terça-feira, 12 de março de 2019

O baterista Alan White reflete sobre seus anos tocando com John Lennon e George Harrison

No programa Top Of The Pops em 1970
Antes de entrar para a banda de rock progressivo Yes,o baterista Alan White tocou com John Lennon e George Harrison e nessa entrevista com a Rolling Stone ele relembra essa fase:
Tenho certeza de que você contou muito essa história, mas me conte como conheceu John Lennon.
A primeira coisa que ouvi dele foi um telefonema quando ele me pediu para tocar no Live Peace em Toronto. Basicamente, ele me ligou do nada. Eu tinha minha própria banda e todos nós vivíamos na mesma casa em Londres, como muitas bandas faziam na época. Eu estava cozinhando alguma coisa na cozinha como um guisado e o telefone tocou. Era John, mas eu não percebi isso então. Eu pensei que era um amigo tentando brincar comigo, então eu desliguei o telefone. Eventualmente eu recebi uma ligação de volta e ele me disse que iria fazer um show em Toronto e se eu estava disponível para tocar bateria e ele poderia enviar um carro para me pegar na manhã seguinte.
Eu disse: "Claro." E então lá estava. O carro chegou. Eu fui ao aeroporto. Foi onde eu conheci John na sala VIP em Heathrow. Havia John e Yoko e Klaus Voormann. Eu era bem jovem, tinha cerca de 20 anos e fiquei um pouco chocado por saber onde estava. Ao mesmo tempo, eu parecia estar lidando com isso como se fosse outro dia por algum motivo. Então ele disse: “Ah, eu esqueci de te dizer que Eric Clapton vai tocar.” E então Eric saiu do banheiro e basicamente nós entramos no avião e ensaiamos lá. Eu tinha um par de baquetas tocando a parte de trás do assento na minha frente e eles estavam tocando.
Nós saímos e fomos para o show. Havia muitos fãs seguindo o carro e todo esse tipo de coisa. Então chegamos ao palco do Live Peace na frente de 25.000 pessoas. Então comecei a perceber que estava realmente acontecendo. Foi uma loucura de dois dias para mim.
 Alan White(sentado),Eric Clapton (sentado),Klaus Voorman,John e Yoko
Como John soube de você?
Pelo que eu acho acredito que ele estava em um clube e ele me viu tocar, mas eu não sabia que ele estava lá.
Quais são as suas memórias mais claras do show de Toronto?
Chegamos ao estádio e eu saí para ver a multidão e quem estava tocando e Little Richard estava no palco com uma enorme e grande banda. Isso foi incrível. Nos bastidores havia pessoas correndo como Gene Vincent. Foi realmente surreal por um tempo. Eu me lembro de John estar muito nervoso, já que foi a primeira coisa que ele fez desde que deixou os Beatles, ou estava prestes a deixar os Beatles. Ele estava no processo naquele momento. A próxima coisa que eu sei, nós fomos ao palco. Eles tinham um tambor e não havia bateria. Eu disse: "Oh, isso não vai ser bom". Eric conectou sua guitarra e eles construíram um kit de bateria ao meu redor enquanto eu estava sentado lá. De repente, as baquetas foram jogadas na minha mão e John contou: "1, 2, 3 ..." E nós estávamos no primeiro número. Foi tudo uma espécie de flash em uma panela.
 No programa Top Of The Pops em 1970
Quais são suas memórias da gravação de Imagine com John?
Eu esqueci quanto tempo passou depois de Toronto, mas recebi uma ligação da Apple dizendo que John queria que eu me envolvesse com o novo álbum que ele está fazendo. Eu fui levado para a casa de John e a próxima coisa que sei é que estava no estúdio e estávamos ensaiando as músicas. John passou a letra para que todos pudéssemos ler antes de gravarmos. E ai estava eu. Eu entrei nisso e fiz meu trabalho como sempre fazia no estúdio. Minha principal coisa era tocar o que era necessário para as músicas. Evidentemente, John gostou muito do que eu estava fazendo.
A coisa toda era realmente como estar em uma família. Depois de ser aceito na família e nos amigos dos Beatles, é muito gratificante. Eu conheci todas as pessoas ao redor dos Beatles. George chegou lá um dia. Nós costumávamos jantar naquela comprida mesa de madeira todas as noites ao mesmo tempo e eu conhecia George. A próxima coisa que eu sei, ele me pediu para tocar em All Things Must Pass.
Havia alguns bateristas envolvidos com o Imagine. Jim Keltner tocou em "Jealous Guy". Eu toquei vibrafone nisso. Na música “Imagine”, isso foi muito mágico. Nós gravamos a música e passamos por ela algumas outras vezes. Então nós demos uma escuta de volta. Eu lembro que a música começou com a bateria no começo da música e a banda tocando. John tocou tão bem sozinho no piano que eu disse: "Por que você não faz o primeiro verso assim?" Ele disse: "Essa é uma boa idéia". Ele disse: "O que você acha, Phil [Spector] ? ”A próxima coisa que você sabe, nós tentamos assim e John manteve.
 No festival em Toronto em 1969
Você reconheceu essa música como brilhante quando fez isso?
Oh claro. Quando fizemos o acompanhamento, não tenho certeza de quantos takes fizemos. Eu acho que no livro eles disseram nove, mas eu pensei que eram apenas quatro ou cinco. Eles eram todos mágicos, mas eu me lembro do take que foi realmente usado no álbum. Eu lembro que isso foi muito especial. Todos nós olhamos em volta e dissemos: “É isso. Isso é perfeito. ”Havia muita sensação na sala que era um pouco mágico.
As sessões de All Things Must Pass foram muito diferentes?
Sim. Esse foi um grupo maior. Foi o grupo de Delaney e Bonnie, George e Eric. Havia muitas pessoas no estúdio todos os dias por cerca de três semanas. Quando todos chegamos lá, decidimos quem estava tocando o quê. George diria: "Um de vocês toca bateria". É assim que cortamos muitas dessas faixas.

source: Rolling Stone

4 comentários: