Lennon / Plastic Ono Band é frequentemente considerado um dos álbuns clássicos de John. Isso deu o tom para o resto de sua carreira. Apesar dos elogios que seu álbum recebeu, John teve algumas visões contraditórias. Ringo Starr, no entanto, teve uma avaliação diferente do álbum.
Em 1971, John foi entrevistado por Jann S. Wenner, da Rolling Stone. Eles discutiram vários tópicos. John costumava ter palavras críticas para outros músicos. Ele também teve algumas palavras críticas quando Wenner perguntou se ele estava envergonhado com o álbum John Lennon/Plastic Ono Band, porque era um álbum honesto.
John respondeu: “Fico envergonhado. Veja bem, às vezes eu posso ouvi-lo e me envergonhar apenas pelo desempenho da música ou das declarações, e às vezes não. Eu mudo diariamente, você sabe. Como antes do lançamento, eu não aguento ouvi-lo em casa ou tocar em qualquer lugar, mas alguns meses antes, eu posso tocar o tempo todo. Isso muda o tempo todo. ”
John discutiu como sua percepção da música poderia mudar significativamente em um curto espaço de tempo. “Às vezes eu costumava ouvir alguma coisa, Buddy Holly ou algo assim, e um dia o disco soará duas vezes mais rápido que no dia seguinte. Você já experimentou isso em um single? Eu costumava ter isso: um dia "Hound Dog" soaria muito lento e um dia soaria muito rápido. Foi apenas o meu sentimento em relação a isso.
O que Ringo Starr achou do álbum
Além disso, John sentiu que duas músicas do álbum - "Hold On John" e "Isolation" - não eram tão boas quanto ele gostaria. Parece que John não tinha uma opinião sólida sobre o álbum, se seus sentimentos pudessem mudar drasticamente de dia para dia. No entanto, um dos outros músicos que trabalharam no álbum tinha uma opinião sólida: Ringo Starr. Segundo a NME, Ringo descreveu a criação de John Lennon / Plastic Ono Band como um dos destaques de sua carreira.
Ringo descreveu o trabalho com John no álbum como algo semelhante a uma jam session,"Foi incrível", disse Ringo a revista Uncut sobre as sessões de gravação. “John, Klaus e eu. Um dos melhores trios que já ouvi. Fizemos isso como uma jam.Nós sabíamos que John tinha as músicas e nós as tocávamos e sentíamos onde elas deveriam ir. ” Ringo afirma que a familiaridade deles como um grupo funcionou a seu favor: “Conhecíamos Klaus de qualquer maneira. John e eu realmente nos conhecíamos, então éramos paranormais para onde a atmosfera iria. ”
Ringo afirma que 'John Lennon / Plastic Ono Band' foi uma de suas melhores experiências de estúdio. "É uma das melhores experiências de estar em um disco que já tive", acrescentou ele na Uncut. “Apenas estar na sala com John, ser honesto, do jeito que ele estava, gritando, gritando e cantando. Foi um momento incrível. ”

source: Cheat Sheet e NME

sábado, 25 de julho de 2020

Os Beatles odiaram o filme A Hard Day's Night

Os Beatles se destacaram porque fizeram vários filmes frequentemente considerados clássicos. A Hard Day's Night e Yellow Submarine são frequentemente considerados dois dos melhores filmes da década de 60.
Claro, nem todos os filmes dos Beatles foram universalmente aclamados. John Lennon teve algumas críticas muito fortes a alguns dos filmes dos Beatles. De fato, ele disse que um dos filmes dos Beatles conseguiu enfurecer a banda.
Em 1971, Jann S. Wenner entrevistou John para a Rolling Stone. A longa entrevista se tornaria a mais conhecida da carreira de John. Foi publicado até como um livro chamado Lennon Remembers. Na troca, John discutiu principalmente música, mas também compartilhou suas opiniões sobre determinados filmes.
Surpreendentemente, ele não era um grande fã do filme A Hard Day's Night. Esse filme é frequentemente considerado um dos melhores dos Beatles. De fato, alguns críticos consideram A Hard Day's Night revolucionário em suas narrativas. John, no entanto, ficou decepcionado com o produto final.
Ele disse a Wenner: "A história não era ruim, mas poderia ter sido melhor. Outra ilusão era que éramos apenas fantoches e que essas ótimas pessoas, como [o gerente dos Beatles] Brian Epstein e [o diretor do filme] Dick Lester, criaram a situação e fizeram toda essa merda, e precisamente porque éramos o que éramos realistas. Não queríamos fazer um filme pop de merda ... e insistimos em ter um escritor de verdade para escrevê-lo. ”
John explicou por que o filme decepcionou a banda. "Ficamos um pouco enfurecidos com a leveza e a mudança do diálogo e estávamos sempre tentando torná-lo mais realista, mas eles não o entendiam. Acabou tudo bem, mas o próximo foi apenas besteira, porque realmente não tinha nada a ver com os Beatles. Eles apenas nos colocaram aqui e ali. Dick Lester era bom, ele tinha idéias à frente de seus tempos, como usar letras e balões de quadrinhos do Batman. ”
Os Beatles claramente não eram grandes fãs do filme. No entanto, foi um enorme sucesso com o público. De fato, a Vanity Fair relata A Hard Day's Night foi o primeiro filme na história do cinema a ser lucrativo enquanto ainda estava sendo filmado!
Como isso aconteceu? A trilha sonora do filme foi lançada antes do filme. Como o estúdio por trás do filme, United Artists, detinha os direitos da trilha sonora, eles rapidamente receberam um retorno sobre o investimento.
Segundo o Los Angeles Times, o filme arrecadou mais de US $ 12 milhões - uma quantia considerável para o início dos anos 60. A Hard Day's Night chegou a ser relançado nos cinemas em 2014. Claramente, o filme tocou muito - mesmo que os Beatles não gostassem muito.

source: Cheat Sheet

quinta-feira, 23 de julho de 2020

John Lennon disse que 'os Beatles são os maiores bastardos da Terra'

Depois de anos tocando com os Beatles,John Lennon fez uma avaliação menos positiva da bandaEle chamou então os "maiores bastardos do mundo".
Segundo a Rolling Stone, o primeiro livro sobre a banda foi um livro de 1964 chamado Love Me Do! The Beatles’ Progress. O título do livro faz referência à música "Love Me Do" e ao romance clássico de John Bunyan, The Pilgrim's Progress. Para escrever o livro, o autor Michael Braun acompanhou os Fab Four na Europa e nos Estados Unidos. O The Guardian relata que o livro é um diário de turnê que captura parte do período inicial da banda.
O livro oferece aos fãs algumas dicas sobre a mentalidade dos Fab Four na época. Por exemplo, Love Me Do! diz que a banda não esperava que sua notoriedade perdurasse. Além disso, o livro grava membros da banda fazendo vários comentários ofensivos para "desabafar". John não deu desculpas pelo comportamento dos Beatles, conforme retratado no livro.
John Lennon explica por que os Beatles eram 'bastardos'
Discutindo Love Me Do! com a Rolling Stone, John disse: “Esse livro é verdadeiro. Ele escreveu como éramos, que eram bastardos. Você não pode ter mais nada em uma situação tão pressurizada e nós a expulsamos das pessoas. ”
John até disse que o livro foi leve para os Fab Four de alguma maneira. “Essas coisas foram deixadas de fora por Hunter Davies, sobre como nós éramos bastardos. Malditos 'bastardos, é isso que os Beatles eram. Você precisa ser um bastardo para fazer isso, isso é verdade, e os Beatles são os maiores bastardos do mundo. ”
Se os Fab Four eram bastardos, por que eles passavam para as pessoas públicas como agradáveis? John disse: “Todo mundo quer que a imagem continue… A imprensa também, porque eles querem bebidas gratuitas, prostitutas gratuitas e diversão; todo mundo quer continuar na onda. ”

source: Cheat Sheet

terça-feira, 21 de julho de 2020

As opiniões de John e Paul sobre o Sgt Pepper

photo Barry Wentzell
Paul McCartney falou sobre por que o Sgt Pepper Lonely Hearts Club Band é seu álbum favorito absoluto na produção da banda.
Falando a Bob Costas em uma entrevista de 1991, Paul disse: "Eu escolheria o Sgt Pepper, eu mesmo, porque eu tinha muito a ver com isso.
"Não foi inteiramente minha idéia, mas para nos afastar de ser os Beatles, tive a ideia de que deveríamos fingir que somos esse outro grupo."
O cantor admitiu que o álbum era um dos seus favoritos, com cada álbum representando um momento diferente em suas vidas.
Falando à Rolling Stone, ele contou a eles por que o álbum significava tanto para ele.
Ele disse: “Nós realmente odiamos essa abordagem de quatro moptops. Não éramos garotos, éramos homens.
"Tudo se foi, todo aquele garoto, todo aquele grito - não queríamos mais."
Fazia sentido, portanto, tentar fazer algo completamente diferente e experimental e, assim, a Lonely Hearts Club Band do Sgt Pepper nasceu durante um período em que a banda parou de fazer turnês e ficou no estúdio.
Ao contrário, Lennon não era fã do álbum quando olhou para trás nos anos seguintes ao término da banda.
Em uma de suas entrevistas finais, falando com a Playboy em 1980, Lennon disse que um de seus álbuns favoritos era o Album Branco, e deu uma razão bastante dura para o motivo pelo qual o Sgt Pepper não ficou tão impressionado.
Ele disse: “[Paul] queria que o [Album Branco] fosse mais uma coisa de grupo, o que realmente significa mais Paul. Então ele nunca gostou desse álbum.
“Sempre gostei de todos os outros álbuns, incluindo Pepper, porque achei a música melhor.
“O mito do Pepper é maior, mas a música do Album Branco é muito superior, eu acho.”
Evidentemente, Lennon estava interessado em discordar de seu parceiro de composição e até se referiu a uma das músicas como "um pedaço de lixo".
Ele disse: “Good Morning é meu. É um lixo, um pedaço de lixo, eu sempre pensei.
“Good Morning Good Morning  , foi de um comercial de cereais da Kellogg. Eu sempre tinha a TV muito baixa no fundo quando escrevia e ela apareceu e depois escrevi a música. ”
Então, falando sobre When I’m Sixty Four de Paul, ele acrescentou: "Eu nunca sonharia em escrever algo assim".
George Harrison concordou com Lennon e não era fã do melhor álbum de Paul, dizendo no Anthology: "Tornou-se um processo de montagem - apenas pequenas peças e depois só overdub".

source: Express Uk