segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Cada vez mais jovens escutam a música dos Beatles

The Beatles, Twickenham Film Studios, 9th April 1969
PHOTO BY BRUCE MCBROOM © APPLE CORPS LTD.
À medida que a edição do 50º aniversário do Abbey Road, começa a subir nas paradas, novas estatísticas de streaming revelam pela primeira vez como a banda está atraindo um público mais jovem. O grupo dos anos 60 teve 1,7 bilhão de transmissões do Spotify este ano até agora. A faixa etária que tem escutado cada vez mais são muitos adolescentes.
As pré-encomendas significam que a reedição de Abbey Road, lançada em 26 de setembro, certamente seguirá o sucesso no topo das paradas das reedições de 50 anos do The Beatles (White Album) no ano passado e do Sgt Pepper's Lonely Hearts Club em 2017.
A pesquisa do Spotify mostra que, dos 1,7 bilhões de streams, entre 18 e 24 anos são responsáveis ​​por mais de 30% dos Beatles ouvindo este ano, a maior parcela entre todos os dados demográficos. Depois disso, os jovens de 25 a 29 anos vêm em seguida, com mais de 17% dos Beatles ouvindo. Ambas as gerações por trás do público principal nasceram após o quarteto britânico estar no auge de seu sucesso internacional. A banda já vendeu mais de 800 milhões de álbuns em todo o mundo.
"Here Comes The Sun", uma das composições de George Harrison do Abbey Road, é a música dos Beatles mais transmitida no Spotify em todo o mundo, com mais de 350 milhões de streams.
A música preferida de 18 a 24 anos no Spotify é realmente ainda mais antiga: “Yesterday”. A triste e emocionante faixa de 1965 do álbum Help! foi escrito e cantado por McCartney, apoiado por violão e quarteto de cordas.
O Spotify diz que jovens de 25 a 29 anos escolhem "Come Together", de John Lennon, também do Abbey Road. A melhor escolha entre as pessoas de 30 a 34 anos é "I Want To Hold Your Hand", enquanto as de 35 a 44 anos, como "Blackbird", de McCartney. "Here Comes The Sun", além das mais populares, é provavelmente transmitido por pessoas de 45 a 54 anos. As faixas são simples e impulsivas, com uma música bonita. A faixa etária de 55 anos ou mais, responsável por alimentar a Beatlemania, preferem uma faixa mais prolífica como, de John Lennon, “Norwegian Wood (This Bird Has Flown)."

source: Forbes

O álbum Abbey Road completa 50 anos - Maxwell's Silver Hammer

July 09 1969 Photo © Linda McCartney
É uma canção composta por Paul McCartney,perguntado ao Ringo Starr posteriormente qual foi o pior momento ao lado dos Beatles, Starr respondeu: 'Sem dúvida, as gravações de "Maxwell's Silver Hammer"'. Também não é para menos: Apesar da melodia agradável, "Maxwell's Silver Hammer" conta, através de versos cheios de humor negro, a história de um maníaco homicida chamado Maxwell, que com seu martelo de prata sai matando todos por aí. McCartney estava convencido de que ela seria um sucesso, o que acabou não ocorrendo.Segundo McCartney, é a analogia para as vicissitudes da vida. Quando as coisas vão indo bem e aí vem o martelo prata de Maxwell e "Bang! Bang!", põe tudo a perder. A letra é bastante curiosa e o fato da cor do martelo ser prata McCartney não soube explicar. Ele achou que soaria melhor "martelo prata de Maxwell" do que somente "martelo de Maxwell". Para muitos, é o tipo de música que ou você gosta ou você odeia. Conforme entrevistas posteriores, John Lennon declarou que odiava a canção.McCartney disse em 1994 que apenas ilustra as quedas de vida:
"Maxwell's Silver Hammer" é a minha analogia, pois quando algo vai mal fora do azul, como tantas vezes o faz, como eu estava começando a descobrir, nesse momento em minha vida. Eu queria algo simbólico que, por isso para mim foi um personagem fictício chamado Maxwell com um martelo de prata. Eu não sei por que foi prata, apenas soava melhor do martelo de Maxwell. Foi necessário para a digitalização. Continuamos a usar essa expressão agora, quando algo inesperado acontece." O engenheiro de som Geoff Emerick disse sobre a música "Havia duas lutas acontecendo com essa canção de Paul e John luta sobre se deve ou não existir mesmo! [Risos] John chamou-lhe" mais uma música do avô de Paul".
"Para as batidas do martelo, nós realmente tivemos que alugar uma bigorna de ferreiro adequada. A coisa pesava uma tonelada, assim como o martelo usado para golpeá-lo. Ringo tentou, mas ele simplesmente não conseguia levantar o martelo de uma forma que lhe permitia bater na bigorna com o timing correto, então Mal Evans [um dos roadies The Beatles '], que era um homem grande, ele acabou fazendo. "A outra coisa foram os solos de sintetizador Moog no meio e fim, que soam quase como um Theremin. O Moog foi um instrumento novo fascinante para todos - George, em particular, adorou trabalhar com ele - mas Paul tocou esses solos. Ele consertou ao redor até que ele realmente tivesse um som incrível, spacey que funcionou muito bem ". 
Período de gravação: 
A gravação teve início no dia 9 de julho de 1969, e concluída em 25 de agosto de 1969. Dura 3 min e 27 s.Levaram três dias inteiros para gravar, inclusive com Lennon desistindo de participar dizendo que “era mais uma ideia estapafúrdia de Paul”, Harrison teve que refazer o solo muitas vezes e acabou cansando também e Ringo odiava a ideia de ter que tocar bateria sem bater na caixa, com a baqueta batendo na coxa para marcar o tempo (só nos refrão ele toca normalmente). McCartney argumentava que apenas queria “tudo dando certo”, ou seja, “tudo do seu jeito”.A canção foi criada para o álbum The Beatles (álbum branco) em outubro de 1968, porém não gravada. Ensaiada em janeiro de 1969 no Twickenham Film Studios, conforme pode ser visto no filme Let It Be, sua gravação teve início no dia 9 de julho de 1969. No dia 14 de agosto foi mixada para estéreo e no dia 25 de agosto de 1969 editada para a fita master. 
Curiosidades: 
George Harrison reclamaria, anos mais tarde, que o pior momento das sessões de Abbey Road foi a finalização de "Maxwell's Silver Hammer". "Perdemos tanto tempo naquilo, quando podíamos ter tentado outras canções melhores", desabafou durante uma entrevista nos EUA em 1974.

fonte: Wikipedia

domingo, 29 de setembro de 2019

O álbum Abbey Road completa 50 anos - Something

"Something" é uma canção composta por George Harrison.A famosa balada de George Harrison, escrita para sua esposa na época, Patti Boyd, é considerada por muitos como o ponto alto do primeiro lado do disco. Ela representou, para críticos, a maturidade de George como compositor, marcada por uma melodia belíssima e pelo famoso estilo de guitarra do "beatle místico" já desenvolvida em "While My Guitar Gently Weeps". Foi escrita durante o White Álbum, e a primeira estrofe foi baseada na música "Something in the Way She Moves" de James Taylor, assinado pela Apple na época. Refinada durante as filmagens de Let It Be, (é possível ver Lennon dando umas dicas de composição para Harrison) a música foi oferecida para Joe Cocker, mas acabaram voltando atrás e gravando a canção. Primeira música de Harrison a ser lado A de um single.McCartney canta essa música com Eric Clapton no Concert for George em 29 de novembro de 2002, 1 ano apóas sua morte. Michael Jackson, que nos anos 80 comprou os direitos das músicas Lennon/McCartney, confidenciou a Harrison que gostaria de ter a balada em seu catálogo. 
Período de gravação: 
A gravação teve início em 25 de fevereiro de 1969 como demo, e concluída em 19 de agosto de 1969. Dura 3'03".O processo de produção da faixa foi longuíssimo; foram necessários 36 takes até que tudo ficasse ao gosto da banda. Mas o processo tinha começado muito antes das sessões de gravação daquele álbum. George havia composto a música durante as gravações do "White Album", e durante as sessões de "Get Back" (expostas no filme "Let It Be") é possível perceber o grupo ensaiando a canção. O curioso é que um dos solos é feito por Lennon, que normalmente pouco se arriscava a fazer mais que as guitarras base. Há, ainda, a participação de Billy Preston no piano.No dia 11 de julho George Martin produz o take 37 de "Something" (em estéreo). Na realidade foi uma redução do take 36, resultando numa versão com 05min32 segundos. John Lennon & Ringo Starr não apareceram para trabalhar. No dia 15 de Agosto gravam o track orquestral,enquanto George Martin trabalhava nas regências no estúdio um, seus fiéis escudeiros Geoff Emerick, Phill McDonald e Allan Parsons gravavam no estúdio dois. As duas estruturas estavam interligadas não somente por um cabo, mas por um circuito fechado de TV,infelizmente as imagens geradas não foram gravadas para a história. Os quatro Beatles acompanharam atentamente o registro das trilhas orquestrais. George Harrison, por exemplo, ia de um estúdio para o outro, discutindo com George Martin os detalhes que queria em "Something". Ele também se locomovia a todo o momento para a sala de controle do estúdio dois, trabalhando com os técnicos. Na mesma sessão, sentado ao chão do estúdio, Harrison gravou o magistral solo definitivo de "Something". 
Curiosidades: 
"Something" foi regravada por Frank Sinatra, que a considerava uma das grandes canções de amor da segunda metade do século XX, e que, ironicamente, atribua a autoria da canção à dupla Lennon/McCartney. È a melhor canção do álbum segundo Lennon e a melhor de George segundo McCartney.
 Depois de "Yesterday" é a música mais gravada dos Beatles. Muitos a consideram a melhor composição de Harrison. 
O verso inicial da balada, "Something in The Way She Moves" foi tirado da canção, de mesmo nome, de James Taylor. Nesse caso não houve complicações judiciais, já que Harrison e Taylor eram bons amigos e faziam parte da mesma gravadora. 
Video promocional: 
Neil Aspinall e Derek Taylor bem que tentaram reunir os quatro Beatles para algumas horas de gravações em Abbey Road. Chegaram a contratar uma equipe de filmagem para registrar o que poderia ter sido o promo vídeo para "Something". As gravações jamais aconteceriam porque não foi possível 'juntar' John, Paul, George & Ringo mais uma vez. Como solução, Neil produziu um filme com imagens individuais dos rapazes com suas respectivas esposas. O material capturado em 16mm, foi feito provavelmente nas duas últimas semanas de outubro, e 'pega' os Beatles em casa (John, George e Ringo) e Paul em sua fazenda na Escócia.
 McCartney foi o único a dar uma ajudinha na produção. Amarrou uma câmera num trator e colocou o veículo em movimentos circulares, criando certo clima psicodélico. O resultado final foi por ele enviado a Neil Aspinall e aproveitado na mixagem do clipe. No dia 13 de novembro o promo de "Something" foi visto pelos ingleses através do programa Top of the Pops, da TV BBC 1.

fonte: Wikipedia 

O álbum Walls and Bridges de John Lennon completa 45 anos - parte final

Promovendo o álbum
Como não tinha a certeza de qual single ser lançado,Lennon contou com a ajuda de Al Coury, vice-presidente de marketing da Capitol. Lennon ficou impressionado com a "mágica" de Coury que promoveu o single Band On The Run de Paul McCartney.Coury escolheu "Whatever Gets You thru the Night" como o primeiro single.O álbum foi lançado em 26 de setembro de 1974,nos EUA, e em 04 de outubro de 1974 no Reino Unido.Walls and Bridges subiu rapidamente nos EUA até a parada de álbuns, estreando em 12 de outubro e alcançando o top 10 em 2 de novembro.Em 22 de outubro de 1974, Walls and Bridges foi premiado com status de disco de ouro nos EUA pela Recording Industry Association of America.Tanto o álbum e o single alcançaram o número 1 nas paradas nos EUA na mesma semana (16 de Novembro),enquanto o álbum chegou ao número 6, e o single chegou ao número 36 no Reino Unido.O álbum ficou 27 semanas na parada americana.
O álbum também foi lançado em formato Quadrifônico mas apenas em cartucho 8-track nos EUA."# 9 Dream", com "What You Got", foi lançada como single nos EUA em 16 de dezembro de 1974, enquanto que, um mês depois, no Reino Unido em 24 de Janeiro de 1975 o single chegou ao número 9 nos EUA, e número 23 no Reino Unido.
Durante a gravação de "Whatever Gets You thru the Night", Elton John e Lennon apostaram que seria um single nº 1. Nunca acreditando que seria, Lennon concordou em tocar ao vivo com John se acontecesse.Depois de ter perdido a aposta, Lennon apareceu no Madison Square Garden em 28 de novembro, realizando atual hit número 1 de Lennon em conjunto, bem como as músicas "I Saw Her Standing There "e" Lucy in the Sky with Diamonds ".Todas as três faixas foram mais tarde lançadas como um EP, em 1981.Lennon mais tarde tocou tamborim na faixa de Elton John "The Bitch Is Back".Esta foi a última grande performance ao vivo de Lennon.
Walls and Bridges teve uma campanha publicitária popular (criada por Lennon) que chamou de "Listen To This ..." (boton,foto,adesivo anúncio, cartaz, e camisa).As costas dos 500 ônibus de New York City estavam repletas de "Listen To This Bus.".Comerciais de televisão e rádio com uma narração de Ringo Starr descrevendo a capa do álbum com suas muitas faces de 'Lennon'. Lennon iria retribuir o favor e faria a narração para os comerciais para o álbum Goodnight Vienna de Ringo.
Pouco tempo depois de seu lançamento, Lennon pessoalmente mixou a versão verdadeira Quadrifônica do álbum ("para as 20 pessoas que compram quad", brincou em sua entrevista em 1974 para a rádio WNEW-FM em Nova York). No Reino Unido, a EMI lançou um single da entrevista,entre Bob Mercer e Lennon, produzida por Lennon para os representantes de vendas da EMI.
Walls and Bridges seria o último álbum de Lennon de material original até 1980, Double Fantasy, apesar de um seguimento intitulado Between the Lines que foi planejado para o final de 1975,Tony King, vice-presidente da Apple, confirmou isso.King também diz que Carlos Alomar foi contratar um grupo de músicos negros, e que Lennon tinha escrito a música "Tennessee" para o álbum.Em uma entrevista de 1975 para o Old Grey Whistle Test, Lennon indicou que ele estava planejando um novo álbum e um especial de TV. 
Faixas:
Lado A
1-"Going Down on Love" – 3:54
2-"Whatever Gets You thru the Night" – 3:28
3-"Old Dirt Road" (Lennon, Harry Nilsson) – 4:11
4-"What You Got" – 3:09
5-"Bless You" – 4:38
6-"Scared" – 4:36
Lado B
1-"#9 Dream" – 4:47
2-"Surprise, Surprise (Sweet Bird of Paradox)" – 2:55
3-"Steel and Glass" – 4:37
4-"Beef Jerky" – 3:26
5-"Nobody Loves You (When You're Down and Out)" – 5:08
6-"Ya Ya" (Morgan Robinson, Lee Dorsey, Clarence Lewis, Morris Levy) – 1:06 

sábado, 28 de setembro de 2019

Filmes perdidos dos Beatles foram encontrados na lixeira em País de Gales

Imagem do filme de 1965
Imagens perdidas dos Beatles foram encontradas em uma caixa de pão galesa.
O filme mostra a banda brincando e se divertindo durante uma entrevista em Cardiff em 1965.
Os Fab Four são vistos zombando gentilmente de um jornalista enquanto mexem na câmera.
As fitas que capturavam as estrelas globais foram encontradas em uma caixa de pão durante uma limpeza doméstica no país de Gales, e o filme é avaliado pelos leiloeiros em 10.000 libras.
O leiloeiro Paul Fairweather, da Omega Auctions, disse: “Essa filmagem perdida é uma ótima descoberta.
“Todos os quatro Beatles estão em boa forma nos dois filmes de Cardiff, rindo e brincando, enquanto o entrevistador tenta permanecer sério.
Imagem do filme de 1965
“A qualidade do som e da imagem é fantástica.Isso não foi visto desde 1965. ”
O filme de quatro minutos mostra Ringo Starr dizendo ao entrevistador sério que o próximo filme da banda será ocidental.
Também dificultando a vida do jornalista, John Lennon brinca que Paul McCartney tem cinco filhos em Swansea.
Eles também fazem uma versão de There’s No Business Like Show Business e fazem caretas durante a entrevista.
Outras gravações também foram desenterradas, uma da mesma lixeira.
Imagem do filme de 1967
As filmagens de 1967 mostram Maharishi Mahesh Yogi e os Beatles sendo questionados sobre sua adesão aos seus ensinamentos.
Imagem do filme de 1965
John Lennon diz no filme: "Claro que não é um culto e se não levássemos a sério, não estaríamos aqui".
Imagem do filme de 1967
Uma terceira gravação de som captura Lennon dando uma interpretação acústica de sua música pós-Beatles, God, e também foi avaliada em 10.000 libras.
Você pode encontrar mais informação sobre o filme de 1965 à venda AQUI!HERE! 
Você pode encontrar mais informação sobre o filme de 1967 à venda AQUI!HERE! 

Colaboração: Beatle Ed o correspondente 24 horas do Canadá

O álbum Abbey Road completa 50 anos - Come Together

A música que abre Abbey Road é uma das marcas registradas de John Lennon. Ela foi feita a pedido do guru do LSD, Timothy Leary, que concorreria a governador da Califórnia e tinha como tema da sua campanha a frase: "Let's Get It Together" ou “Vamos Pra Frente Juntos”. A inspiração política não veio, mas Lennon terminou a música e a incluiu no disco. A "luz" veio de uma canção de Chuck Berry, "You Can't Catch Me", da qual Lennon copiou inclusive parte de um verso. Anos depois, Lennon admitiu a "influência" de Berry e foi levado à Justiça, mas a ação acabou em um acordo.
No decorrer da canção, Lennon faz um barulho com a boca, uma espécie de “chuuunc!”, que na verdade ele quer dizer “shoot me”, algo como “atire em mim”, ou “injete em mim” (uma gíria pro uso de heroína). Paul McCartney não gostava desse trecho por achar que teriam problemas com justiça, ou fans e sabendo que Lennon não retiraria, ele decidiu tocar seu baixo tão forte e alto de maneira que cobrisse a fala. Lennon não queria guitarra nessa música, mas McCartney achou que sem base e só no piano, o som ficaria vazio. Também deu uma ideia do solo que acabou entrando.
George Martin escreveu numa nota do disco LOVE que “Come Together” é sua música favovita da carreira dos Beatles.O engenheiro de som Geoff Emerick disse recentemente sobre a música " Eu recordo que John entrou com uma estrutura básica para a canção, mas no início tocou a muito mais rapidamente. Paul sugeriu retardá-la para baixo e fazer-lhe mais ' swampy.' John gostou completamente da idéia. “Algumas coisas estranhas aconteceram, porém: inicialmente, Paul tocou a parte do piano elétrico, mas John olhou sobre o ombro e estudou o que ele estava tocando”. Quando chegou a hora de gravá-la, John tocou o piano elétrico ao invés de Paul. Paul poderia ter ficado ofendido, mas eu acho que ele estava mais aborrecido por não cantar no coro - John fez os seus próprios backing vocals."Ringo usou as suas famosas toalhas em sua bateria em Come Together, um efeito fantástico.Se não os tambores ficariam altos e teria destruído a canção."
Período de gravação: 
A gravação teve início em 21 de julho de 1969, e foi concluída em 7 de agosto de 1969. Dura 4’20”. Foi lançada em 6 de outubro de 1969, nos Estados Unidos, como lado B do compacto simples que tinha "Something" de George Harrison como lado A . Com este formato, foi lançada também ao redor do mundo, inclusive no Brasil.
O início desta gravação marca a volta do engenheiro de som Geoff Emerick ao trabalho com os Beatles. Ele havia abandonado o quarteto no dia 16 de julho de 1968 por não suportar o clima pesado que pairava sobre as sessões de gravação na época.
Curiosidades:
Outra polêmica em torno de "Come Together" foi a menção feita à Coca-Cola. Algumas redes de comunicação se negaram a executar a canção, por achar que se tratava de uma referência publicitária, mas nada foi provado a esse respeito
"Quando ele a trouxe pela primeira vez, era uma musiquinha bem animada, e eu lhe disse que se parecia bastante com 'You can't catch me', de Chuck Berry. John reconheceu que parecia mesmo, e eu disse: 'Bom, faça alguma coisa para mudar isso'. Sugeri que tentássemos desacelerar o ritmo, e foi o que fizemos", explica Paul McCartney na biografia "Many years from now", de Barry Miles. 

fonte: Wikipedia

O álbum Walls and Bridges de John Lennon completa 45 anos - parte 3

Poster promocional
A capa
Originalmente, Lennon planejava usar alguns de seus desenhos de infância para a capa de um álbum de rock'n'roll que tinha começado em 1973, mas quando Lennon colocou isso em espera para gravar Walls and Bridges, ele decidiu usar a obra de arte já em produção.O álbum contou com alguns de seus desenhos,incluindo uma que retrata um jogo de futebol (com um jogador vestindo 9, prenunciando o seu fascínio ao longo da vida com esse número),e uma série de fotos de sua cara com expressões diferentes. A capa continha duas abas que, quando dobradas, criaria vários tipos de cara do John, algumas delas bobas. 
O livreto de tamanho normal de dentro incluiu uma foto de Lennon de frente sem óculos e uma foto de trás de Lennon com cinco pares de óculos empilhados em cima uns dos outros,feitos pelo fotógrafo americano Bob Gruen. O encarte continha um outro retrato, bem como uma mistura horizontal das outras fotos.
Dentro do livreto tem as letras e créditos instrumentais para as músicas, que transmitiram a marca do senso de humor de Lennon, com muitos apelidos para si mesmo, incluindo Rev. Thumbs Ghurkin, Dwarf McDougal, Hon. John St. John Johnson, e Dr. Winston O'Boogiee. Mais de 1.952 desenhos coloridos de Lennon quando tinha 11 anos foram incluídos, com temas variados do Velho Oeste americano (dedicada a sua tia e guardiã, Mimi Smith ) para um retrato de seu professor, Sr. Bob,(em 2005, uma exposição de arte foi realizada em 251 Menlove Avenue, em Liverpool, que apresentou estes e outros esforços iniciais.Finalmente, o livreto contém uma afirmação de que Lennon viu um objeto voador não identificado, na noite 23 de agosto de 1974.
Relançamento em CD
Walls and Bridges foi lançado em uma forma remixada e remasterizada em novembro de 2005 (embora quatro das faixas originais: "Old Dirt Road", "Bless You", "Scared" e "Nobody Loves You" não foram remixadas). A versão remasterizada contou com uma capa alternativa. Esta nova capa mostra Lennon e uma assinatura e título escrito à mão, mas usou um dos retratos do Bob Gruen para o álbum em vez dos desenhos de infância de Lennon. As faixas bônus para o relançamento incluem "Whatever Gets You Thru the Night" tocada ao vivo com Elton John, uma versão acústica inédita de "Nobody Loves You" e uma entrevista promocional com Lennon. 
A Capitol novamente reeditou o álbum no dia 4 de outubro de 2010 Esta versão era uma remasterização das mixagens do álbum original e usou a arte da capa original, o álbum está disponível separadamente ou como parte da caixa John Lennon Signature.

Continua amanhã....

source: Wikipedia

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

O álbum Abbey Road completa 50 anos - parte 2

Gravações
Após as desastrosas sessões de gravação do álbum então chamado de "Get Back" (mais tarde intitulado "Let It Be" para publicação), Paul McCartney sugeriu ao produtor George Martin que os Beatles se reunissem e fizessem um álbum "como nos velhos tempos... como a gente fazia antes", gravado ao vivo, sem overdubs e, logicamente, livres dos conflitos que começaram com as sessões do Álbum Branco. 
Martin pensou, levou em consideração o acontecido de ter sido produtor secundário do álbum Get Back e aceitou, mas com a condição que a banda se comportasse "como nos velhos tempos", e ele seria tratado como o “produtor dos velhos tempos” também. Queria o consentimento de Lennon que aceitou numa boa pois eles estavam loucos para compor e gravar. 
As primeiras sessões do Abbey Road começaram em 22 de fevereiro de 1969, apenas três semanas após as sessões de Get Back, no Trident Studios. Lá, o grupo gravou uma faixa de apoio a "I Want You (She's So Heavy)", com Billy Preston acompanhando-os no órgão Hammond.Ocorreu nenhuma outra gravação do grupo até abril devido aos compromissos de Ringo Starr sobre o filme The Magic Christian.Depois de uma pequena quantidade de trabalho,eles voltaram ao estúdio para gravar "You Never Give Me Your Money" no dia 6 de maio, o grupo fez uma pausa de oito semanas antes de recomeçar no dia 2 de julho.A gravação continuou até julho e agosto,com a última faixa de apoio "Because", que estava sendo gravada em 01 de agosto.Overdubs continuaram ao longo do mês, com a sequência final do álbum se unindo em 20 de agosto - a última vez que todos os quatro Beatles apareceram em um estúdio juntos.
Mesmo durante as gravações do single "The Ballad of John e Yoko ",houve camaradagem entre eles,mas as tensões ainda continuavam.De acordo com Beatles o autor Ian MacDonald, McCartney teve uma discussão amarga com Lennon durante as sessões. A esposa de Lennon, Yoko Ono tinha se tornado uma presença permanente em gravações dos Beatles e entraram em confronto com outros membros.No meio da gravação, em junho, John e Yoko foram sofreram um acidente de carro. Um médico disse que Yoko devia descansar na cama, por isso foi instalado no estúdio para que ela pudesse supervisionar o processo de gravação de lá.
Mas o resultado final acabou sendo este grande álbum, considerado por muitos críticos como o melhor da banda, e segundo a revista Rolling Stone o 14° melhor álbum de todos os tempos. Quando foi gravado na época do vinil, o álbum tinha dois lados bem distintos entre si, a fim de agradar tanto a Paul McCartney como a John Lennon individualmente. O lado A, que ia de "Come Together" a "I Want You", foi feito para agradar a Lennon. È uma coleção de faixas individuais, enquanto que o lado B (para agradar a McCartney) contém uma longa coletânea de curtas composições que seguem sem interrupção. A seqüência de juntar músicas inacabadas criadas por McCartney e Lennon em um enorme pout-pourri foi uma das grandes criações de Paul dentro dos Beatles, e da música, senão a maior. No entanto, diferente de Sgt. Pepper's, considerar Abbey Road um disco conceitual é um engano. “È um bom disco de Rock & roll”, disse Harrison.

Continua amanhã... 

O álbum Walls and Bridges de John Lennon completa 45 anos - parte 2

Gravações
Lennon estava ensaiando seu novo material com vários músicos no Record Plant Studios em Nova York, em julho de 1974.Músicos como Jim Keltner na bateria, Klaus Voormann no baixo, Jesse Ed Davis na guitarra, e Arthur Jenkins na percussão.Estes foram alguns que Lennon estava em Los Angeles, mas eles tinham ordens para evitar a bebida e farrear que tinha caracterizado a interação anterior.A banda seria chamada Plastic Ono Nuclear Band, uma variação sobre o apelido conceitual do grupo Plastic Ono Band que aparece em vários trabalhos solo de Lennon nos créditos.
Os músicos fizeram seus próprios arranjos em um curto espaço de tempo, e a gravação avançou rapidamente.Ron Aprea, saxofonista do Little Big Horns, disse que: ". Uma vez que ele teve nenhum treinamento formal na organização, ele sentava-se no controle e deixai-nos fazer as nossas próprias peças. Se ele gostou do que tocamos,nós saberíamos... Se nós pensamos que poderíamos fazê-lo melhor, ele dizia 'vá em frente' ".Aprea também disse que a seção de metais foi feito em um período de duas semanas.Lennon mais tarde disse que tinha sido "um ano extraordinário para mim, pessoalmente. e eu estou quase espantado que eu poderia ter conseguido nada. Mas eu gostava de fazer o Walls and Bridges e não era difícil quando eu tinha a coisa toda para ir para o estúdio e fazer isso.Estou surpreso que não era apenas tudo bluuuuuuggggghhhhh ". Vários ensaios foram lançados em álbuns póstumos como Menlove Ave. e John Lennon Anthology.
John Lennon e Elton John photo BobGruen
A versão de "Old Dirt Road", que foi incluída no Menlove Ave. apresenta a música em sua forma básica, enquanto a versão em John Lennon Anthology mostra a música de uma forma mais avançada, semelhante ao original.Após as faixas básicas foram gravadas o processo de overdub começou.
O engenheiro dos overdubs Jimmy Iovine disse que as sessões eram "o mais profissional que eu estive ... John sabia o que queria, ele sabia como conseguir o que ele estava fazendo, ele estava indo atrás de um barulho e ele sabia como obtê-lo. .. seu trabalho solo teve um som incrível para ele. E ele realmente tinha o seu próprio som. "Apesar do Record Plant sendo um dos estúdios de gravação mais procurados em Nova Iorque naquele ponto,o vocal de Lennon foi feito com um velho microfone , que havia sido deixado em um bumbo há anos.Lovine disse que "era bem velho ... por isso foi sem graça de uma maneira, mas a voz de John era tão brilhante, que parecia incrível nele. ele acabou por ser um grande som vocal, como em "# 9 Dream '". Após a faixa básica para "# 9 Dream" que tinha sido gravada, Ken Ascher, acrescentou o arranjo orquestral que Lennon tinha escrito originalmente para uma faixa de Harry Nilsson que ele produziu, "Many Rivers to Cross"
"Surprise Surprise (Sweet Bird of Paradox)" originalmente era uma peça curta, que contou com Lennon na guitarra, que mais tarde se tornou a canção do meio 8.Em outra demo para a canção, a canção tinha sido reformulada, para a versão final, com Lennon na guitarra acústica.Quando Lennon foi para Record Plant para gravar a canção, no entanto, uma parte das demos foram retiradas.A canção apresenta overdubs vocais de Lennon e Elton John. A demo com piano de Lennon para "Steel and Glass" tem uma letra completamente diferente da versão final, enquanto um ensaio no álbum Menlove Ave. tem a música com um ritmo mais lento e Lennon na guitarra acústica, com letras incompletas.
(Lennon e Jesse Ed Davis nos violões e Harry Nilsson) photo BobGruen
Durante uma de suas visitas frequentes da Inglaterra para visitar seu pai durante este período,o filho de onze anos de idade, Julian Lennon participou das sessões de gravação e eles fez um cover casual de Lee Dorsey "Ya Ya". Lennon surpreendeu Julian, incluindo-o no álbum com o crédito.: "Starring Julian Lennon on drums and Dad on piano and vocals" Pang lembrou a resposta do Lennon mais novo, dizendo ao seu pai "Se eu soubesse , gostaria de ter tocado melhor! "Lennon também enviou uma mensagem ao editor Morris Levy, que estava esperando o próximo lançamento de Lennon para ser o álbum de rock'n'roll." Ya Ya "fazia parte do catálogo de músicas de Levy, que Lennon foi obrigado a gravar a música devido a um acordo de uma ação judicial anterior). Corte do álbum na última hora foi uma faixa chamada "Move Over Ms. L" que foi colocada entre "Surprise Surprise" e "What You Got" antes de Lennon mudar a lista de faixas.Acabaria por aparecer como o lado B do single "Stand By Me". A canção também seria dada para Keith Moon para o seu único álbum solo, Two Sides of the Moon.Também gravado durante a sessão foi uma demo para Ringo Starr.:. "Goodnight Vienna" 

Continua amanhã....

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

O álbum Abbey Road completa 50 anos - parte 1

Lançado no dia 26 de setembro de 1969 o 12º álbum dos Beatles,gravado nos estúdios Abbey Road e Trident a partir de 20 de abril até 18 de agosto de 1969, e leva o mesmo nome da rua de Londres onde situa-se o estúdio Abbey Road. Foi produzido e orquestrado por George Martin para a Apple Records.
Apesar de ter sido o penúltimo álbum lançado pela banda, foi o último a ser gravado. As músicas do último disco lançado pelos Beatles, Let It Be, foram gravadas alguns meses antes das sessões que deram origem a Abbey Road. O álbum é considerado um dos melhores do grupo e parecia que os momentos de turbulências tinham passado e tudo havia voltado ao normal entre eles, mas na verdade o maior problema da banda começou a esquentar: Guerra de poderes. Após a morte de Brian Epstein, Paul McCartney sugeriu que John Eastman, advogado de sucesso e pai de Linda Eastman, tomasse conta dos negócios mas os outros Beatles desconfiando e visando uma proteção maior ao legado de todos sugeriram que Allen Klein, (um cara que era promotor dos Stones e já vinha tentando roubar os Beatles de Epstein há muito tempo), era a melhor opção pelo seu jeito convicto de “homem das ruas”. McCartney não concordou por achar absurdo pagar 15% de todos os lucros para Klein. Após a separação da banda, Eastman foi advogado da carreira solo de Paul e Allen Klein foi a justiça por ter roubado uma média de 5 milhões dos Beatles. O restante dos Beatles mantiveram contrato com Klein até 1977.
George Martin produziu e orquestrou o disco junto com Geoff Emerick como engenheiro de som, Alan Parsons como assistente de som e Tony Banks como operador de fitas. Martin considera Abbey Road o melhor disco que os Beatles fizeram. E não é por menos: ele é o mais bem acabado de todos, um dos mais cuidadosamente produzidos (comparável somente a Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band). Sua estrutura foi bastante pensada e discutida, e as visões discordantes dos integrantes da banda só contribuíram para a riqueza da criação final.
Também foi em Abbey Road que George Harrison se firmou como um compositor de primeira linha. Após anos vivendo sob a sombra de John Lennon e McCartney, ele finalmente emplacou dois grandes sucessos com este álbum: "Here Comes the Sun" e "Something". Ambas foram regravadas incessantemente ao longo dos anos, sendo que Something chegou a ser apontada pela revista Time como "a melhor música do disco" e como a segunda música mais interpretada no mundo, atrás somente de "Yesterday", também dos Beatles.
Este disco foi marcado pelo uso de novos recursos tecnológicos que estavam surgindo na época. Um deles foi o sintetizador Moog, que começava a ser utilizado em maior escala dentro do rock. Ele possibilitava que virtualmente qualquer som fosse gerado eletronicamente. O Moog pode ser notado claramente em músicas como "Here Comes the Sun", "Maxwell's Silver Hammer" e "Because". Por seu trabalho em Abbey Road, os engenheiros de som Geoff Emerick e Phillip McDonald ganharam o Grammy.

Continua amanhã...

O álbum Walls and Bridges de John Lennon completa 45 anos - parte 1

Walls and Bridges é o quinto álbum de John Lennon, lançado em 26 de setembro de 1974 nos Estados Unidos e em 4 de outubro no Reino Unido. Escrito, gravado e lançado durante sua separação de 18 meses de Yoko Ono (de junho de 1973 a janeiro de 1975), o álbum captura um Lennon no meio de seu "Lost Weekend".Walls and Bridges chegou ao número 1 da parada americana da Billboard e contou com dois singles "Whatever Gets You thru the Night" e "#9 Dream", o primeiro dos quais foi o primeiro hit número um de Lennon nos Estados Unidos como um artista solo, e seu único em ambos os EUA e a Grã-Bretanha durante a sua vida. 
O álbum ganhou o disco de prata no Reino Unido, e ouro nos EUA.
História 
Em junho de 1973, Lennon estava prestes a gravar Mind Games, Yoko decidiu que ela e Lennon deviam se separar.Lennon logo se mudou para a Califórnia com sua assistente pessoal May Pang, após Yoko que tinha pedido a ela, e embarcou em uma relação de dezoito meses com Pang mais tarde viria a chamar de seu "fim de semana perdido".Enquanto Lennon e Pang estavam vivendo em Los Angeles,John aproveitou a oportunidade para se reencontrar com seu filho, Julian, quem não via há quatro anos.Lennon tinha planejado gravar um álbum de rock'n'roll com o produtor Phil Spector,mas essas sessões se tornaram lendárias sem ter nenhuma música produzida, mas pela as palhaçadas caóticas alimentadas pelo álcool.Lennon e Pang voltaram para Nova York e Spector desapareceu com essas fitas da sessão.Nessa época, Lennon tinha escrito várias músicas novas durante uma estadia no Pierre e começou a gravar algumas demos em casa.

Continua amanhã...

source: Wikipedia ou John Lennon

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Paul McCartney admite que não possui nenhum disco dos Beatles desde o auge

Paul McCartney admitiu que não tem um disco dos Beatles.
Perguntado se ele tinha algum dos álbuns famosos, ele disse: "Eu não. Costumo pensar que deveria ter mantido uma cópia de tudo o que publicamos, mas não o fiz. Muito ocupado vivendo isso.
Macca disse que tem um gramofone antigo com apenas um disco de 78 - a versão de Rip It Up de Bill Haley.
Ele estava falando antes do 50º aniversário do LP Abbey Road, em 26 de setembro, que será marcado com uma série de shows na Rádio 2.
Macca também olhou para a criação da famosa capa da banda. Ele disse: "As pessoas dizem: 'por que você não tinha sapatos?'
"Porque estava um dia tão bom e eu vim com chinelos. Eu tirei algumas fotos com as sandálias e depois as tirei. Não sabíamos que seria icônico".
Refletindo sobre o sucesso da banda, Paul disse: "É difícil negar que houve uma faísca especial acontecendo. Eu escuto a música e penso: 'caramba, é bom'.
"É incrível como esses quatro caras de Liverpool se uniram. Nós não morávamos perto um do outro, então foi muito mágico nos conhecermos. Você poderia dizer que foi apenas boa sorte, mas o fato de termos feito tanto ... começa a parecer um pouco mágico. ”
Paul McCartney revelou que ele não achava que chegaria aos 28 anos de idade durante seu tempo com os Beatles.
O lendário músico se abriu sobre seu passado do rock'n'roll em uma nova entrevista à revista britânica Radio Times, admitindo que seu eu mais jovem não acreditaria que ele estaria vivo hoje para comemorar o 50º aniversário do álbum da banda, Abbey Road.
"Ele adoraria o fato de ainda estar aqui", riu McCartney. "Como muitas pessoas, acho que morreria aos 28 anos. O que não tem nada a ver com a placa do carro na capa".
O cantor estava obviamente se referindo às teorias da conspiração que circulavam na época, nas quais os fãs estavam convencidos de que McCartney havia morrido em um acidente de carro em 1966 e foi substituído por um impostor na capa do álbum. Além disso, os fãs pensaram que o Volkswagen com a matrícula 'LMW 28IF' na capa icônica significava que McCartney teria 28 anos se ele ainda estivesse vivo.
"Ouvir que eu tinha durado até 77 teria sido uma ótima notícia", acrescentou.

Paul McCartney falou sobre o impacto de John Lennon no Late Show

Photo: Scott Kowalchyk
Na segunda-feira à noite dia 23, uma longa entrevista com Paul e Stephen Colbert foi ao ar no Late Show da CBS. Durante a conversa, que foi principalmente voltada para o recente lançamento do novo livro infantil de Paul, Hey, Grandude !, McCartney abordou vários tópicos, revelando algumas idéias pessoais que contribuiram para uma conversa muito envolvente.
A entrevista foi tão detalhada que foi dividida em quatro partes. No primeiro, McCartney falou sobre a boy band coreana BTS cantando "Hey Jude", entre outros tópicos:

Na segunda parte, Paul discutiu seu amor crescente por Elvis Presley em seus anos de formação como aspirante a músico e o impacto que teve em suas composições:

Na terceira parte falou sobre John Lennon:
Paul McCartney revelou que assistiu à Yesterday disfarçado e ainda sonha com John Lennon. Em uma entrevista ao Stephen Colbert no The Late Show, afirmou que revê o amigo e parceiro de Beatles em sonhos.
O músico foi ao cinema com a mulher, Nancy Shevell, entraram escondidos e sentaram na última fileira para assistir Yesterday, o filme dos Beatles sem os Beatles e que imagina o mundo sem a banda.
 Photo: Scott Kowalchyk
"Foi bem divertido. Nós estávamos na fileira do fundo, e alguém no filme diz: 'Paul McCartney, o maior compositor da história'. Eu tive que rir. Foi bem legal. Queríamos ver o filme com as pessoas, não com os executivos do estúdio. Achei ótimo", contou McCartney.
Em uma das cenas do filme, John Lennon foi interpretado pelo ator Robert Carlyle, em um momento bem emocionante. Inclusive, é bem inesperado, porque o músico aparece com 78 anos, idade que Lennon teria nos dias atuais.

"Eu sonho com ele [John Lennon]. Quando você tem um relacionamento tão próximo e profundo com alguém, por tanto tempo, às vezes essa pessoa pode te visitar nos sonhos. Eu amo quando isso acontece", revelou o músico.
Ele continuou: "Eu frequentemente tenho sonhos musicais, e John está sempre lá... Tenho muitos sonhos como esses. Sempre são sonhos bons." McCartney contou que os dois eram bem próximos, porque compartilhavam um sentimento em comum, ambos perderam as mães muito cedo.
"Nós dois conhecíamos aquele sentimento. Eu nunca pensei que isso afetou minha música, até alguém me dizer que "Yesterday" poderia ser sobre a minha mãe. 'Why she had to go/ I don’t know she wouldn’t say'. Eu não escrevi com essa intenção, mas talvez seja", afirmou.
Por fim, Paul McCartney comentou sobre uma foto ao lado de John Lennon e falou da maneira negativa em que a imprensa retratou o fim dos Beatles, como uma briga e o fim da amizade deles: "Eu comprei a ideia de que eu fui o 'vilão' da história. Tantos rumores circularam na época. Eu comecei a me questionar: 'Eu realmente conhecia John? Nós éramos amigos?'. Ver essa foto reafirma, para mim, que éramos sim. Era muito legal quando trabalhávamos junto.”
Em um momento Paul mostrou de seu celular uma foto rara com ele e os netos.

Colaboração: Claudia Tapety a fã nº 1 de Paul McCartney

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Uma análise dos outakes que estarão no Abbey Road de 50 anos

Foto alternativa para a capa do "Get Back" tirada por Angus McBean
De acordo com o blog The Daily Beatle já temos uma amostra do que será o material no Disco 2 da nova edição de 50 anos do Abbey Road.
O disco 2 se chama Sessions que terá várias faixas durante as sessões de gravação do Abbey Road:
1. I Want You (She's So Heavy) [Trident Recording Session & Reduction Mix] – 7:01
NOVO
00:00 - 00:37: Esta faixa abre com a parte final de um take desconhecido, George Martin é ouvido, dizendo "O take 4 foi muito bom" após uma interrupção e John responde "Qual foi o take 4?" .. o bate-papo entre eles continua.
00:38 - 3:17: Glyn Johns é ouvido, dizendo: "É possível diminuir um pouco sem se afetar demais ?" Um vizinho está reclamando do barulho e, depois de tanta conversa entre John, Paul e Glyn sobre a reclamação, John diz "Última chance de falar alto! .. quem disse?". Um minuto e 30 segundos após o início da faixa, o Take 32 começa, um dos três takes usados para criar a master final (os takes usadas são os números 9, 20 e 32, embora nenhum deles sejam mencionados nas notas de Kevin Howlett).
3:18 - 7:01: as combinações recebem o número 32 com um mix de redução, onde podemos ouvir o overdub de órgãos de Billy Preston e o moog de John (no canal direito) antecipadamente e com muitas diferenças, além de termos o final completo.
Howlett relata que uma "versão mais rápida" recém-descoberta também foi gravada em 23 de fevereiro no Trident Studios.
2. Goodbye (Home Demo) - 2:21
Claramente retirado do acetato, mas foi limpo da melhor maneira possível, mas ainda assim o volume oscila em vários lugares, exatamente como a fonte do acetato que tem circulado que temos há séculos.

3. Something (Studio Demo) - 3:34
PARCIALMENTE NOVO
Duas versões estavam disponíveis anteriormente: com e sem overdub de piano. O primeiro pode ser ouvido no Anthology 3, o segundo em muitos lançamentos piratas retirados de um acetato. Esta versão é com overdub de piano e, além da qualidade de áudio muito melhor em comparação com o acetato encontrado nos bootlegs, a única coisa realmente nova aqui é a introdução do engenheiro "Something, this is take one" e algum aquecimento da guitarra antes da demo começar e a pergunta de George "vamos?", mais os cinco segundos finais após o acorde final do piano.
4. The Ballad of John and Yoko (Take 7) - 3:35
NOVO Um dos destaques da Deluxe Box Set.
00:00 - 00:04: Abre com o diálogo, talvez depois do take 1 ou 2 de John tentando falar algumas palavras em espanhol / inglês / francês ao assistente Mal para dizer a ele que uma corda foi quebrada: "Un string avec caput Mal".
00:05 - 00:14: Alguns diálogos antes do Take 4 podem ser ouvidos: "Ficou um pouco mais rápido, Ringo!" (de acordo com Howlett, mas soa mais como: "Tem que ser mais rápido, Ringo!" (John para Paul, que ri baixinho). "Ok, George!", ele responde.
00:15 - fim: Depois disso, somos levados ao Take 7 completo, com John nos vocais e violão e Paul na bateria. No final, John entusiasmado grita "sim, vamos ter, vamos ter!" enquanto Paul toca na bateria. John também diz que não é "o único" porque ele "saiu antes, tudo bem".
5. Old Brown Shoe (Take 2) - 3:13
NOVO Muito parecido com a versão lançada (sem os overdubs de órgão e guitarra)

6. Oh! Darling (Take 4) - 3:28
NOVO e pode ser ouvido aqui, Billy Preston está incluído nos créditos da gravação e pode ser ouvido tocando o órgão neste take inicial, contradizendo as informações anteriores de que ele só havia exagerado na parte de seu órgão no Take 26, mas que não foi usado no mix final.
7. Octopus's Garden (Take 9) - 1:43
PARCIALMENTE NOVO
Um take inédito, a faixa começa com Ringo dizendo "Isso foi excelente ... certo, George?". "Isso foi excelente" pode ser ouvido no final do Take 2 no Anthology 3 como uma edição com o Take 8, portanto, o novo trecho será apenas "George certo?" Dez segundos de conversa entre Ringo e John após a quebra das informações que podem ser ouvidas aqui estão disponíveis como parte dos bits do Rockband (ou bootlegs), mas duram mais 35 segundos a mais do que nesta nova versão.
8. You Never Give Me Your Money (Take 36) - 5:15
NOVO
O faixa começa com uma pequena jam com Paul dizendo essa frase duas vezes: "Ok, você venceu, estou apaixonado por você!". O bate-papo continua e, em algum momento, Paul muda o título para "You never Give me Your Coffee". Após um início falso, onde George e Paul quase ao mesmo tempo lembram Glynn Johns para desligar o alto-falante da Leslie, o take 36 começa às 0:58. Infelizmente, isso diminui (às 5:15), por isso não temos permissão para ouvir a longa jam no final, disponível em bootlegs originados de uma mixagem inicial dos takes 30 e 36. Kevin Howlett não menciona nenhuma jam ou edição entre os takes 30 e 36, ele apenas comenta que o take 30 foi usado para overdubs.
9. Her Majesty (Takes 1-3) - 1:33
PARCIALMENTE NOVO
Uma sessão muito rápida e todas os três são takes completos, o diálogo após o take 1 "Oh, obrigado, senhoras e senhores" está disponível nos bits do Rockband e o take 3 com o acorde final da guitarra também está disponível nos bootlegs há séculos.
10. Golden Slumbers / Carry That Weight (Takes 1-3 / Medley) - 3:20
PARCIALMENTE NOVO
"Take 1", que pode ser ouvido (com voz) na mesa de mixagem da Abbey Road, com Paul, George Ringo e George Martin, como parte do DVD 5 do Anthology dos Beatles (e em muitos bootlegs desde então), na verdade, take 2 e é o mesmo take 2 aqui, os mesmos bits, a mesma interrupção,. o take atual 1 é Paul iniciando "Golden Slumbers" com "The Fool on the Hill" e pode ser ouvida agora, junto com outro interrupção, take 3. Não é realmente um "medley", mas o real é de 1-3 (todas incompletas) .
11. Here Comes the Sun (Take 9) - 3:40
NOVO
Interessante sem o tambor e com o vocal guia de George. Essa demora tem trinta segundos mais oito do meio do que a versão lançada.
12. Maxwell's Silver Hammer (Take 12) - 4:41
PARCIALMENTE NOVO
Uma pequena fração do bate-papo ouvido sobre a introdução e o final também pode ser ouvida nos bits do Rockband (Paul e Ringo praticando a introdução da bateria e o comentário de Ringo "George Harrison está descansando o braço" entre eles). Esse take alternativo é semelhante ao do Anthology 3.

Agora o disco 3 também com mais sessões do Abbey Road:

1. Come Together (Take 5) - 3:27
PARCIALMENTE NOVO
Um segmento desse take 5 (de 2:50 a 2:59) foi inicializado como "take 4", proveniente dos bits do Rockband, onde foi vinculado ao "take 5" após a interrupção, mas na verdade é o Take 5.
O take 4 real - um takedown - é ouvido aqui das 00:00 - 00:05
O diálogo antes do Take 5 começa às 00:07 - 00:12 e também estava disponível no Rockband, mas continua por mais tempo aqui; também disponível antes é o diálogo no final de 3:08 - 3:12
Diferentes falhas de outros takes estão nos bits do Rockband (uma edição de bate-papos e takes incompletos em nenhuma ordem específica, ao que parece, é por isso que todos os bootlegs têm nomes de faixa ou números incorretos).
2. The End (Take 3) - 2:08
NOVO
Outro destaque deste novo lançamento. Uma obstrução inicial de aquecimento de outro take é ouvida das 00:00 às 00:27
De 00:28 - 2:11, podemos ouvir o Take 3. Nesse ponto, o instrumental durou 1:19 com o solo da bateria estendida (e muito diferente) por 17 segundos (que foi editado em até 15 segundos na master final do Take 7 de Geoff Emerick .Howlett nem menciona isso, então talvez não fosse verdade?) Em algum momento durante esse solo de bateria (1:00), podemos ouvir com fones de ouvido Paul falando "..você vem?" e às 1:01 alguém está gritando algo como "heeeyyyy, Ringo!". A parte do piano no final ainda não foi gravada. No final deste Take 3, George Martin diz a Ringo "trabalho duro, não é?"
3. Come and Get It (Studio Demo) - 2:39
PARCIALMENTE NOVO
"Luz vermelha!" diz Paul: "Demo, take 1" liga para o engenheiro e também há cinco segundos de bate-papo após o término da música. Essa é a única coisa nova aqui, mas essa também é uma mixagem muito diferente (a mixagem original foi feita logo após a gravação da demo) lançada no Anthology 3, além de muitos bootlegs com os mixes inéditos do LP Sessions.
4. Sun King (Take 20) - 3:14
NOVO
00:00 - 00:31: bate-papo da sessão depois do take 10
00:32 - 3:14 é o Take 20, com uma voz guia (quase inaudível) de John.
5. Mean Mr. Mustard (Take 20) - 1:34
NOVO
Desta vez, com uma voz guia de voz alta de John, cantando com a letra, respondendo suas próprias palavras com coisas como "Yes, she does", "Yes, she is", "Yes, he does", "Yes, he is", também adicionando "God Save The Queen" duas vezes durante alguns versículos. A "Sister Shirley" ainda está presente aqui, antes que o nome fosse alterado para "Pam".
6. Polythene Pam (Take 27) - 1:39
NOVO
A cena começa com John comparando a bateria de Ringo com o Dave Clark Five e também adiciona "É como ser o Tommy aqui!" (Quem é "Tommy"). Uma faixa vocal guia também está presente, bem como um solo de guitarra embrionária.
7. She Came In Through the Bathroom Window (Take 27) - 2:06
NOVO
Com a faixa vocal guia de Paul. Quando a letra diz "And so I quit the police…", George ou John se juntam brevemente.
8. Because (Take 1 / Instrumental) - 3:04
PARCIALMENTE NOVO
Uma take instrumental muito bonito, com as palmas de Ringo carregando o ritmo e ainda mais depois que o take termina.
A contagem de Ringo já estava disponível no mix do Rockband, bem como o diálogo no final da cena, mixado completamente diferente aqui, mas é mais longo no Rockband: John: "Como foi?". George Martin sugere que o nível do cravo deve ser menor e Ringo declara "Menos cravo, Geoff (Emerick)" e John acrescenta "meu cabelo está bem, Geoff?".
9. The Long One
('You Never Give Me Your Money’, ’Sun King’/’Mean Mr Mustard’, ‘Her Majesty’, ‘Polythene Pam’/’She Came In Through The Bathroom Window’, ’Golden Slumbers’/ ’Carry That Weight’, ’The End’') - 16:06
PARCIALMENTE NOVO
Em um bonito estéreo, para destacar todas as diferenças entre esse mix inicial (criado em 30 de julho de 1969) e as versões finais, como as harmonias extras em "You Never Give Me Your Money" apagadas na versão oficial durante o verso "Out of college" para dar um exemplo; falta de overdubs extras em várias músicas gravadas dias depois, o vocal alternativo durante "Golden Slumbers / Carry That Weight", falta de orquestrações, falta de vocais ("The End", por exemplo) etc.) Mas a principal diferença é que agora temos o REAL Medley "Long One", com "Her Majesty" no meio. Este é o Stereo Remix 2 (RS2) na íntegra pela primeira vez.
Nota: O Stereo Remix 1 para cada música separadamente foi feito também neste dia, antes da montagem do medley.
A versão em bootlegs (em mono e com baixa qualidade de som) é uma edição legítima dessa mesma mixagem inicial alternativa, mas sem "Her Majesty", feita pelo segundo engenheiro John Kurlander, também em 30 de julho de 1969, depois que Paul decidiu que não o fez. como "Her Majesty", então foi cortado do medley. Alguns criadores de bootleg inseriram "Her Majesty" de volta para recriar "The Long One", mas os níveis de som nos bootlegs que contêm esse medley falso revelam que a música inserida não pertence a ele, pois "Her Majesty" soa muito melhor, e o medley retorna ao som mais fraco assim que "Polythene Pam" entra.
Tanto este novo lançamento oficial de 2019 quanto a versão bootlegs começam com o engenheiro chamado "RS2".

10. Something (Take 39 / Instrumental / Strings Only) - 2:38
NOVO
Embora a faixa orquestral possa ser ouvida em algumas mixagens 5.1 ou várias faixas, as cordas são combinadas com o órgão em alguns pontos, aqui elas são isoladas pela primeira vez.
11. Golden Slumbers / Carry That Weight (Take 17 / Instrumental / Strings & Brass Only) - 3:17
NOVO
Embora a faixa orquestral já esteja disponível, proveniente dos arquivos do Rockband, ela vem diretamente da fita multipista, George Martin pode ser ouvido à distância logo no início, dizendo "Faça de novo" e o final não é truncado como esse está nos bootlegs (porque o arquivo original está vinculado lá com "The End", então os níveis de orquestra terminam mais cedo)

Assista ao trailer do novo vídeo dos Beatles "Here Comes The Sun'

O trailer de um novo videoclipe oficial de '' Here Comes The Sun" dos Beatles foi lançado hoje dia 23 de setembro.A amada composição de George Harrison é, é claro, do álbum Abbey Road, lançado em uma série de edições de luxo de 50 anos na sexta-feira (27).
E também o lançamento de uma página de exibição do Premiere para o novo video. Na quinta-feira (26), o 50º aniversário do primeiro lançamento do álbum Abbey Road em 1969 será marcado por um evento de estreia global para o vídeo completo, hospedado nos canais oficiais do YouTube dos The Beatles, John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr.
O vídeo estreará no dia 26 de setembro às 9:02 da manhã. Os fãs poderão sintonizar em uma hora à frente para uma contagem regressiva de 60 minutos até a estréia. Veja detalhes aqui sobre como aparecer na estréia.
O novo video de 'Here Comes The Sun' dá as boas-vindas ao espectador no célebre estúdio dois do Abbey Road Studios, onde os Beatles gravaram a maior parte do álbum Abbey Road. Os espectadores experimentarão um nascer do sol único e em movimento que ocorre acima dos instrumentos e equipamentos da banda.
O vídeo foi dirigido pela equipe de diretores da Trunk Animation Alasdair + Jock (Alasdair Brotherston e Jock Mooney) e produzido por Maria Manton, da Trunk, que trabalhou em estreita colaboração com a Apple Corps Ltd. , em um vídeo que apresenta fotografias do arquivo Apple Corps, além de imagens e filmagens tiradas por Linda McCartney e fornecidas por Paul McCartney.
As edições de aniversário de Abbey Road,que serão lançadas pela Apple Corps Ltd./Capitol/UMe, incluirão as 17 faixas do álbum recentemente mixadas pelo produtor Giles Martin e pelo engenheiro Sam Okell em estéreo, surround 5.1 e Dolby Atmos. Foram acrescentados 23 gravações e demos de sessões, a maioria delas anteriormente não editadas. O videoclipe de "Here Comes The Sun" apresenta o novo mix estéreo da música.
As edições de 50 anos da Abbey Road serão lançadas em 27 de setembro.

domingo, 22 de setembro de 2019

Lembrando o momento em que Alice Cooper finalmente apresentou Brian Wilson a John Lennon

Os Beach Boys e os Beatles foram dois dos maiores nomes da música nos anos sessenta e, de fato, ainda são hoje. Então, parece-nos estranho que Brian Wilson e John Lennon só se conheceram por causa de Alice Cooper.
É uma noção estranha que, durante os anos sessenta, dois dos músicos mais importantes do mundo nunca se cruzaram antes de Alice. Mas de acordo com as boas pessoas do The Beach Boys Blog e um blogueiro especial chamado "groovyrick", foi exatamente o que aconteceu no Grammy em 1974.
Groovyrick compartilhou no blog que ele conheceu e conversou com Cooper em algumas ocasiões e depois de revelar que era um grande fã de Brian Wilson e The Beach Boys, o rosto de Alice Cooper se iluminou com o pensamento de poder contar sua história de como ele apresentou dois dos melhores compositores da música moderna.
De agora em diante, deixaremos Alice Cooper contar a história: "Eu estava sentado nos bastidores após o Grammy de 1974 com Bernie Taupin (letrista de Elton John) e John Lennon. Foi quando Brian estava realmente tendo alguns problemas mentais. Durante o curso da conversa, eu continuava vendo Brian pelo canto do olho, meio que nos encarando de diferentes ângulos. ”
"Finalmente, ele veio para a mesa, inclinou-se e sussurrou em meu ouvido 'Hey Alice, apresente-me a John Lennon.' Eu não podia acreditar que esses dois homens nunca haviam se conhecido! Eles eram praticamente o pescoço e o pescoço nos anos 60 como as melhores bandas do planeta, e tenho certeza que eles devem ter se cruzado em algum momento. Mas então pensei comigo mesmo: 'Uau, se eles REALMENTE nunca se conheceram, serei eu quem os apresentará e me tornarei parte da história do rock!' ”
“Então eu apenas disse:‘ Brian Wilson, este é John Lennon. John Lennon, este é Brian Wilson. 'Lennon foi muito cordial e educado, dizendo coisas como' Olá Brian, eu sempre quis conhecer você. Sempre admirei o seu trabalho, e Paul e eu consideramos o Pet Sounds um dos melhores álbuns já feitos. Brian agradeceu e foi embora, quando Lennon voltou à conversa como se nada tivesse acontecido. ”
“Cerca de dez minutos depois, Brian veio à nossa mesa novamente, inclinou-se e sussurrou algo para Bernie, e de repente Bernie estava dizendo: Brian Wilson, este é John Lennon. John Lennon, Brian Wilson. 'Lennon foi tão cordial e educado quanto a primeira vez, dizendo essencialmente a mesma coisa sobre sempre querer conhecê-lo. Assim que Brian se afastou, John olhou para nós dois e disse casualmente em seu sotaque típico de Liverpool: 'Eu o encontrei centenas de vezes. Ele não está bem, você sabe. "

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Paul McCartney fala sobre o Brexit e o novo livro Linda McCartney: The Polaroid Diaries

Paul McCartney disse que o referendo do Brexit foi "provavelmente um erro" e "ficará feliz quando acabar",apesar que Ringo Starr defendeu o Brexit.
Ele não havia votado no referendo, disse ele, porque "não vi ninguém dizendo nada sensato o suficiente".
Paul disse que a situação atual era "uma bagunça", mas acrescentou: "Acho que vamos passar por isso, sempre o fazemos".
Image by Linda McCartney © Paul McCartney
O ex-Beatle estava conversando com a BBC News quando ele - com as filhas, Stella e Mary - lançaram um livro de fotos pessoais, tirado por sua falecida esposa, Linda.
Refletindo sobre a votação do Brexit de 2016, Paul disse que os argumentos apresentados durante a campanha foram "todas as promessas malucas".
"O que me assustou foi o fato de eu estar conhecendo muitas pessoas mais velhas, praticamente da minha geração.
Image by Linda McCartney © Paul McCartney
"E eles diziam: 'Tudo bem, Paul - será como nos velhos tempos, vamos voltar.' E foi como, 'Sim? Oh, eu não tenho certeza sobre isso.' E essa atitude foi muito prevalente.
"Eu voto em alguém em que acredito e, muitas vezes, não há ninguém em quem acredito. Tenho que me inspirar um pouco. No momento, não estou realmente inspirado."
'Pequenas peças de arte'
Linda McCartney, que morreu aos 56 anos em 1998, iniciou sua carreira fotográfica em Nova York, filmando estrelas do rock.
O livro - Linda McCartney The Polaroid Diaries - compila mais de 200 fotografias de sua coleção particular e oferece um vislumbre da vida da família na Escócia e no sul da Inglaterra.
"Para nós, são apenas fotos de família, mas porque é Linda, uma ótima fotógrafa, são pequenas peças de arte", disse Paul.
"Eu tinha passado por um período muito difícil no final dos Beatles. Foi como o inferno.
"Mas eu tinha acabado de conhecer essa linda mulher e estávamos criando uma família, então decidimos fugir, então fugimos para a Escócia e vivemos uma vida muito divertida".
Image by Linda McCartney © Paul McCartney
As Polaroids mostram hamsters de estimação, um cordeiro na cozinha, horários de banho, bolos de aniversário e as crianças brincando de se vestir.
Mary McCartney disse que as fotos mostram uma vida "simples", onde, quando bebê, ela dormia em uma cama feita por seu pai a partir de velhas caixas de batata.
"Há muita da mãe nessas fotos", disse Mary, que, como sua mãe, também é fotógrafa.
Stella, designer de moda, disse que sua mãe havia capturado "momentos bastante surreais" e falou da dificuldade de lançar um livro tão íntimo.
Image by Linda McCartney © Paul McCartney
"Acho isso muito difícil, porque somos uma família muito protetora, morávamos juntos no meio do nada e realmente não saímos para conversar sobre isso", disse ela.
"Eu cresci muito protegendo a unidade familiar".
"O livro é muito pessoal, porque mostra esses momentos incrivelmente íntimos com nossa família que foram capturados por nossa mãe", diz Stella. "Olhar para trás para todas as Polaroids traz essas memórias de volta", acrescentou Paul.
Image by Linda McCartney © Paul McCartney
"Há muitas coisas tiradas na Escócia", diz Paul. “Linda e eu passamos bastante tempo lá quando as crianças eram jovens. Os Beatles acabaram de se separar, devido a problemas de negócios, e isso foi bastante perturbador. Eu estava um pouco perdido. Morávamos no viveiro de um fazendeiro em Mull of Kintyre, que eu havia comprado antes de conhecer Linda, mas estava bastante degradado e nunca o visitei muito. Estávamos nos retirando do mundo; foi realmente reconfortante estar lá. Acabamos de ir para o norte e escapamos. Foi glorioso. À noite, você podia andar lá fora e haveria esse céu sem fim. De certa forma, foi no fim do mundo. Não era tão fácil chegar até nós, do que gostávamos, porque tínhamos sido tão acessíveis antes disso. Eu me apaixonei pela Escócia novamente e escrevi uma música baseada no meu amor pela região, com a banda local. A música foi tão bem-sucedida que irritou algumas pessoas. Mas adorei.

source: BBC News e Financial Times (more photos)