segunda-feira, 27 de março de 2017

Ringo Starr anuncia turnê pelos Estados Unidos em 2017

Ringo Starr está de volta na estrada com sua All-Starr Band.
O ex-baterista dos Beatles e seu grupo anunciaram quase 20 datas, começando em 13 de outubro em Las Vegas e terminando quase um mês depois com um show em Newark. No meio, faram shows em Austin, Atlanta e Nova York, entre outras datas nos EUA.
Quase metade dos shows aconteceram como parte de um compromisso limitado no Planet Hollywood Resort & Casino em Las Vegas. Ringo e sua banda - que inclui Todd Rundgren, Gregg Rolie, Steve Lukather, Richard Page, Warren Ham e Gregg Bissonette - irá então para o Texas para 3 shows.
Por enquanto essas são as datas:
-13-14, 17, 20-21, 24, 27-28 de outubro- Las Vegas, NV Planet Hollywood Resort & Casino
-30 de outubro - El Paso, TX Abraham Chavez Theatre
-31 de outubro - Austin TX @ Moody Theater
-02 de novembro - Sugarland, TX @ Smart Sugarland Civic Center
-04 de novembro - Thackerville, OK @ Global Events Center at Winstar
-07-08 de novembro - Ft Lauderdale, FL @ Parker Playhouse
-11 de novembro - Atlanta, GA @ Fox Theatre
-12 de novembro - Norfolk, VA @ ODU Pavilion
-14 de novembro - Morristown, NJ @ Mayo Performing Arts Center
-15 de novembro - Nova Iorque, NY @ Beacon Theatre
-16 de novembro - Newark, NJ @ New Jersey Performing Arts Center

Colaboração: Beatle Ed o correspondente 24 horas do Canadá

domingo, 26 de março de 2017

Paul McCartney “Não importa, porque não estarei aqui”

Nesta quinta-feira (23), Paul McCartney esteve na BBC Radio 6 para falar, principalmente, sobre o relançamento de seu álbum “Flowers In The Dirt”, lançado originalmente em 1989.
Durante os pouco mais de 20 minutos de entrevista, porém, o músico ainda falou sobre outros assuntos: John Lennon, Chuck Berry, o que aprendeu com cada parceria musical e, de forma despreocupada, sobre como gostaria de ser lembrado pelas pessoas.
Depois de falar sobre o impacto de Chuck Berry, que faleceu no último sábado (20), foi perguntado a McCartney se ele pensa em como será lembrado, em relação a homenagens, como aconteceu recentemente com Bowie, Prince e Berry. Na resposta, o músico afirmou:

“Sabe, acho que todos pensam sobre isso, mas logo tiram da sua cabeça. Sabe, eu faço isso. Não costumo ir muito a fundo. E é engraçado, eu lembro de John, uma vez, preocupado se ele seria bem lembrado. E eu disse, ‘olhe para mim, você será muito lembrado. Você fez tantas coisas boas. De forma alguma alguém vai esquecer de você. Você foi ótimo’, mas foi engraçado, sabe. Ninguém pensava que John teria insegurança sobre isso. Mas acho que as pessoas costumam ter. Você pensa que vão pegar seus piores trabalhos e falar deles, ou vão pegar suas melhores criações, não sei. Felizmente, isso não vai importar, porque eu não estarei aqui. Mas eu quero cavalos pretos, pessoas chorando, bebendo [risadas]. Não, eu não me preocupo com isso”.
E que não tenhamos que pensar nisso por muitos e muitos anos, hein, Sir Paul McCartney?

fonte: Pop Cultura

Paul McCartney revela estar gravando álbum com produtor de Adele

Paul McCartney já está gravando seu novo álbum de estúdio, que será produzido pelo americano Greg Kurstin, responsável pelo hit "Hello", de Adele, e por vários  sucessos de outros artistas, inclluindo Sia, Kelly Clarkson e Ellie Goulding.
"Estou fazendo um novo álbum, o que é muito divertido. Estou no meio das gravações", revelou o beatle em entrevista no programa de rádio BBC 6 Music.
"Estou trabalhando com um produtor que eu trabalhei pela primeira vez há dois anos em uma música que estou fazendo para um filme de animação", acrescentou McCartney, que salientou o currículo premiado de Kurstin.
"Ele trabalhou com Beck e ganhou prêmio de melhor álbum do ano com ele. Em seguida, trabalhou com Adele, que acaba de receber os prêmios de canção do ano e álbum do ano, e ele ainda ganhou o prêmio de produtor do ano", lembrou Paul. "Minha única preocupação é que as pessoa pesem: 'Oh, o Paul agora está seguindo o 'hype'."
Ainda sem título nem data de lançamento, o próximo álbum de Paul McCartney será o primeiro trabalho de estúdio do músico desde "New", lançado em 2013.
Este será o décimo sétimo disco solo de Paul McCartney, que no fim de semana prestou um tributo ao ídolo Chuck Berry, que morreu no último sábado (18).
"Ele foi um dos maiores poetas do rock 'n' roll. Ele se foi mas será lembrado por todos que já amaram o rock 'n' roll", disse ele no Twitter.

Paul McCartney "Eu escrevi meus melhores sucessos no meu quarto"

Paul McCartney revelou que ele e John Lennon escreveram suas melhores músicas enquanto estavam sentados em frente um ao outro em camas de solteiro'.
A estrela dos Beatles lembrou momentos em que os dois vieram com melodias novas.
Perguntado sobre sua experiência de escrever música quando formou os Beatles nos anos 60 com Lennon, George Harrison e Ringo Starr, disse: "Há um milhão de maneiras de escrever, mas a maneira que sempre escrevia era com John e que seria em frente um ao outro, em um quarto de hotel sobre as camas individuais, com uma guitarra acústica e estávamos apenas olhando um para o outro.
"Ele inventaria algo, eu inventaria algo e acabaríamos por nos separar.
"É sempre a minha grande memória, é ver John lá, ele sendo destro, eu sendo canhoto, senti-me como se estivesse olhando no espelho."
Ele disse que a razão pela qual eles trabalharam tão bem juntos foi porque eles cresceram juntos e, portanto, "desenvolveram uma maneira de trabalhar".
Tal era seu gosto por esse método que, quando chegou a hora de escrever seu último álbum dos anos 80, Flowers In The Dirt, com Elvis Costello, fez o mesmo.
Falando com o DJ Matt Everitt na BBC Radio 6 Music, ele disse: "Mas foi uma ótima maneira de trabalhar e porque éramos crianças juntas, e nos conhecíamos desde a adolescência, tínhamos desenvolvido uma maneira de trabalhar Aquele seria um de nós começaria uma idéia, e o outro giraria fora dela.
"Obviamente, foi muito bem sucedido. Então essa era uma maneira que eu tinha aprendido a escrever e era a maneira que eu gostava de escrever e Elvis estava muito feliz de trabalhar assim. Então foi como uma repetição desse processo, e então ele era John, basicamente, e eu era Paul. '
A parceria de composição entre Lennon e Paul é uma das colaborações mais bem sucedidas da história.
A parceria foi diferente para a maioria dos outros em que tanto Lennon e Paul escreveram letras e músicas.
Falando em trabalhar ao lado de Lennon, Paul disse que "nunca poderia ter tido um melhor colaborador".
"Isso é apenas um fato", acrescentou.
- Então eu não tento escapar. Só sei que não há como encontrar alguém que escreva coisas melhores comigo do que escrevi com John.

Colaboração: Beatle Ed o correspondente 24 horas do Canadá

sábado, 25 de março de 2017

Morre Pete Shotton,grande amigo de John Lennon


Pete Shotton, o melhor amigo de John Lennon, que morreu aos 75 anos. 
Pensa-se que ele morreu de um ataque cardíaco em sua casa em Knutsford, Cheshire.
Pete frequentou a Dovedale Primary School e Quarry Bank High School ao lado de John Lennon, e mais tarde se juntou a John - como um tocador de washboard nos Quarrymen. 
Na escola, os amigos inseparáveis ​​passaram a ser conhecidos como "Shennon e Lotton" ou "Lotton e Shennon". 
Pete, com o apoio financeiro de seu amigo de longa data, comprou um supermercado em Hayling Island, perto de Portsmouth, e mais tarde fundou e construiu a bem sucedida cadeia de restaurantes Fatty Arbuckle, que vendeu no início de 2000. 
Pete o primeiro da esquerda para direita com John com o rosto virado 
Pete foi o co-autor do livro John Lennon: In My Life, que foi publicado em 1983, e mais tarde reeditado como The Beatles, Lennon And Me. 
Ele permaneceu perto de John durante o auge dos Beatles, e seu filho Phillip Gouldbourn, disse ao ECHO: "Uma coisa que ele estava realmente orgulhoso era que ele era às vezes a única pessoa, fora dos Beatles e do produtor, engenheiro e técnicos, que era permitido no estúdio com a banda quando estavam gravando. 
Pete apreciou mesmo um papel de compositor com os Fab Four. Ele contribuiu para a música de 1967, I am The Walrus depois de visitar John em sua casa, Kenwood, em Weybridge, Surrey. 

Enquanto ele estava montando a música juntos, John perguntou ao seu amigo de escola sobre uma cantiga infantil que costumavam cantar, e Pete lembrou-a como "Yellow matter custard, green slop pie/All mixed together with a dead dog’s eye/Slap it on a butty, 10 foot thick/Then wash it all down with a cup of cold sick."
John ficou inspirado por isso para escrever a linha: ""Yellow matter custard, dripping from a dead dog’s eye 
Phillip acrescentou: "Ele permaneceu perto de John até que Yoko Ono entrou em cena. Ele disse que ela o levou de ser uma estrela pop para um artista e ele respeitou isso e ficou no banco de trás. " 
Bill Harry, fundador do jornal Mersey Beat e amigo íntimo de John's no Liverpool College of Art, disse: "Pete era o amigo mais próximo que John jamais teve, além dos Beatles. John respeitou Pete porque ele se levantou para ele e poderia ser um pouco como John - um pouco sarcástico e temperamental. John pediu a Pete conselhos em muitas coisas, e sua amizade de escola continuou nos anos 60.E eu sei que eles se encontraram em Nova York na década de 70." 
Depois de deixar a escola, Pete tornou-se um cadete da polícia, mas isso não deu certo.
Bill acrescentou: "John colocou-o na estrada em seu negócio e Pete, que tinha uma personalidade muito ativa, tornou-se um empresário tremendamente bem sucedido." 
E Carl Cookson, que era amigo e vizinho de Pete em Knutsford, disse: "Ele era um homem modesto e despretensioso - uma pessoa realmente calorosa e agradável". 

Colaboração: Ivan Moldes

fonte: Liverpool Echo  

sexta-feira, 24 de março de 2017

Liverpool vai comemorar os 50 anos de 'Sgt Pepper’s

A cidade de Liverpool, onde os Beatles começaram sua carreira em 1960, anunciou planos para comemorar os 50 anos do álbum "Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band", lançado no dia 1 de junho de 1967.
Treze artistas foram convidados para criar obras em homenagem às treze faixas do histórico álbum. Também haverá diversos eventos pela cidade para comemorar a data.
O artista britânico Jeremy Deller, vencedor de um Turner Prize — premiação destinada aos novos desenvolvimentos e contribuições para a arte contemporânea —, criou duas obras de arte que simbolizam "a amizade e o sacrifício voluntário", temas da canção "With a little help from my friends". Outro artista, cujo nome ainda não foi divulgado, irá fazer um show no dia 9 de junho como parte das homenagens.
Como o álbum é divido entre lado A e B, as comemoração serão dividas em duas partes. A primeira acontecerá do dia 25 a 27 de março, e depois a programação voltará entre os dias 1 e 5 de junho. Já a segunda parte rola entre os dias 8 e 11 de junho, mas apenas no dia 16 de junho a comemoração terá seu fim, e será centrada na última faixa do álbum, "A Day in the Life".
O prefeito de Liverpool, Joe Anderson, comentou sobre os planos para marcar a data: "O álbum inspirou fronteiras criativas e nós queremos fazer a mesma coisa. Esse festival tem como objetivo levar a arte contemporânea para o mainstream, e dar um ar atrevido, instigante e divertido para a cidade."

Colaboração: Eric Bourgouin o correspondente na estrada do Canadá

quarta-feira, 22 de março de 2017

Paul McCartney lança demo inédita de This One e fotos exclusivas do Flowers in the Dirt

Nos anos 80, Paul McCartney tornou-se o mais prolífico membro solo dos ex Beatles.
Durante a década, ele lançou sete álbuns, que incluiu Pipes of Peace (1983) e Give My Regards to Broad Street  (1984).
Mas como ele estava se preparando para ir em sua primeira turnê solo e sua primeira grande turnê ao vivo em uma década, McCartney queria novas músicas para tocar em seu set.
Uma dessas canções foi This One.
E você pode ouvir a versão demo de 1988 da canção abaixo:
Para a música e o álbum resultante, Flowers in the Dirt - o oitavo estúdio solo de McCartney - ele se uniu a Elvis Costello.
O trabalho começou com canções em 1987, com alguma apreensão, parece que McCartney teria dito a sua banda que ele não iria sair em turnê, a menos que ele realmente gostasse do álbum.
Colaborando com, entre outros, o guitarrista do Pink Floyd David Gilmour, os produtores George Martin, Trevor Horn e David Foster, McCartney surgiu com uma coleção de canções que era mais animada do que qualquer coisa que ele tinha feito em anos.
Gravado principalmente no estúdio Hog Hill Mill de McCartney em East Sussex, o álbum foi lançado em junho de 1989 e canções como Figure of Eight, Put It There, This One e My Brave Face  tornaram-se favoritos na lista de turnês.
Olhando para trás, McCartney lembra: "Você está sempre pensando, 'Vamos pegar algumas músicas novas e levá-las em turnê' e você espera que suas novas músicas vão funcionar.
"Eu acho que principalmente porque estamos saindo em turnê, nós provavelmente tomamos um pouco mais de cuidado sobre estas"
"Concentramo-nos no tipo de que as músicas eram, e provavelmente um pouco mais do que nós costumávamos usá-las."
"Algo como My Brave Face que seria uma música que ninguém sabia no início da turnê e, em seguida, todo mundo sabia no final e foi o ponto alto de toda a turnê."
My Brave Face, que McCartney co-escreveu com Costello, foi o seu último hit top 40 na Billboard Hot 100 até a sua colaboração com Kanye West, em 2015.
Em setembro de 1989, a turnê mundial foi lançada, e foram mais de 100 shows em 14 países.
Um desses shows estabeleceu o recorde mundial para a maior audiência de um show para um artista solo. Mais de 184 mil pessoas compareceram ao show de McCartney no Estádio Maracanã, no Brasil.
A reedição do álbum inclui as músicas  You Want Her Too, Don't Be Careless Love e That Day Is Done.
"Eu não tinha escutado as em anos, mas quando eu sabia que eu tinha que colocá-las pra fora.
"Fizemos uma pequena fita delas e os enviamos para Elvis, que também amava. Nós dissemos que devíamos colocar um EP ou algo assim e agora o momento finalmente chegou. "
As sessões de Flowers in the Dirt viram o retorno do baixo de Hofner de McCartney pela primeira vez em anos, mas não foi sua própria idéia.
Como McCartney explica, foi Costello que sugeriu que ele tocasse o instrumento durante suas sessões de composição.
Foi uma sugestão que McCartney lembra como "incomum" porque ele pensou que ele "tinha superado".
"Eu me resignei a não trabalhar com ele novamente porque não é muito preciso, mas [Costello] disse: 'Oh, eu adoro o som, e você deve ser capaz de obtê-lo em sintonia.
"Foi um pouco como puxá-lo para fora da naftalina.
"Mas quando eu comecei a tocá-lo novamente e nunca realmente olhei para trás. É ótimo que Elvis me incentivou a tirar isso. "
O álbum passou a ser nomeado para Brit e Grammy Awards.
A reedição de Flowers in the Dirt chega em 24 de março.

fonte: The Telegraph UK (more photos)

terça-feira, 21 de março de 2017

Paul McCartney fala sobre Chuck Berry

Paul sobre a passagem de Chuck Berry:
"Chuck Berry infelizmente faleceu durante o fim de semana Ele foi um dos maiores poetas do rock 'n' roll Ele fará falta, mas será lembrado por todos que amaram rock 'n' roll.
"Desde o primeiro minuto que ouvimos a grande introdução de guitarra para 'Sweet Little Sixteen', nos tornamos fãs do grande Chuck Berry, suas histórias eram mais como poemas do que letras - como 'Johnny B Goode' ou 'Maybellene'. Ele era um mágico fazendo música que era exótica, mas normal ao mesmo tempo. Aprendemos tantas coisas dele que nos levou a um mundo de sonho da núsica do rock 'n' roll.
"Chuck foi e é para sempre será uma das maiores lendas do rock 'n' roll em todo o mundo.Eu tive o privilégio de conhecê-lo em sua cidade natal, St Louis, quando eu toqueei lá em turnê e é uma memória que vou estimar para sempre. Realmente possível resumir o que ele significava para todos nós rapazes crescendo em Liverpool, mas eu posso dar-lhe uma tentativa.

Vida longa ao rock n roll!

Amo você Chuck.
Paul"

domingo, 19 de março de 2017

Chuck Berry, lenda do rock, morre aos 90 anos

O músico Chuck Berry, um dos pioneiros do rock, morreu neste sábado (18) aos 90 anos no Missouri, nos Estados Unidos, informa a polícia local do condado de St. Charles. O guitarrista lendário foi encontrado em sua casa já sem sinais vitais. A causa da morte ainda não foi revelada.
“O departamento de polícia do condado de St. Charles infelizmente tem de confirmar a morte de Charles Edward Anderson Berry Senior, melhor conhecido como o lendário músico Chuck Berry”, afirma a polícia, em nota. De acordo com os oficiais, a família pede “privacidade durante esse momento de perda”.
"A polícia respondeu a um chamado médico de emergência em Buckner Road às aproximadamente 12h40 [horário local] de hoje", afirmou a instituição. "Dentro da casa, socorristas observaram um homem que não respondiam e imediatamente administraram técnicas salva vidas. Infelizmente, o homem de 90 anos não pôde ser ressuscitado e foi pronunciado morto às 13h26."
Ídolo dos Beatles e dos Rolling Stones, Chuck Berry era conhecido por clássicos como "Johnny B. Goode", "Sweet little sixteen" e "You never can tell". Esta última música ganhou destaque nos anos 90 por causa de uma das cenas mais famosas de "Pulp fiction", do diretor Quentin Tarantino. Também gravou "Maybellene" e "Roll over Beethoven" e "Memphis, Tennessee".
Lenda
Nascido em 18 de outubro de 1926, em Saint Louis, também no Missouri, Berry dizia emular "a clareza vocal suave de seu ídolo, Nat King Cole, enquanto tocava músicas de blues de gente como Muddy Waters", descreve a biografia em seu site oficial. Berry foi o quarto dos seis filhos de um empreiteiro e de uma diretora de escola.

Ele aprendeu a tocar guitarra durante o colegial, quando passava por uma fase rebelde. Tanto que foi preso por tentativa de roubo. Depois, chegou a trabalhar em uma linha de montagem de fábrica da General Motors.
Berry passou a se dedicar exclusivamente à música nos anos 1950, quando formou um trio com um baterista, Ebby Harding, e um tecladista, Johnnie Johnson. Ele atingiu sucesso em 1955 quando conheceu a lenda do blues Muddy Waters e o produtor Leonard Chess em Chicago, e passou a misturar estilos do country e do blues do sul dos EUA com uma pegada pop, mais palatável para as rádios.
Chuck Berry foi a maior influência das bandas como Beatles e Stones,onde os Beatles gravaram várias músicas como Johnny Be Goode,Carol,Memphis Tennessee e Rock'n'Roll Music.
Se rock existe,Chuck Berry foi uns dos maiores responsáveis e influências de todas as gerações.
HAIL HAIL ROCK'N"ROLL,CHUCK BERRY FOREVER!

fonte: Globo/G1 ou CNN

A ocasião em que Ringo Starr saiu da banda

foto Henry Grossman
Os Beatles, oficialmente, nunca tiveram baixas em sua formação. Desde que se consolidaram com John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, o quarteto não se separou até o fim do grupo, em abril de 1970
No entanto, não é segredo para ninguém que as tensões internas fizeram com que integrantes passassem muito perto de sair dos Beatles. Ringo Starr, em 1968, e George Harrison, no ano seguinte, chegaram a deixar a banda por algum tempo, mas logo retornaram.
Ringo Starr ficou fora da banda por cerca de duas semanas, entre o dia 22 de agosto e 4 de setembro de 1968. Na ocasião, a banda estava registrando o famigerado "White Album".
Em entrevista concedida ao livro "Anthology", Ringo Starr relembra o ocorrido:
"Senti que não estava tocando muito bem e que, enquanto os três outros músicos estavam muito felizes, eu não estava. Fui visitar John (Lennon), que estava morando em meu apartamento em Montagu Square com Yoko (Ono) desde que saiu de Kenwood. Eu disse: 'estou saindo da banda porqu não estou tocando bem e não me sinto amado e dentro disto, enquanto vocês três estão próximos'. E John disse: 'eu pensei que eram vocês três!'", disse.
Ele complementa: "Fui até Paul (McCartney), bati na sua porta e disse a mesma coisa. E ele também respondeu: 'eu pensei que eram vocês três!'. Nem me incomodei de ir até George (Harrison). Apenas falei: 'estou tirando uma folga'. Levei meus garotos para Sardenha".
A razão da saída
O motivo da saída de Ringo Starr nunca ficou claro, justamente, porque não foi só por um caso específico. Foi um conjunto de situações, agravadas pelo clima pesado que já rondava os Beatles naquele período, bem como o desgaste gerado pelos seis anos de trabalho intenso.
O engenheiro de som Peter Vince relembrou, em entrevista ao livro "The Beatles Recording Sessions: The Official Abbey Road Studio Session Notes, 1962-1970", que as desavenças entre os músicos eram evidentes.
"As coisas estavam ficando complicadas nas sessões dos Beatles naquela época. O pessoal do estúdio era convidado a se retirar. Eles diziam, 'vá tomar um lanche' ou 'vá beber alguma coisa' e você sabia que era porque eles teriam discussões pesadas e não queriam ninguém por perto", disse ele.
A gota d'água ocorreu quando a banda gravava "Back In The U.S.S.R.", composição de Paul McCartney. Naquela ocasião, os Beatles ficaram das 19h até 4h45 da manhã seguinte em estúdio. Houve uma pesada discussão, mas, até hoje, não se sabe exatamente o conteúdo da briga.
Ringo e Maureen chegando em Sardenha 22 de agosto de 1968
O período de ausência
Fato é que Ringo Starr realmente abandonou a banda. A primeira atitude após sair dos Beatles foi viajar para a ilha de Sardenha, com o iate que pegou emprestado de seu amigo, o ator Peter Sellers.
Starr não ficou afastado da música ao longo desses dias fora dos Beatles. No período, ele compôs a música "Octopus's Garden", que seria lançada, futuramente, no disco "Abbey Road" (1969).
Trabalho a se fazer
Mesmo sem Ringo Starr, o trabalho precisava ser feito. Os Beatles estavam no meio das gravações do "White Album" e, naquele momento, não quiseram revelar para ninguém que Starr estava fora. Sentiram que ele poderia voltar após uma boa conversa.
Neste período, os Beatles gravaram duas músicas com Paul McCartney na bateria: "Back In The U.S.S.R." e "Dear Prudence". Apesar da boa performance de McCartney, eles viram que precisariam de Ringo Starr.
O retorno
O trio enviou um telegrama a Ringo, pedindo o seu retorno. Eles disseram, no texto, que o achavam o melhor baterista de rock n' roll do mundo inteiro e que o amavam.
Dono de um coração mole, Ringo Starr aceitou voltar. Retornou no dia 4 de setembro, a tempo de participar dos clipes promocionais de "Hey Jude" e "Revolution".
No dia seguinte, Starr foi ao estúdio Abbey Road e encontrou seu kit de bateria decorado com flores que diziam: "Welcome back, Ringo" ("Bem-vindo de volta, Ringo"). A obra artesanal de floricultura foi de autoria de George Harrison.
"Todos nós precisávamos daquele chacoalhão. Quando voltei, me senti bem comigo mesmo, superamos aquela pequena crise e tudo foi ótimo", afirmou.
Texto Igor Miranda

sexta-feira, 17 de março de 2017

O single Back Off Boogaloo de Ringo Starr completa 45 anos

"Back Off Boogaloo" é um single lançado por Ringo Starr no dia 17 de março de 1972.A canção foi um sucesso nos EUA alcançando o 9º lugar no USA Hot 100 e alcançando a melhor posição no UK Singles Chart, onde alcançou a posição o 2º lugar, bloqueada apenas pela versão de" Amazing Grace" da Royal Scots Dragoon Guards'.
Esta é uma das poucas músicas exclusivamente escritas por Ringo Starr. Ele compôs a música mesmo, mas George Harrison produziu (e tocou guitarra nela). O lado B é a música "Blindman".
O vídeo promocional mostra Ringo andando em torno de uma estrutura ao ar livre enquanto é seguido por um monstro de Frankenstein.Ringo finalmente percebe o monstro e o abraça e passa o resto do dia juntos. Um monstro semelhante foi retratado na capa do single.

O single original foi incluído nos anos 90 numa re-edição do álbum Goodnight Vienna de 1974.A canção foi refeita por Ringo,em um novo arranjo, em 1981 e incluída em seu álbum Stop and Smell the Roses da RCA.
Origem da música
Em uma entrevista de 1977, Ringo explicou que a frase "Back Off Boogaloo" foi inspirado quando ele e o músico (e amigo) Marc Bolan tiveram um jantar numa noite, e Bolan usou a palavra "boogaloo" várias vezes em suas frases.Ringo disse que, após o jantar, quando ele estava meio acordado, meio dormindo, o ritmo e a melodia para a canção ficaram preso em sua cabeça. Ele foi procurar um gravador para gravar a canção, mas teve problemas quando todos os gravadores de fita ou seus estavam quebrados ou não tinham pilhas, acrescentando: "Então, eu roubei pilhas dos brinquedos das crianças e eu começei a música."Ringo também reiterou esta história em 1998 para o VH1 Storytellers. Isto estaria em contradição com uma lenda popular de que "Boogaloo" era um apelido para Paul McCartney e que a música era a mensagem de Ringo para Pauk McCartney para "se afastar" das ações e voltar a fazer boa música (como a letra diz: "me dê algo saboroso" ).

fonte: Wikipedia

quinta-feira, 16 de março de 2017

Paul McCartney divulga demo inédita de “Distractions”

Nesta quarta-feira (15), Paul McCartney decidiu surpreender seus fãs com uma demo nunca antes ouvida da canção ‘Distractions’, parte do álbum “Flowers In The Dirt”, lançado em 1989.
A versão fará parte do relançamento remasterizado do disco, que na versão Deluxe contará com, além desta demo, diversos materiais extras das gravações, incluindo fotos e documentos pessoais de McCartney.
Ao site da revista NME, o baixista contou: “Eu a elaborei nesse tema, é como alguém desejando passar mais tempo com o seu amado. E vocês sabem que para mim, naquele momento, era sobre Linda. Mas as pessoas frequentemente perguntavam para mim, ‘Sobre quem você escreveu essa música?’ e mesmo que eu tenha escrito especificamente sobre a Linda – porque ela era o objeto da minha afeição – eu gostei da ideia de que isso também pudesse ser algo como um sonho de um romance. Poderia ser como um ideal – todos nós amamos alguém e desejamos passar mais tempo com esta pessoa”.
Além de ser publicada no Youtube, “Distractions” também já está disponível para download gratuito no site do músico. Basta digitar seu e-mail e responder a pergunta que aparece na página.

Colaboração: Beatle Ed o correspondente 24 horas do Canadá

fontes: Pop Cultura ou NME