sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Ringo Starr fala sobre o novo álbum, Beatles e Paul McCartney

Para o seu 19º álbum solo, Ringo Starr planejou gravar seu primeiro álbum country desde 1970 Beaucoups of Blues.convidando velhos amigos como Peter Frampton, Dave Stewart, seu cunhado Joe Walsh e Paul McCartney para colaborar. "Ele terminou como um álbum regular do Ringo com uma balada, uma música country, uma música de rock", diz o baterista, cujo novo álbum, Give More Love, será lançado em 15 de setembro. "Sempre é muito casual. Com o Pro Tools, você não precisa de todo esse espaço como o que tivemos na Abbey Road. Às vezes, o cão vai latir e acaba na faixa". Ringo, de 77 anos, está se aproximando do seu 30º ano, liderando sua All-Starr Band, cuja longa formação inclui Steve Lukather (Toto), Gregg Rolie (Journey, Santana), Richard Page (Mr Mister) e Todd Rundgren.A turnê de outono da banda inclui uma em Las Vegas em outubro.
Como Paul acabou participando das sessões para o novo álbum?
Bem, eu acabei de chamá-lo e disse: "Recebi esta música chamada 'Show Me the Way', e eu quero que você toque nela." Porque ele é muito bom meu amigo, ele disse que ele viria para L.A. para isso. É sobre [minha esposa] Barbara. Ela me mostra o caminho. Eu queria que fosse muito pessoal. Enquanto ele estava lá, ele também tocou em "We're on the Road Again". Isso foi muito gentil dele.
Vocês dois ainda soam bem juntos.
Ele é um músico incrível. Ele é incrível ao cantar também e como compositor, mas para mim, como baixista, ele é o melhor e o mais melódico. É sempre divertido quando estamos tocando juntos. Eu toquei em vários de seus discos, principalmente nos anos 90. As pessoas continuam a dizer: "Oh, tem sido tão longo". Não foi tão longo. Nós fizemos os Grammys, fizemos esse show dos Beatles há três anos. Então, ainda somos amigos, mas não vivemos no bolso um do outro.
Há algumas músicas country no álbum que me lembram de Beaucoups of Blues. Quais são as suas lembranças desse tempo em sua vida?
Fui a Nashville e fizemos isso em dois dias. Eu fiz isso porque Pete Drake veio para a Inglaterra para tocar [pedal steel] no disco di George [All Things Must Pass] e eu estava tocando [bateria] nisso. Eu enviei meu carro para pegá-lo e ele notou que eu tinha muitas fitas country. Ele estava falando comigo sobre chegar a Nashville para fazer um disco e ele vai produzir. Eu estava pensando que não queria passar meses em Nashville. Ele disse: "O que você está falando? Nashville Skyline levou dois dias". Então eu fui para Nashville e cheguei lá na segunda-feira, fizemos o disco na terça-feira, quarta-feira e deixei quinta-feira. E foi assim que fizemos isso! Cinco músicas por dia!
Em "Electricity", você dá um grito ao Johnny Guitar, da sua banda pré-Beatles Rory Storm and the Hurricanes.
Quando mudei meu nome para Ringo, ele mudou o seu para Johnny Guitar. Eu tinha deixado [o meu trabalho na] fábrica, e este foi o primeiro trabalho real como músico. Tenho ótimas lembranças de estar naquela banda. Se você olhar para trás em meus discos recentes, sempre há alguma menção de Rory neles. Eu não quero escrever o livro - eu escrevo isso em músicas. Se você quiser ler meu livro, você terá que comprar 15 CDs e juntar tudo.
Em sua nova música "Laughable", que você co-escreveu com Peter Frampton, você canta "Isso seria risível se não fosse tão triste". Presumo que você esteja falando sobre Trump? 
Bem, você sabe que eu não sou político. Peter Frampton adicionou essa linha. Tivemos discussões onde ele queria que as palavras fossem mais políticas. E eu estava contra isso, e é meu disco para que você saiba o que é o que eu faço. Eu dirijo isso. Mas eu senti que ainda dissemos as mesmas coisas e entendeu que seria risível se não fosse assim dito. Mas não, eu não vou mencionar pessoas e festas porque sinto que podemos fazer isso de uma maneira muito melhor.
Sua bateria soa mais alto que nunca na nova edição remixada do Sgt Pepper.
Está! Giles [Martin, filho de George Martin] me transformou. Eu amo isso! Não conseguimos fazer isso nos anos 70. Se alguma coisa, quando estávamos dominando, estávamos tirando o fundo o tempo todo, e o fundo era o meu grave da bateria Você deve ir ao show Love [em Las Vegas]. É como boogie de bateria. Está tão longe.
Qual o papel que você tomou ao reunir a nova edição do Sgt Pepper?
Giles remasterizou isso, eles me enviaram e eu disse que adorei. Há outro CD de bônus com bits diferentes - o piano grande que todos nós tocamos por aquela acorde [em "A Day in the Life"]. Isso é tão interessante, mesmo para mim, quem está na maldita coisa. Eu simplesmente amo isso. É um pouco como Eight Days a Week [documentário] que Ron Howard fez. Eu estava tão emocionado emocionalmente olhando isso, e eu estou dentro disso, pelo amor de Deus.
Foi interessante ver um filme dos Beatles que se concentrou apenas na suas turnês.
Ele apenas nos mostrou como quatro rapazes. Nós sempre fomos preparados para tocar em estádios porque não podíamos tocar shows regulares. Paramos de fazer turnês porque sentimos que não estávamos tocando bem. Eu não podia ouvir o que os outros três estavam fazendo. Eu teria que olhar para suas ações e ir, "Oh, sim, nós entramos naquela parte agora". Então, nós dividimos, é claro. Mas acho que [fazer turnês] faz parte de nós quatro - é o que sempre gostamos de fazer.
Vai  ser lançado as edições de luxo dos outros álbuns?
Espero que façam o White Album e Abbey Road.
Que tal Revolver e Rubber Soul?
Eu não sei. Vamos dizer sim! [Risos] Se não o faz, me perdoe.
Você está saindo com a All-Starr Band neste outono. Você ainda quer fazer isso em três anos quando você entra em seus 80 anos?
Sim, eu amo isso. É o que eu faço. Enquanto eu puder segurar as baquetas, podemos aguardar por muito tempo.

Colaborações: Eric Bourgouin o correspondente na estrada do Canadá e Claudia Tapety a fã nº 1 de Paul McCartney

2 comentários:

  1. espero que ele venha mais uma vez ao Brasil, de preferencia no Rio de Janeiro. estou aguardando Ringo !!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Sim também e no Vivo Rio que é um bom lugar

      Excluir