quinta-feira, 30 de maio de 2019

O single The Ballad of John and Yoko & Old Brown Shoe completa 50 anos

"The Ballad of John and Yoko" é uma canção dos Beatles composta por John Lennon, creditada à dupla Lennon-McCartney, e foi lançada em compacto simples em 30 de maio de 1969 como lado A, tendo "Old Brown Shoe" de George Harrison como lado B. A gravação foi realizada em 14 de abril de 1969.
A história
Em 8 de dezembro de 1968 sai o divórcio de John Lennon com Cynthia Powell, mãe de seu filho Julian Lennon. Em fevereiro de 1969 sai o divórcio de Yoko Ono com Anthony Cox, pai de sua filha Kyoko. Com isso, o caminho estava aberto para que os dois, John e Yoko, pudessem oficializar a sua união. Na Inglaterra não poderia ser, por um impedimento legal: Yoko não tinha visto de permanência no país. Tencionavam se casar no mar, a bordo de um navio, saindo de Southampton, Inglaterra, que cruzaria o Atlântico. Como não planejaram a viagem com antecedência, não puderam embarcar por falta de vagas. Tentaram ainda cruzar o Canal da Mancha em direção à Holanda, mas estavam sem os passaportes naquele instante. Então, abandonaram a idéia de núpcias no mar e foram para Paris.
De lá, acionaram um administrador da Apple Records, Peter Brown, que os aconselhou a se casarem em Gibraltar e providenciou toda a papelada e os preparativos do casamento. Assim, ele foi realizado, no dia 20 de março de 1969. Para a lua-de-mel o casal seguiu para Paris; e após alguns dias, de carro para o hotel Amsterdam Hilton, na Holanda. Lá, eles que já haviam convocado a imprensa, anunciam o que foi chamado de "Bed-in": um semana de protestos, sem sair da cama, por causa das guerras no mundo. Durante esses sete dias na cama, convidaram várias figuras de conhecimento público para visitá-los, sempre com a presença da imprensa mundial. Em seguida, vão para Viena, Áustria e de lá voltam para Londres, onde tinham encomendado 50 mudas de carvalho que enviariam aos pares para alguns líderes mundiais como símbolo da semente da paz.
Baseada neste episódio, a canção tinha o seguinte refrão: "Christ you know it ain't easy, you know how hard it can be. The way things are going, they're going to crucify me". ("Cristo, Você sabe como não é fácil, Você sabe quão difícil pode ser. Do jeito que as coisa vão, eles vão me crucificar"), John Lennon compôs a letra.
Gravação
Nesta gravação só John Lennon e Paul McCartney participaram. Os outros dois Beatles estavam ausentes, Ringo filmando com Peter Sellers e George fora do país. John Lennon tinha pressa e por isso convenceu Paul a ir gravar junto com ele. A gravação foi realizada em uma só sessão (que durou 8 horas e meia) no dia 14 de abril de 1969. Esta foi a primeira música dos Beatles que não teve mixagem para mono; só foi produzida em estéreo.Refletindo essa situação pouco comum, as gravações da sessão incluem o seguinte diálogo:
Lennon (na guitarra): "Vá um pouco mais rápido, Ringo!"
McCartney (na bateria): "OK, George"
Recepção
A música atingiu o primeiro lugar nas paradas de sucesso na Inglaterra, nos EUA e em vários países ao redor do mundo. Por causa do refrão com menção à Cristo e à crucificação, a música foi boicotado pela maioria das rádios americanas e inglesas, e proibida na Austrália.
Curiosidade
Na Nova Zelândia,a música foi lançada como single e foi censurada tendo um dos versos cortados.
"Old Brown Shoe" é uma canção escrita por George Harrison, gravada e lançada pelos Beatles como Lado B de "The Ballad of John and Yoko" em 1969. Também foi incluída nos álbuns de compilação de canções dos Beatles Hey Jude, The Beatles 1967-1970 e Past Masters, Volume Two.
História
A melodia da canção surgiu a partir de acordes que George tocou ao piano e de que gostou, e a letra foi colocada mais tarde. Em suas próprias palavras, "Eu comecei a sequência de acordes no piano, que não toco de verdade...".
A letra é baseada na visão espiritual de George de que é necessário se libertar da ilusão da matéria e vencer a dualidade da dimensão terrestre.Nas palavras do autor, "...e então comecei a escrever ideias para a letra a partir de vários opostos... Mais uma vez, é a dualidade das coisas - sim-não, em cima-embaixo, esquerda-direita, certo-errado, etc."
Gravação
A fita demo de "Old Brown Shoe" foi gravada em fevereiro de 1969 nos estúdios Abbey Road, juntamente com Something (que seria lançada como single naquele mesmo ano) e All Things Must Pass (que foi a faixa-título de seu primeiro álbum solo lançado em 1970).
Na gravação final, realizada em abril daquele ano,há uma controvérsia sobre se George tocou baixo . Everett afirma que foi Paul que tocou o baixo Jazz Bass junto com a guitarra Telecaster de Harrison de forma semelhante à das guitarras em "And Your Bird Can Sing" . Na entrevista da CREEM (publicado em dezembro de 1987 e janeiro 1988 ) , no entanto, George Harrison parece confirmar que ele tocou o baixo.
Creem : Você também me disse que tocou baixo em " Old Brown Shoe ".
George : Parece um maluco tocando.
Creem : Parece que McCartney estava enlouquecendo novamente.
George :Isso era eu enlouquecendo. Estava fazendo exatamente o que eu fiz na guitarra.
Apesar de Lennon ter tocado guitarra na faixa, foi removido e substituído pelo som do órgão.E Everett disse que Ringo Starr cantou backing vocal na linha " Wearing rings on every finger ",mas esta é uma afirmação sem referência.
Em 1980, John Lennon afirmou que ele foi o responsável pela escolha de " Old Brown Shoe " como Lado B.

Filme perdido dos Beatles será exibido pela primeira vez em 50 anos

Imagens perdidas de uma performance dos Beatles serão mostradas pela primeira vez em mais de 50 anos.
A aparição dos Beatles no Top Of The Pops em 16 de junho de 1966 foi pensada ter sido perdida para a história antes do colecionador David Chandler entregar uma série de bobinas de filme de 8mm.
Chandler deu o lance para o Kaleidoscope, um grupo especializado em recuperar vídeos e programas de TV.
Especialistas remasterizaram a filmagem e melhoraram o som do clipe, que mostra 92 segundos dos Beatles tocando Paperback Writer,no video apenas uma pequena amostra.
Anteriormente, acreditava-se que apenas 11 segundos do desempenho de junho de 1966 existissem. Dusty Springfield, Tom Jones e The Hollies também figuram na coleção.
A filmagem será mostrada na Birmingham City University no sábado.
O CEO da Kaleidoscope, Chris Perry, disse: "O Kaleidoscope achou incrível encontrar 11 segundos de Paperback Writer, mas depois foi doado 92 segundos - e nove minutos de outras filmagens de Top of the Pops de 1966 foram fenomenais".
As filmagens recentemente encontradas incluem performances no Top Of The Pops de Dusty Springfield cantando Goin 'Back, The Hollies com uma interpretação de Bus Stop e Tom Jones apresentando Green, Green Grass Of Home.
A exibição será realizada no edifício Parkside da Universidade de Birmingham, entre as 10h e as 18h, no sábado, 1º de junho.

Colaboração: Robert Reinstein

source: ITV News

Moletom de John Lennon usado em 1970 vai a leilão

Um moletom de John Lennon, que ele usou em uma viagem à Dinamarca em 1970, está à venda por US $ 35 mil.
O agasalho, usado com a esposa Yoko Ono, está sendo vendido pela Moments In Time.
Ele vem da coleção do ex-marido de Yoko, Tony Cox, e está disponível por US $ 35.000.
Lennon usou quando ele e Yoko viajaram juntos para a Dinamarca para visitar Cox e sua filha.
O casal usava roupas combinando na viagem e até mesmo raspou o cabelo para dar de presente como parte de um protesto pela paz.
A viagem foi para que Yoko Ono e Cox discutissem a guarda de sua filha enquanto os dois estavam presos em uma batalha legal.
Ex-Beatle, Lennon se casou com Yoko em março de 1969 - um ano antes de sua jornada à Dinamarca.

source: Daily Mail UK

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Novas fotos dos Beatles no Japão

Os Beatles chegaram no Japão no dia 29 de junho de 1966. No dia seguinte se apresentaram no Budokan por três dias.No dia da chegada ao Japão, fãs entusiasmados correram para o aeroporto e 470 carros e 2.000 fãs estiveram no local.
Depois de chegarem ao Aeroporto de Haneda, os Beatles foram para o Hotel Hilton (agora Capitol Tokio Hotel), cercados por um grande número guardas.
Havia uma fotógrafa que estava esperando pelos membros dos Beatles no hotel.Era Keiko Sasaki que tinha 22 anos naquela época. Sasaki passou pela rede de segurança e se infiltrou no hotel.


"Naquela época, não havia fotógrafos que fizessem uma filmagem secreta ainda, então fui cuidadosa e eu entrei no hotel. Eu fui desprezada na frente do elevador ou na entrada do hotel. Eu não consigo pensar deste lado da doçura agora, porque eu era fotógrafa como se fosse uma brincadeira, então se você é um fotógrafo oficial, a equipe provavelmente teria cometido um erro ".
A primeira vez que consegui fotografar as quatro pessoas foi quando as apresentações do Budokan acabaram e voltei ao estacionamento no segundo andar do hotel."

"Eu estava esperando no saguão no primeiro andar de manhã cedo, mas à noite a equipe começou a se apressar, e eu também, mas os guardas se reuniram no estacionamento subterrâneo, então eu disse "eu voltarei aqui! "Eu estava confiante!
Esperei enquanto eu estava nervosa, e um carro preto tinha chegado, então eu corri e lembrei que Paul me mostrou um sorriso por um momento "
"Houve um dia em que John Lennon saiu do hotel e foi fazer compras. Eu tirei do John de volta na frente do elevador.Se você olhar a foto, você verá alguns sacos de papel.
Dentro havia umas antiguidades japonesas, e foi ver a Asahi Art em Aoyama e o Oriental Bazaar em Harajuku."
"Paul McCartney também fez isso e foi um barulho descontrolado.  Parece que a equipe dos Beatles foi para a cidade à noite durante a estadia.  Então, Paul disse: "Eu também quero ir".  Eu fui ao redor, mas fui pega pela imprensa e parecia que eu estava presa depois de tudo.  "
Naquela época, Sasaki não estava muito interessado nos Beatles.
"Mas, afinal, ainda é popular agora. Se você tem alguma foto dos Beatles de algum show,havia muitas pessoas que assistiram aos Beatles."  Por favor, venda as fotos!  Isso é um bom negócio , então não é um problema para vender, mas eu tenho medo de tê-las vendido (risos)."


O toque de excelência de Paul McCartney em Raleigh

Paul McCartney se apresentou segunda-feira dia 27 em Raleigh no PNC Arena.
Por duas horas e 45 minutos, com uma rápida pausa no final antes do intervalo,ele entregou hit após hit dos Beatles, Wings, como artista solo, e uma música do The Quarrymen, o grupo que precedeu os Beatles
Ele contou histórias por trás das músicas, dedicando-as àqueles que as inspiravam ou escreviam.
Paul não bebe água durante os shows mas esse foi diferente,“Uma das coisas que as pessoas dizem quando assistem ao show: 'Você não bebeu água o tempo todo'”, ele disse à multidão entre goles.
"Mas esta noite eu vou", disse ele. “Uma regra está quebrada. É para isso que servem as regras.
Depois de tocar as duas primeiras músicas ele saudou a platéia,"Olá, Raleigh, faz 17 anos".Dezessete anos atrás, ele se apresentou na mesma arena, mas em 2002, ficou conhecido como Raleigh Entertainment and Sports Arena. Antes disso, ele se apresentou no Carter-Finley Stadium em julho de 1990.

Durante a música Dance Tonight,o baterista Abe dançou e depois Paul mexeu com ele "Obrigado pela coreografia", disse McCartney. "Não precisamos de 40 dançarinos. Nós temos Abe."
Paul comentou antes de tocar Here Today,dedicada à John Lennon,como era dificil se expressar com ele "Nós, caras de Liverpool, você não podia dizer: 'Eu te amo'", disse ele.Lennon sabia que McCartney se importava com ele e vice-versa. Mas as palavras nunca foram ditas. “Here Today” representou uma conversa que McCartney disse que nunca teve com Lennon.

Esse foi o set list:
1) A Hard Day’s Night
2) Junior’s Farm
3) All My Loving
4) Letting Go
5) Who Cares
6) Got To Get You Into My Life
7) Come On To Me
8) Let Me Roll It
9) I’ve Got a Feeling
10) Let’Em In
11) My Valentine
12) Nineteen Hundred and Eighty-Five
13) Maybe I’m Amazed
14) I’ve Just Seen a Face
15) In Spite Of All The Danger
16) From Me To You
17) Dance Tonight
18) Love Me Do
19) Blackbird
20) Here Today
21) Queenie Eye
22) Lady Madonna
23) Eleanor Rigby
24) Fuh You
25) Being For The Benefit Of Mr. Kite
26) Something
27) Ob-La-Di Ob-La-Da
28) Band On The Run
29) Back in The USSR
30) Let It Be
31) Live and Let Die
32) Hey Jude
33) Birthday
34) Sgt. Pepper’s Lonely Hearts (Reprise)
35) Helter Skelter
36) Golden Slumbers / Carry That Weight / The End

Próximo show será dia 30 de maio em Greenville...

Colaboração: Jorge Laporta

Yoko Ono fala sobre Instant Karma

A conta oficial de John Lennon no Instagram compartilhou uma história pouco conhecida sobre John e Yoko Ono.
Aqui está a história:

“INSTANT KARMA!, 1970
Filmando a performance de "Instant Karma! (We All Shine On) para o Top Of The Pops, BBC TV Studios, Londres, 11 de fevereiro de 1970.
Yoko Ono: "John costumava dizer:" Yoko, estamos nos esforçando muito para fazer tudo certo, mas sabe, lá fora tem aqueles caras que estão fazendo todo tipo de coisa e se dando bem com isso!" (risos) Bem, eu não tinha a resposta para isso, mas eu estava dizendo: "Bem, até entendermos o porquê, devemos manter nosso karma limpo".

Parece tão injusto que alguém como John, que se esforçou tanto para fazer o seu melhor ... Não foi perfeito, mas o que quer que façamos nós tentamos fazer o nosso melhor. Eu acho que a recompensa disso foi que encontramos dentro de nós mesmos e entre nós alguns belos momentos. Nós ficamos muito felizes.

Houve momentos de incrível felicidade."

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Há 50 anos,John Lennon e Yoko Ono realizaram um 2º evento pela paz em Montreal

Após o primeiro Bed-in de sete dias no Amsterdam Hilton em março de 1969, John Lennon e Yoko Ono realizaram um segundo evento similar no Queen Elizabeth Hotel em Montreal, no Canadá começando no dia 26 de junho de 1969.
Eles ocuparam as suítes de esquina 1738, 1740 e 1742 no hotel. Montreal não foi sua primeira escolha; Inicialmente, eles planejavam mantê-lo em Nova York, mas Lennon não foi autorizado a entrar no país devido a sua condenação por posse de maconha no ano anterior.
Eles voaram para as Bahamas, mas descobriram que estava mais longe dos Estados Unidos do que imaginavam, e assim a imprensa mundial era menos propensa a cobrir o evento.
Lennon e Yoko Ono voaram para Toronto, onde passaram a noite em um motel. Na manhã de 26 de maio de 1969, eles fizeram o check-in no imponente hotel e começaram a sua segunda busca pela paz.
"O primeiro destino do bed-in fora Freeport, nas Bahamas, onde o sobrinho de Allen Klein passara a lua-de-mel em um hotel horrível, com duas camas de solteiro no chão, com um grande bloco de concreto pintado de branco. John olhou em volta e disse: 'Não podemos fazer uma maldita cama aqui. Vamos para o Canadá. Esse é o lugar mais próximo da América, além das Bahamas.
Eles tiveram a cama por oito dias. Centenas de pessoas vieram ao lado da cama. As perguntas foram tratadas por John e Yoko em pleno espírito da Apple, porque se colocaram completamente à disposição de qualquer pessoa na Terra que quisesse entrar no quarto - contanto que não estivessem obviamente carregando um machado.As pessoas podem entrar e fazer perguntas. Talvez eles vieram em milhares, parecia que sim.
Eu estava meio que controlando um grande People Theatre. Há algumas filmagens da época em que você vê uma sala bastante lotada. Durante um período de dez dias, você poderia conversar com muitas pessoas através de uma suíte de hotel, e elas estavam fazendo transmissões para o mundo em telefones com viva-voz e conexões. Foi antes dos satélites.
Meu trabalho era estar perto dia e noite enquanto eles estavam na cama. Eles foram capazes de descansar entre as visitas. Eles foram capazes de deitar-se e obter novos pijamas etc. Muitos de nós tiveram sonhos sobre a execução de toda a nossa vida da cama, e por dez dias foi o que eles fizeram.
Eles também tinham que relatar - eu acho que a cada poucos dias - ao cônsul em Montreal, porque eles só estavam sofrendo, e foram de fato deportados do Canadá no final do bed-in porque o apelo deles contra não ser permitido tinha falhado. Eles fizeram todo o bed-in durante um período de apelação. Assim que os dez dias terminaram, disseram-lhes que fossem embora. Na verdade, eles foram colocados no primeiro avião para Frankfurt - que não é para onde estávamos indo, estávamos indo para Londres. Então, novamente, é algo que as pessoas esquecem! Fazendo um bed-in e sendo deportado quando acabou." Derek Taylor para o Anthology
Durante a sua estada no Queen Elizabeth, eles deram uma série de entrevistas, convidados para se juntarem a eles e, em 1º de junho, gravaram Give Peace A Chance. O casal, juntamente com Kyoko, a filha de cinco anos, foi acompanhado por vários convidados, incluindo o negociante negro dos direitos civis Dick Gregory, o separatista Jacques Larue-Langlois, Timothy Leary, o rabino de Toronto Abraham Feinberg, a cantora Petula Clark. O templo canadense Radha Krishna e o cartunista americano Al Capp.

O bed-in causou uma cobertura instantânea da mídia em todo o mundo, e John Lennon e Yoko Ono conversaram com até 150 jornalistas todos os dias. Nos Estados Unidos, cerca de 350 estações de rádio relataram o evento, levando a mensagem de paz e protestos do casal contra a guerra do Vietnã.

Colaboração: Eric Bourgouin o correspondente na estrada do Canadá

sábado, 25 de maio de 2019

Paul McCartney surpreende no Smoothie King Center

  photo CHRIS GRANGER
Paul McCartney abriu a sua turnê Freshen Up Tour quinta feira dia 23 no Smoothie King Center em Nova Orleans como todos os ingressos vendidos.
Antes do show,com a ajuda da filha Mary,Paul saudou a platéia durante a passagem de som usando um nariz vermelho pelo Happy Red Nose Day USA e depois mostrou ele tocando Junior's Farm pelo story do seu instagram onde Mary filmava.
 photo CHRIS GRANGER
Sem novidade,Paul abriu o show com A Hard Day's Night mantendo o mesmo set list da turnê que passou pelo Brasil,Chile e Argentina
No decorrer do rápido show, McCartney tocava piano, órgão, ukulele, bandolim, guitarra e violão acústico, além de seu peculiar baixo elétrico Hofner.
Esse foi o set list:
1) A Hard Day’s Night
2) Junior’s Farm
3) Can't Buy Me Love
4) Letting Go
5) Who Cares
6) Got To Get You Into My Life
7) Come On To Me
8)Let Me Roll It
9) I’ve Got a Feeling
10) Let’Em In
11) My Valentine
12) Nineteen Hundred and Eighty-Five
13) Maybe I’m Amazed
14) I’ve Just Seen a Face
15) In Spite Of All The Danger
16) From Me To You
17) Dance Tonight
18) Love Me Do
19) Blackbird
20) Here Today
21) Queenie Eye
22) Lady Madonna
23) Eleanor Rigby
24) Fuh You
25) Being For The Benefit Of Mr. Kite
26) Something
27) Ob-La-Di Ob-La-Da
28) Band On The Run
29) Back in The USSR
30) Let It Be
31) Live and Let Die
32) Hey Jude
33) Birthday
34) Sgt. Pepper’s Lonely Hearts (Reprise)
35) Helter Skelter
36) Golden Slumbers / Carry That Weight / The End

Próximo show será dia 27 de maio em Raleigh na Carolina do Norte...

Paul McCartney anuncia relançamentos de 4 álbuns ao vivo

Paul McCartney anunciou lançamentos atualizados de quatro álbuns ao vivo históricos em 12 de julho.
Os álbuns da coleção são o primeiro lançamento comercial completo de Amoeba Gig, de 2007; o álbum de 1993 Paul Is Live; o ábum de 1988, Choba B CCCP; e o LP triplo de 1976, Wings Over America. Os lançamentos capturam os marcos da história inigualável de McCartney durante um período de mais de 30 anos, e serão lançados pela MPL / Capitol / UM como edições digitais, em CD e em vinil colorido,preto e em edição limitada.
Amoeba Gig é a gravação do show surpresa grátis que Paul deu na Amoeba Music em Hollywood em 27 de Junho de 2007. Até agora, apenas quatro músicas do show tiveram um grande lançamento como EP Amoeba's Secret, dos quais dois foram indicados ao Grammy, “That Was Me” e “I Saw Her Standing There.” No final de 2012, uma parte de 12 músicas do show foi disponibilizada gratuitamente para membros premium do site de PaulMcCartney como Live in Los Angeles - The Extended Set.
A nova edição do Amoeba Gig é uma gravação completa de 21 músicas deste evento extremamente íntimo, que contou com a participação de Ringo Starr e Woody Harrelson, entre outros notáveis. Ele apresenta versões de 'Calico Skies' de Flaming Pie," Matchbox ', balada intemporal de Paul' The Long And Winding Road 'e uma leitura emocional de sua música para John Lennon,' Here Today '. O desempenho do soundcheck de 'Coming Up' também faz parte do novo lançamento.
Amoeba Gig foi remixado pelo engenheiro Steve Orchard, de McCartney, e estará disponível em CD, em vinil preto de 2 x 180 gramas e em vinil colorido de edição limitada (LP1 - transparente, LP2 - âmbar transparente).
Paul Is Live foi o quinto álbum ao vivo do artista, gravado durante os segmentos americano e australiano de sua turnê de 1993 em apoio a Off The Ground. As músicas dos Beatles e Wings são acompanhadas por performances de "Good Rockin Tonight", de Roy Brown, "Leiber" e "Kansas City", de Stoller, e mais, e três músicas improvisadas durante os ensaios estão incluídas.
Recém-remasterizado no Abbey Road Studios, o álbum estará disponível em CD, em vinil preto de 2 x 180 gramas e em vinil colorido de edição limitada (LP1 - azul opaco, LP2 - branco fosco opaco).
Choba B CCCP, que tirou seu título do russo para "Back In The USSR"), foi lançado pela primeira vez na União Soviética em 1988. Foi o primeiro LP de um artista ocidental a ser lançado exclusivamente para esse mercado. O álbum profundamente pessoal, de volta às raízes, foi gravado ao vivo no estúdio ao longo de dois dias, que produziu 22 músicas, e outtakes, incluindo 'I Saw Her Standing There'. O álbum foi lançado no resto do mundo após o colapso da União Soviética em 1991. Também remasterizado recentemente no Abbey Road, será reeditado como o lançamento original em russo de 11 faixas, em CD, vinil preto de 180 gramas e vinil amarelo opaco de edição limitada.
O LP triplo Wings Over America documentou uma das turnês mundiais mais ambiciosas e expansivas já montadas até aquele ponto, e foi gravado na parte norte-americana da turnê Wings Over The World. Isso fez com que McCartney e a banda se apresentassem para mais de 600.000 pessoas em 31 shows nos Estados Unidos e Canadá, culminando em três shows no The Forum em Los Angeles.
O álbum foi reeditado pela última vez em 2013 como parte da série Paul McCartney Archive Collection, e ganhou um Grammy por Boxed ou Special Limited-Edition Package. Wings Over America estará disponível em CD duplo, vinil triplo de 3 x 180 gramas e vinil colorido de edição limitada (LP1 - vermelho transparente, LP2 - verde transparente, LP3 - azul transparente). As edições de vinil virão com um cartaz de lembrança original.
As faixas de cada álbum está no link abaixo.

Ringo Starr compareceu a estréia do documentário Echo In the Canyon

 (Photo by Scott Dudelson/Getty Images)
Na noite de quinta-feira dia 23, Ringo Starr,saiu para apoiar a estréia de um novo documentário musical chamado "Echo In The Canyon"
O Beatle foi acompanhado por sua esposa Barbara Bach com quem se casou em 1981.
Ringo é destaque no filme que conta a história da interseção do rock e da música popular que ocorreu entre os artistas que moraram no bairro Laurel Canyon de Los Angeles no final dos anos 60.
O documentário é estrelado por Jakob Dylan, o filho de 49 anos de Bob Dylan, que entrevista uma lista de estrelas do rock.
 Jacob Dylan,Roger McGuinn,Ringo e Stephen Stills 
 (Photo by Scott Dudelson/Getty Images)
Ele também executa algumas das músicas da época, como The Beach Boys 'I Just Wasn Made for These Times e The Mamas and The Papas' Go Where You Wanna Go.
O filme é dirigido por Andrew Slater, um veterano da indústria musical que já dirigiu a banda de Dylan, The Wallflowers, e ex-CEO da Capitol Records.
"O período em que estamos falando é de 65 a 67", explicou Slater ao The Hollywood Reporter em setembro passado, quando o documentário foi exibido no festival de Los Angeles.
  (Photo by Scott Dudelson/Getty Images)
'É como os Byrds estava ouvindo os Beatles, e os Beatles estavam ouvindo os Beach Boys, e os Beach Boys estava ouvindo os Beatles e como toda essa polinização cruzada aconteceu para criar essa música que ressoa em todo o mundo e ao longo do tempo '
  (Photo by Scott Dudelson/Getty Images)
Entre as lendas que contribuem para o filme estão Brian Wilson, Stephen Stills, David Crosby, Graham Nash, Michelle Phillips, Jackson Browne, Eric Clapton, Roger McGuinn e Lou Adler.
O vocalista do Byrds, Roger McGuinn, 76, também apareceu para apoiar o evento, assim como Stephen Stills, 74 anos.
O Echo in the Canyon será aberto em alguns cinemas em Los Angeles no dia 24 de maio e em Nova York no dia 31 de maio.


source: Daily Mail

sexta-feira, 24 de maio de 2019

A Casa da Moeda Real do Canadá comemora o 50º aniversário de Give Peace a Chance

Em 1969, a Plastic Ono Band (formada por John Lennon e Yoko Ono) gravou Give Peace a Chance, um hino contra as guerras para gerações de pacifistas e fãs da música em todo o mundo. A música foi gravada ao vivo na suíte do casal, no Queen Elizabeth Hotel, no centro de Montreal, onde John e Yoko se hospedaram durante o famoso protesto “Cama pela paz”. Cinquenta anos depois, a Casa da Moeda registrou esse momento especial para história e para a música canadense em uma moeda de prata pura para celebrar o talento artístico e o ativismo social de Lennon e Yoko, em um acordo intermediado pela Epic Rights, o agente global de licenciamento de John Lennon.
“Por gerações de canadenses, a letra e a música de John Lennon e Yoko Ono tem sido fonte de prazer e inspiração”, comentou Marie Lemay, presidente e CEO da Casa da Moeda do Canadá. “Estamos entusiasmos por termos criado uma moeda em celebração do vínculo especial do Canadá com John e Yoko, e com sua mensagem perene em prol da paz.” 
“Para o 50º aniversário do Cama pela Paz, nos sentimos honrados com a homenagem da Casa da Moeda do Canadá a este momento tão memorável da história de nosso hotel e da nossa cidade, com a emissão desta moeda comemorativa”, diz David Connor, vice-presidente regional e gerente geral do The Queen Elizabeth, de Fairmont. “Esperamos que seja um símbolo de maior conscientização da mensagem de John e Yoko pela paz, que ainda tem grande ressonância e importância para os dias de hoje.”
O desenho do verso da moeda de prata com 99,99% de pureza mostra uma reprodução da famosa fotografia em preto e branco, de Ivor Sharp, de John e Yoko durante o Cama pela Paz, em Montreal, no final da primavera de 1969. Usando pijamas, sentados na cama, os dois têm rosas à mão, com os conhecidos sinais da paz, feitos à mão, ao fundo. O anverso traz a efígie da Rainha Elizabeth II, de Susanna Blunt.
Serão emitidas 9.999 moedas para todo o mundo, as quais serão comercializadas por 99,99 dólares canadenses. Todas as informações sobre a moeda podem ser encontradas na aba “Shop” (Loja) em www.mint.ca. 
Os pedidos podem ser feitos pelo número 1-800-267-1871, no Canadá, pelo 1-800-268-6468, nos EUA ou pelo site da Casa da Moeda Real do Canadá. A moeda também estará disponível nas lojas da Casa da Moeda em Ottawa e Winnipeg, ou através da rede mundial de representantes e distribuidores, inclusive nas unidades participantes do Canada Post.

fonte/source: Exame ou PR Newswire

quarta-feira, 22 de maio de 2019

A última canção de Lennon-McCartney como sucesso nº 1 na América

Antes de os Beatles se dirigirem para a América para sua primeira turnê pelos Estados Unidos, Paul McCartney queria uma coisa: um hit número 1. Com um single no topo das paradas dos EUA, Paul imaginou que a banda teria mais oportunidades e menos chances de se abrir para um show de segunda categoria.
Quando “I Want to Hold Your Hand” chegou às lojas de discos em dezembro de 1963, os primeiros retornos pareciam promissores. As vendas foram pesadas imediatamente e o entusiasmo foi alto. Com a aparição dos Fab Four no “Ed Sullivan” a apenas oito dias de diferença, ele ficou em primeiro lugar na Billboard Hot 100.
A idéia da abertura dos Beatles para outras bandas basicamente morreu naquele dia, e outros 19 sucessos no topo das paradas seguiriam. Embora a parceria de composição de Paul McCartney com John Lennon tenha mudado ao longo dos anos, os dois colegas de banda sempre tinham músicas publicadas com os dois nomes.
Em 1970, depois que os Beatles se separaram, os fãs ouviram a última música de Lennon-McCartney que estaria no topo das paradas americanas.
‘The Long and Winding Road’ atingiu o No. 1 em 13 de junho de 1970.
Apesar de ter sido listada como uma música de Lennon-McCartney, "The Long and Winding Road" era toda de Paul. De acordo com o site The Beatles Bible ele escreveu a faixa em sua fazenda na Escócia em 1968 e a banda trabalhou durante as sessões que se tornaram o Abbey Road e Let It Be.
Essas datas de gravação, imortalizadas no documentário Let It Be, ocorreram em janeiro de 1969. No entanto, as faixas usadas no álbum homônimo (o último dos Beatles) não foram concluídas pela banda e George Martin. Paul estava basicamente sozinho, então.
Isso significava que John, Ringo e George Harrison precisavam de um produtor para finalizar o Let It Be no início de 1970. Lennon contratou Phil Spector - com a fama de “Wall of Sound” - no trabalho. Spector foi grande com os takes de "The Long and Winding Road", adicionando orquestração e uma parte de coro.
A remixagem que ele fez no estúdio levou a grandes divergências entre Paul, Spector, e o empresário dos Beatles, Allen Klein, a quem Paul se opôs em cada turno. No entanto, os protestos de Paul sobre as mudanças de Spector caíram em ouvidos surdos. Klein empurrou o disco, e Spector depois se regozijou.
Enquanto isso, Paul se enfureceu com raiva. Mas esse capítulo de sua vida terminaria com sucesso - no primeiro lugar -, gostasse ou não.
Então "We Can Work It Out" pode ser o último verdadeiro No. 1 da dupla Lennon-McCartney.
Em meados dos anos 60, as músicas de Lennon-McCartney tinham John ou Paul por trás, e não é muito difícil diferenciá-las. Olhando para os maiores sucessos da banda, você pode ouvir alguns versos de “Come Together” ou “Hey Jude” e saber quem estava por trás delas.
No começo de sua carreira, foi muito mais difícil. Com “I Want to Hold Your Hand”, o primeiro número 1 da banda, John descreveu-o como escrevendo uma música de “nariz para nariz”. Um deles surgiu com um acorde; outro acrescentou algumas letras; e assim por diante, até o fim.
Olhando para trás, a última colaboração real de Lennon-McCartney pode ter sido “We Can Work It Out”. Lançada no final de 1965, ela apresentava um verso e refrão de Paul e o meio impaciente de John. (“Life is very short”)
"We Can Work It Out" atingiu o número 1 em janeiro de 1966. Na época, ninguém poderia saber que uma era tinha acabado de terminar.

source: CheatSheet

segunda-feira, 20 de maio de 2019

John Lennon comentou sobre "feitiço" de Yoko Ono

A página oficial do Instagram de John Lennon desenterrou uma das raras entrevistas dele.Nessa entrevista, John Lennon defendeu sua esposa Yoko Ono contra algumas alegações sérias.
Entrevistador perguntou:
“E a acusação de que John Lennon está sob o feitiço de Yoko, sob o controle dela?” ⁣
John Lennon respondeu:
"Bem, isso é lixo, você sabe. Ninguém me controla. Sou incontrolável. A única pessoa que me controla sou eu, e isso é praticamente impossível. ”⁣
Entrevistador perguntou:
"Ainda assim, muitas pessoas acreditam nisso."
John Lennon respondeu:
“Escute, se alguém vai me impressionar, seja um Maharishi ou uma Yoko Ono, chega um momento em que o imperador não tem roupas. Chega um ponto em que eu vou ver. Então, para todos vocês que pensam que estou com a lã puxada sobre os olhos, bem, isso é um insulto para mim. Não que você pense menos em Yoko, porque esse é o seu problema.
O que eu penso nela é o que conta, porque foda-se, irmão e irmã, você não sabe o que está acontecendo. Eu não estou aqui por você. Estou aqui por mim e ela e o bebê. Ela não precisa de um Beatle. Quem precisa de um Beatle?
Eles querem se apegar a algo que nunca tiveram em primeiro lugar. Qualquer um que afirme ter algum interesse em mim como artista individual ou até mesmo como parte dos Beatles não entendeu tudo o que eu disse, se eles não conseguem entender por que estou com a Yoko.E se eles não podem ver isso, eles não vêem nada."

sábado, 18 de maio de 2019

A primeira vez que John Lennon viu o fim dos Beatles chegando

Você pode apontar alguns problemas que fizeram os Beatles se separarem em 1970. Obviamente, as diferenças entre John Lennon e Paul McCartney se tornaram numerosas demais para serem ignoradas.  Quando John e Paul quase lutaram durante as sessões do The White Album (1968), você sabia que os problemas eram sérios.
O mesmo também poderia ser dito para outro dia em 68, quando Ringo saiu da banda e deixou o país.  Ou no começo do ano seguinte, quando George Harrison deixou o grupo e decidiu se concentrar em sua própria música.
Em resumo, os Beatles eram frequentemente uma bagunça em seus últimos anos juntos.  Mas de alguma forma, a banda se juntou para terminar os álbuns Abbey Road e Let It Be.
Indo pelo que John Lennon disse após o rompimento, o problema começou logo após a banda perder o empresário Brian Epstein, em agosto de 1967. A partir daí, ele pôde ver o final chegando.
Após a morte de Epstein, John disse que os Beatles entraram em "colapso" e "se separaram".
Epstein morreu de uma overdose acidental de drogas (pílulas para dormir) em sua casa em Londres.  Na época, os membros da banda estavam visitando o País de Gales para assistir às palestras do influente Maharishi.  Em sua entrevista na Rolling Stone de 1970, Lennon lembrou de ter ficado chocado com a notícia naquele dia.
Embora o Maharishi tenha insistido com os Fab Four para pensar em pensamentos positivos sobre seu falecido empresário e amigo, Lennon não conseguiu seguir o conselho.  "Eu fiquei chocado", disse ele a Jann Wenner. "Eu não sei se você teve, mas eu tive muitas pessoas morrendo ao meu redor e a outra sensação é: 'O que eu posso fazer?'"
Do ponto de vista profissional, a banda perdeu o homem que os levou do nada em Liverpool para as alturas da indústria do entretenimento.  "Eu sabia que estávamos em apuros", disse John.  "Eu realmente não tinha nenhum conceito errado sobre a nossa capacidade de fazer algo além de tocar música."
Na verdade, isso se tornou o equivalente a uma sentença de morte para John.  "Eu estava assustado."Depois do Álbum Branco, ele ficou certo.  "Nós terminamos então", disse John sobre a morte de Epstein.
A passagem de Epstein criou um vácuo de poder que os Beatles nunca preencheram.
Com a morte de Epstein e sem reposição imediata, isso também significava que alguém do grupo teria que assumir o controle da situação.  Paul McCartney assumiu a maioria dessas tarefas.  Na mente de John, isso acelerou o final do grupo.
"Paul assumiu e supostamente nos liderou", disse Lennon à Rolling Stone.  “Mas o que seria guiar quando só andávamos em círculos? Essa foi a desintegração" Ele descreveu o Álbum Branco como um grupo de compositores que usavam os outros Beatles como banda de apoio.
Epstein não conseguia mais suavizar as arestas ou incentivá-los a colaborar.E ele não podia pedir ao produtor George Martin ou ao engenheiro de som Geoff Emerick para ajudar a evitar disputas quase violentas, como Paul e John, quando gravaram "Ob-La-Di, Ob-La-da".
Dois anos após o falecimento de Epstein, John disse aos seus colegas de banda que ele estava saindo.  Paul seguiu em abril de 1970. Já era hora de tentar a sorte como artistas solo.

Source: Cheat Sheet

Revista Música entrevistou George Harrison em 1979

Pouca gente sabe, ou se lembra, mas George Harrison já esteve no Brasil. Em 31 janeiro de 1979 ele veio ao nosso país, não para se apresentar, infelizmente, mas para acompanhar o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, uma de suas paixões. Na ocasião, a revista Música conseguiu uma entrevista exclusiva com o ex-Beatle, e ainda um autógrafo em nome da revista, que é um tesouro. Além de exibir o autógrafo, a matéria traz fotos dele no autódromo. George era muito amigo do piloto Emerson Fitipaldi, para quem fez uma versão de 'Here Comes The Sun', após o amigo ter sofrido um acidente.
George Harrison é um ex-Beatle, e por isso não encontra paz em lugar algum do mundo. Mesmo já tendo passado 10 anos da dissolução do 'quarteto de Liverpool', todos cobram dele posições com relação a uma possível nova formação do grupo, à política praticada pelo conjunto, ao relacionamento entre eles, etc. E, durante 10 anos, em todos os cantos deste planeta, onde vai passear, descansar, gravar, tem que responder às mesmas perguntas. Naturalmente no Brasil não seria diferente.
Vindo para ver a corrida de Fórmula 1, devidamente acompanhado por Jackie Stewart - um dos melhores pilotos da categoria - e Emerson Fittipaldi - de quem tornou-se amigo graças ao gosto pelo esporte - George foi alvo de ataques sistemáticos por parte da imprensa e de fãs, que não o deixaram à vontade.
Por Música ele começou a ser contatado em São Paulo e terminou no Rio de Janeiro, onde participou de entrevista coletiva.
Música - Por que você nunca se interessou em visitar a América do Sul antes, especialmente o Brasil?
George - Bem, nós estamos muito ligados à Europa e aos Estados Unidos, por contratos, shows, gravações, enfim, é um mundo que está muito mais ligado a nós, músicos. E, apesar de todo mundo pensar que temos muito tempo de folga, nós somos muito atados a compromissos. Mas devo reconhecer que é uma falha de nossa parte, temos muito a aprender por aqui.
Música - É difícil aguentar a barra de ser ex-Beatle? Todo mundo dá mais valor a seu trabalho naquele tempo, esquecendo o atual?
George- Realmente, depois de passado tanto tempo a gente chega até a duvidar de que os Beatles tenham tido tanta influência na juventude. Quando nos juntamos e fizemos os Beatles, nada disso passava pela nossa cabeça, sabíamos que tínhamos um tipo de música que poderia vir a fazer sucesso, mas nunca imaginávamos tudo isso. Inclusive, nunca fomos um grande conjunto, éramos um conjunto razoável, assim como os Stones. Tudo isto a gente tem que explicar em qualquer lugar onde esteja. Mas, na Europa e Estados Unidos, por estarmos mais frequentemente, eles já esqueceram um pouco este lado e passaram a observar nosso trabalho individualmente.
Música - Como você está hoje, depois de tanto tempo na luta?
George - Bem, já estou completando 36 anos (25 de fevereiro), mas não tenho intenção de alguma de parar. É claro que a gente vai diminuindo o ritmo, mas parar não. Já faz parte do cotidiano, inclusive não estou mais atrás de dinheiro, mas de satisfação pessoal. O dinheiro deixou totalmente de ser importante, aprendi isso com a filosofia hindu. Eu o uso para viajar, comprar, divertir, nunca como um fim. Sei que há muitos músicos que mudaram sua linha apenas para se tornarem mais comerciais e ganhar mais dinheiro. Até os Beatles fizeram isso por algum tempo, mas quando você atinge alguns bens materiais necessários, pra que mais?
Música - Como anda o relacionamento entre você, Paul, Ringo e John?
George - A gente não se vê periodicamente por falta de tempo. Quando um está livre, o outro não, quando um está na Europa, outro está fora. Mas não existe qualquer tipo de rivalidade, as que existiam foram superadas há muito tempo, o resto é por conta da imprensa. John acalmou-se e está curtindo a família, talvez tenha-se cansado de ser muleta para a fraqueza alheia. Ringo é um bon-vivant, gravando quando quer e badalando muito, sempre foi o mais alegre de nós, o que dava mais importância à alegria e ao descompromisso, e Paul é o mais trabalhador, o que mais gosta de promoção em torno de seu nome. Claro que hoje é o que mais faz sucesso, o que mais vende disco, mais por uma necessidade pessoal que propriamente por dinheiro.
Música - Qual seu real interesse por filosofia hindu?
George - Ela me ajudou muito a me conhecer por dentro. Não dou mais valor a roupas, carros, viagens, garotas, badalações, tudo isso porque acredito que seja uma maneira de cobrir a solidão da qual todos têm medo. Quando você se encontra, descobre o enorme potencial que há dentro de você, todo o resto passa a ser futilidade. Mas isto também vem com o tempo. Quando era jovem, também queria ser badalado. Foi a India que me modificou completamente."
Música - E as possibilidades de você apresentar no Brasil?
George - A gente tem um manager que cuida da agenda,e nem eu mesmo sei direito quais os meus compromissos.Mas acredito que possa vir,profissionalmente,no começo do ano que vem.Gostei muito do Brasil,mesmo achando São Paulo uma cidade muito cheia e o Rio com uma arquitetura feia,típica de uma corrida imobiliária.
O que mais me surpreendeu foi o total desconhecimento do povo em relação ao desmatamento sistemático da Amazônia.
Mas é justamente o pessoal que mais me atraiu,gente alegre,bonita e colorida.
Acredito realmente que volte mais vezes.

Comentário:
Tirado do blog The Beatles Report

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Como George Harrison salvou o cinema britânico

Em 1978, assim que o filme A Vida de Brian, de Monty Python, estava prestes a entrar em produção, o presidente da EMI, Lord Delfont, leu o roteiro que sua empresa havia comprado. Ele não gostou. Ele estava tão chocado, de fato, que ele lavou as mãos de todo o empreendimento ultrajante, e os Pythons tiveram que levantar £ 2 milhões com pressa.
Eric Idle teve a ideia de telefonar para George Harrison, a pessoa mais rica que ele conhecia; George Harrison, por sua vez, consultou seu empresário americano, Denis O'Brien, que sugeriu que eles mesmos financiassem o filme. O único problema era que eles teriam que colocar sua mansão em Henley-on-Thames, bem como os escritórios de O’Brien em Londres como garantia. O ex-Beatle continuaria chamando-o de “o ingresso de cinema mais caro já emitido”. Mas, ele raciocinou, como ele poderia ver a nova comédia do Monty Python?
Assim começa a história da HandMade Films, agora o tema de um documentário chamado An Accidental Studio. É uma história de amizade e desentendimento, de sucesso estonteante e fracasso catastrófico, de uma empresa independente que parecia estar inventando coisas à medida que avançava, mas que podia reivindicar vários clássicos do cinema britânico - Life of Brian, The Long Good Friday, Time Bandits, Mona Lisa, Withnail and I. e outros.
Eric Idle colocou assim: “Se você olhasse para a indústria cinematográfica britânica [na década de 1980] e tirasse os filmes da HandMade, não sobraria quase nada ”. Mas, na época, a empresa não recebeu praticamente nenhuma indicação , muito menos Baftas. "Eles foram realmente ignorados", diz Ben Timlett, co-diretor do An Accidental Studio. “A indústria cinematográfica britânica estava muito mais interessada no Merchant Ivory, enquanto o HandMade era baixo e diferente, e fazendo coisas que a indústria do entretenimento não conseguia entender.”
A história da HandMade é realmente uma história de amor: no fundo, é sobre o amor que George Harrison teve pelo Monty Python. Quando o primeiro episódio de Flying Circus de Monty Python foi ao ar em 1969, George enviou uma carta de fã através da BBC (ele nunca recebeu, diz Michael Palin), e ele gostava de dizer que o espírito travesso dos Beatles migrou para os Pythons em torno de esse tempo. Tendo trazido Life of Brian de volta à vida, porém, ele percebeu que também queria ajudar outras pessoas criativas - quer isso fizesse sentido comercial ou não. "Se algo é realmente bom", ele disse, "merece ser feito".
O que isso significava era que HandMade repetidamente apostava em diretores iniciantes e atores desconhecidos, e repetidamente recuperava filmes que outros estúdios haviam jogado fora. Uma delas foi Mona Lisa, que, como Life of Brian, foi abandonado pela EMI. Outro foi um filme de gângster de Bob Hoskins, The Long Good Friday, que foi pego pela HandMade depois de ser descartado por Lew Grade - o irmão de Lord Delfont. O segredo foi a própria positividade de George Harrison, como seu ex-braço direito, Ray Cooper, confirmou em uma sessão de perguntas e respostas organizada pelo ator Sanjeev Bhaskar na semana passada. "Se ele acreditasse que você tinha paixão", disse Cooper, "ele faria o seu sonho se tornar realidade para você".
A nomeação de Cooper era típica da abordagem intuitiva da empresa. Ele era, e é, um extraordinário percussionista do rock, em oposição a um motor e agitador de negócios do cinema, mas George Harrison disse: “Acho que tenho uma companhia de filmes em minhas mãos. Você poderia me representar no escritório? ”Isso foi um golpe de mestre. Cooper acabou por ser um talentoso leitor de scripts e solucionador de problemas, e enquanto seu novo trabalho parecia estar muito longe de bater tambores e pratos no palco com Elton John, ele sentiu que era a habilidade de seu músico ouvir e tocar junto,com outros que era crucial para a empresa. Sua falta de experiência no mundo do cinema foi uma vantagem. “As pessoas da HandMade não estavam chegando com muita bagagem”, diz Bill Jones, co-diretor do An Accidental Studio, e filho de Terry Jones, do Monty Python. "Eles não estavam tentando seguir as tendências, eles não estavam olhando para planilhas de números. Eles apenas disseram que, se você tiver uma ótima ideia, nós a apoiaremos. ”
Com Denis O'Brien
Uma parte significativa do trabalho de Cooper era equilibrar os desejos de George Harrison com os de seu parceiro, O’Brien. George contentava-se em manter a empresa tão pequena e pessoal como o nome indicava, ao passo que O'Brien, em termos de rock'n'roll, esperava quebrar a América: ele achava que poderia construir a HandMade em um grande estúdio internacional, financiando cada vez mais filmes caros. Além disso, ele estava determinado a supervisionar o lado artístico da empresa, bem como o lado financeiro, alienando assim os Pythons e muitos outros cineastas. "Denis ficou cada vez mais convencido de que suas idéias eram melhores do que nossas idéias", disse Terry Gilliam na semana passada.
Entre essas ideias, o Time Bandits deveria ser um musical, e o papel de Cathy Tyson em Mona Lisa deveria ser interpretado por Grace Jones. Ele também reclamou com Bruce Robinson, o roteirista e diretor de Withnail and I, que ele estava atrasado na hora do almoço no primeiro dia de filmagem. Nos diários de filmes de Richard E Grant, With Nails, o ator relembra a chegada do “incrivelmente alto e incrivelmente careca Big Noise da HandMade Films, que é um símbolo do Bilko em uma escala gigantesca”. Robinson se enfureceu dizendo que preferia desistir do que aturar esse imenso Bilko, e, como sempre, coube a Cooper acalmar as coisas.
 Ray Cooper
“Denis estava tentando fazer da HandMade uma empresa auto-suficiente que não precisava do dinheiro de George, diz Timlett. "Não é que essa não tenha sido a coisa certa para tentar, mas foi aí que tudo deu errado." Os possíveis blockbusters de meados da década de 1980 foram o ponto de virada. Em 1985, houve o filme de Dick Clement e Ian LeFrenais no Caribe,o filme Water, que, segundo LeFrenais, é muito divertido desde que você esteja "alto" enquanto o assiste. No ano seguinte houve Shanghai Surprise, estrelado por Madonna e Sean Penn, que foi quase tão bem quanto o resto do seu casamento. Ambos os filmes fracassaram. "Tenho a sensação de que George nunca se recuperou disso", escreveu Palin em seu prefácio para Very Naughty Boys. “Ele permaneceu generoso, mas se sentiu comprometido e começou a recuar. Uma vez que isso aconteceu, o fim estava à vista.
Após os primeiros anos de glória, HandMade investiu em muitos filmes que mal via a luz do dia, ou a escuridão do cinema.Com O'Brien no controle, HandMade estava perdendo dinheiro e George Harrison estava perdendo a fé. Olhando para os projetos posteriores da empresa, George confessou a um entrevistador que ele frequentemente não "gostava do roteiro ou do filme", ​​mas não queria balançar o barco. Em 1991, HandMade deixou de ser. Seu nome e catálogo foram vendidos três anos depois.
 George e Madonna na época do filme Shangai Surprise
O que o documentário não menciona é que essa ascensão e queda bruscas não eram apenas um caso de muita expansão e muito pouco controle de qualidade. George processou O'Brien em 1995 e recebeu 11,6 milhões de dólares em danos. A letra que ele havia escrito para a música tema do filme  Time Bandits,a música Dream Away do álbum Gone Troppo eram estranhamente prescientes sobre a HandMade: “Sentindo-se ganancioso, dando voltas, perdendo o que você ganhou. Veja o sonho se desfazer."
Ainda assim, que sonho era. Em apenas uma década, a HandMade foi responsável por um incrível número de filmes que não seriam feitos hoje, e tiveram a sorte de serem na época. E, por um tempo, George teve a satisfação de apoiar seus amigos. A parte mais tocante do An Accidental Studio é a filmagem da festa de 10º aniversário da HandMade em Shepperton, em 1989. Foi mais um despertar do que uma festa de aniversário: todos sabiam que os dias da empresa estavam contados. Mas o humor negro do discurso de George Harrison foi aliviado quando ele expressou seus sentimentos por Monty Python - sentimentos que o colocaram no negócio do cinema em primeiro lugar. "Eu os amo muito", diz ele, "eles ficariam envergonhados se percebessem".

source: The Guardian

terça-feira, 14 de maio de 2019

Paul McCartney fala sobre Doris Day

Paul McCartney comentou hoje dia 13 de maio sobre a morte de Doris Day que morreu aos 97 anos:
"É tão triste saber que Doris Day faleceu.  Ela era uma verdaideira estrela em mais de uma maneira.  Eu tive o privilégio de sair com ela em algumas ocasiões. Visitá-la em sua casa californiana era como ir a um santuário de animais onde seus muitos cães eram cuidados em estilo esplêndido.  Ela tinha um coração de ouro e era uma mulher muito engraçada com quem eu compartilhava muitas risadas.  Seus filmes como 'Calamity Jane', 'Move Over, Darling' e muitos outros foram incríveis e sua atuação e canto sempre atingiram o alvo.Eu sentirei falta dela, mas sempre me lembrarei de seu sorriso cintilante e risada contagiante, bem como das muitas ótimas músicas e filmes que ela nos deu.  Deus abençoe a Doris."

Colaboração: Eric Bourgouin o correspondente na estrada do Canadá 

segunda-feira, 13 de maio de 2019

A visita dos Beatles à San Francisco em 1965

Em agosto de 1965, os Beatles encerraram sua turnê norte-americana com dois shows no Cow Palace em San Francisco. Este vídeo inclui os repórteres do Canal 7 com os Beatles quando chegaram, fãs empolgados que puderam assisti-los e uma ampla coletiva de imprensa realizada entre apresentações.
Paul McCartney, John Lennon, George Harrison e Ringo Starr responderam a perguntas em seu próprio estilo astuto sobre tudo, desde proteção da polícia até críticas de música com amplificação eletrônica ao que eles acharam de San Francisco.
Os Beatles tocaram em São Francisco três vezes. O primeiro show foi no Cow Palace, em agosto de 1964, quando a cidade foi sua primeira parada em uma turnê americana. Eles voltaram um ano depois, em 1965. Então, em agosto de 1966, os Beatles tocaram no Candlestick Park, no que seria a última apresentação.
Dica para os fãs dos Beatles: A coletiva de imprensa é legendada para você não perder nenhum dos gracejos dos Beatles!

source:  ABC News

sábado, 11 de maio de 2019

Cópia de John Lennon da "Butcher Cover" foi vendido por mais de 900 mil reais

A cópia pessoal de John Lennon de um LP dos Beatles que provocou indignação por causa da natureza gráfica da imagem da capa foi vendida por incríveis US $ 233.511.(£179,200) ou R$923.000,00.
A NME disse que foi o terceiro maior preço já pago por uma gravação em vinil.
Os Beatles mais tarde substituíram a capa do de Yesterday And Today, uma coletânea de 1966 da Capitol Records - mas não antes de várias cópias chegarem às prateleiras das lojas com o grupo vestido com roupas de açougueiro com carne crua e bonecos mutilados.
Um colecionador americano anônimo comprou a cópia de Lennon no Beatles Story Museum, em Liverpool, durante uma venda geral de sua mercadoria. Ele considerou "um investimento, acreditando que aumentará em valor nos próximos anos", disse um porta-voz da Julien's Auctions à NME.
O álbum ficou pendurado na parede do apartamento de Lennon em Nova York até que ele o deu a um ávido fã e colecionador dos Beatles chamado Dave Morrell. Acredita-se que seja a única cópia que apresenta três assinaturas dos Beatles. Paul McCartney e Ringo Starr também assinaram.
A imagem original do fotógrafo australiano Robert Whitaker foi pensada como um comentário sobre o tratamento das gravações da banda pelo selo norte-americano. O álbum retrabalhado, que contou com uma foto do grupo reunido em torno de uma peça de bagagem, foi dito ser o único álbum dos Beatles que perdeu dinheiro para a Capitol.
"O mercado ainda está se desenvolvendo, por isso prevemos que nos próximos cinco anos esse mesmo recorde poderá render mais de US $ 500.000", disse o presidente da Julien's Auctions, Darren Juliennoted. "Este foi um recorde mundial por uma cópia da "capa do açougueiro" dos Beatles e o terceiro maior preço pago por um vinil."
A cópia de Ringo Starr do Álbum Branco foi leiloada por US $ 790.000 em 2015, supostamente tornando-se a gravação de vinil mais cara de todos os tempos.


sexta-feira, 10 de maio de 2019

Há 50 anos,os Beatles lançavam álbuns experimentais pela Zapple

Em 09 de maio de 1969 - os Beatles lançam seu novo selo chamado Zapple, reservado para gravações experimentaís.Este dia marcou o lançamento no Reino Unido do LPs de John Lennon e George Harrison. O primeiro lançamento no selo do Zapple foi Unfinished Music No. 2: Life With the Lions., de John Lennon / Yoko Ono.
O segundo álbum lançado pelo selo Zapple foi Electronic Sound, de George Harrison.Apesar dos planos para uma série de LPs de poesia e empreendimentos literários semelhantes, notavelmente um álbum de Allen Ginsberg executando os trabalhos de William Blake, a Zapple nunca lançou outro disco.
'Electronic Sound', lançado em 09 de maio de 1969 como o segundo e último projeto de vanguarda da logomarca Zapple Records, permaneceu como projeto mais experimental de George Harrison, seu álbum solo de pior venda, e um de seus mais controversos . No entanto,abriu a porta para algo importante.
Com apenas duas faixas longas experiências com o então novo sintetizador Moog , um para cada lado , o apropriadamente chamado 'Electronic Sound " não é tanto a música como é uma viagem através da imaginação e da descoberta - que levou George Harrison , tanto quanto ele nunca se aventurou fora de sua zona de conforto.
Infelizmente, ele chegou assim quando os Beatles estavam sofrendo muita perda de dinheiro da Apple que foi reestruturado sob nova gerência de Allen Klein , que prontamente encerrou a marca Zapple . Junte isso com vendas mornas - 'Electronic Sound' alcançou a posição n º 191 nos EUA, e não conseguiu pontou nas paradas no Reino Unido - e é talvez fácil ver o álbum como um beco sem saída musical.
No entanto,vale notar que este interesse crescente no Moog impactou diretamente nos próximos dois projetos de George Harrison , ambos os quais se destacam no auge de sua produção.George contribuiria com o Moog tanto na "Because" e " Here Comes the Sun " para os Beatles no álbum 'Abbey Road'.
Barry Miles , um amigo de Paul McCartney que mais tarde escreveu o ''Many Years from Now " a biografia autorizada e supervisionou a subsidiária Zapple , que foi fundada em outubro de 1968.
O outro lançamento oficial foi "Unfinished Music No. 2: Life with the Lions", uma gravação de paisagem sonora de John Lennon e Yoko Ono lançada no mesmo dia.Cópias do acetato de um terceiro projeto da Zapple , um álbum de falas pelo escritor Richard Brautigan , foram pressionados - e havia planos para lançamentos semelhantes para Lenny Bruce , Lawrence Ferlinghetti e Michael McClure -, mas a intervenção de Allen Klein trouxe tudo isso a um ponto insuportável.
"O selo Zapple foi dobrado por Allen Klein antes que o disco podesse ser lançado, " Miles disse mais tarde. " Os dois primeiros discos da Zapple sairam.Nós simplesmente não tínhamos (o disco de Brautigan ) pronto a tempo antes de Allen Klein fechar.Nenhum dos Beatles jamais ouviu isso"
"Life with the Lions" realmente traçou, indo para o nº 174 nos Estados Unidos. Mas 'Electronic Sound', que começou com 18 minutos de ensaio duplo de Moog chamado ''Under the Mersey Wall" continua a ser o álbum mais audível.
As raízes do ' Electronic Sound ' inicialmente surgiram de uma sessão para Jackie Lomax , para quem George Harrison estava produzindo uma gravação de estréia para a Apple. Lá, ele foi introduzido por Krause , ex-membro dos Weavers que se tornou profundamente envolvido com a tecnologia emergente do sintetizador analógico.Krause , de fato, havia contribuído com Moog na versão dos Monkees ‘Star Collector' de volta em 1967.
Intrigado, George pediu-lhe para continuar a explorar o instrumento após as sessões de Lomax. Krause mais tarde afirmou que esta demonstração, registrado nas primeiras horas de 12 de novembro, foi editada para tornar-se " No Time or Space ' para o álbum.
Durante anos,Krause reclamou de não tido crédito nenhum no álbum e que não dinheiro para processá-lo no tribunal.
Nos anos 70 , o interesse de George Harrison em teclados desbotou.Além de alguns trabalhos com sintetizador adicional como em 1982 com o álbum "Gone Troppo''.
Mesmo com tantos anos de distância, estes dois álbuns da Zapple ainda soam como eles viessem de outro planeta. Tenha em mente, este tinha apenas seis anos após o lançamento de "Please Please Me". Coisas certamente mudaram a um ritmo diferente naquela época.