domingo, 28 de novembro de 2010

O álbum All Things Must Pass faz 40 anos parte 1

All Things Must Pass é um álbum triplo de George Harrison, gravado e lançado no dia 27 ou 30 de novembro de 1970 após a dissolução dos Beatles.O primeiro álbum triplo de um artista solo, o lançamento do vinil original contava com dois discos de canções de rock, enquanto o terceiro LP, intitulado "Apple Jam", era composto de jam sessions liderado por Harrison com amigos músicos e músicos famosos.(foto abaixo)
Ele foi certificado de 6 vezes de platina pela RIAA, tornando-o mais vendido de todos os álbuns solo dos Beatles.
Em 2003, a Rolling Stone classificou All Things Must Pass como # 437 em sua lista das "500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos".
História
Antecedentes
O derramamento da riqueza de material sobre All Things Must Pass levou muitos críticos de surpresa, com Harrison ter sido ofuscado pelo talento de John Lennon e Paul McCartney, apesar do fato de que algumas de suas inclusões no período dos Beatles ("While My Guitar Gently Weeps "," Something "e" Here Comes the Sun ") foram saudados como destaques de seus respectivos álbuns. Por conseguinte, como Harrison só tinha sido permitido algumas canções em um álbum dos Beatles,ele tinha acumulado muitas composições de outra forma não utilizada por ocasião da sua dissolução, permitindo-lhe lançar muitos deles no All Things Must Pass.
Harrison vinha acumulando as canções que ele gravou para o álbum, já em 1966, ambas de "The Art of Dying" e "Isn't It a Pity", data a partir daquele ano. Em conversa pirata das sessões de Get Back, Harrison revelou que John tinha rejeitado "Isn't It a Pity" três anos antes, e que ele (Harrison) examinou a oferecer a música para Frank Sinatra.Harrison pegou várias outras canções no final de 1968 durante a visita de Bob Dylan e The Band em Woodstock,em Nova York. Ele e Dylan escreveu: "I'd Have You Anytime" e "Nowhere to Go" (também conhecido como "When Everybody Comes to Town"), neste momento, e Dylan mostrou-lhe "I Don't Want to Do It". Todas as três músicas foram tentadas em algum ponto nas sessões para o All Things Must Pass, mas apenas "I'd Have You Anytime" entrou no álbum.
Em janeiro de 1969 nas sessões para o Get Back viram primeiras aparições de várias outras músicas que seriam consideradas para All Things Must Pass, incluindo a faixa título, "Hear Me Lord", "Isn't It a Pity", "Let It Down", e "Window, Window", mas nada saiu na época.O clima de tensão alimentou outra canção, "Wah-Wah", que Harrison escreveu, na sequência da sua saída temporária da banda.
Ele começou a escrever "My Sweet Lord", enquanto em turnê com Delaney & Bonnie, no final de 1969,e viria a utilizar o seu grupo de apoio "amigos" como uma parte importante no som do All Things Must Pass. Ele fez um desvio passado, antes de começar a trabalhar no All Things Must Pass, visitando Dylan enquanto o segundo estava começando as sessões para New Morning em maio de 1970, a aprendizagem "If Not For You" e participar de uma sessão agora pirata.
As sessões de gravação
Gravado entre 26 de maio e agosto de 1970 no Abbey Road Studios, e posteriormente a gravação e mixagem no Trident Studios, de agosto a setembro de 1970, Harrison contou com a ajuda de Phil Spector para co-produzir o álbum, dando All Things Must Pass um som pesado e com muito reverb, típico de uma produção de Spector 1960s/1970s - mas um som do Harrison seria posteriormente arrependido com o passar do tempo. No kit de imprensa que acompanha a reedição do  30º aniversário,George é perguntado o que ele pensa do álbum agora 30 anos depois e ele diz: "... muito eco."
No final de maio de 1970, antes da gravação do álbum, Harrison sentou-se em um estúdio com Spector e percorreu quinze músicas no violão folk,com o apoio ocasional de um baixista desconhecido.Estas demonstrações (eventualmente como pirata Beware of ABKCO! Devido a uma linha alterada em sua performance de "Beware of Darkness") mostrou-lhe no processo de pesagem seu material, sendo que oito das canções seria ou substancialmente reformulados ou não aparece no álbum acabado.
Entre esses outtakes iniciais,três foram oficialmente lançados de uma forma ou de outra: "Everybody, Nobody", foi uma primeira versão de "The Ballad of Sir Frankie Crisp", "Beautiful Girl" seria terminado para o álbum 33 e 1/3, e "I Don't Want to Do It" teria que esperar quinze anos até ser revisitado para a trilha sonora de A Vingança de Porky's.Cinco outras canções, "Cosmic Empire", "Mother Divine", "Nowhere to Go", "Tell Me What Has Happened With You", and "Window, Window", ainda não viram um lançamento oficial.Juntamente com outras faixas como "Gopala Krishna" e "Dehradun" que não tiveram o corte final.Dois demos de canções que fizeram do álbum, "Beware of Darkness" e "Let It Down" (com overdubs de 2000), acabaria por ser lançado no remasterizado All Things Must Pass.Vários discos com outtakes das sessões de gravação também vazaram em bootlegs, anos mais tarde, e algumas dessas faixas também foram incluídos na remasterização.Vários takes de músicas do álbum aparecem em uma caixa com três discos piratas chamado The Making of All Things Must Pass, juntamente com outros lançamentos.
(esquerda para direita) Ringo Starr, Pete Drake, Phil Spector e George Harrison

O álbum conta com os talentos de Ringo Starr,os membros do Badfinger,Eric Clapton e os outros membros do Derek and the Dominos, o futuro baterista do Yes, Alan White,os tecladistas Billy Preston, Gary Brooker e Gary Wright e Pete Drake na guitarr de slide (foto acima-baixo).Um jovem, pré-Genesis chamado Phil Collins tocou bongô em "Art of Dying", mas não foi creditado na versão original (este foi fixado na remasterização de 2001). Bob Dylan, um grande amigo de Harrison, co-escreveu "I'd Have You Anytime" com ele, quando Harrison aprendeu com Dylan "If Not For You", que havia sido recentemente lançado no novo álbum de Dylan.Alan White afirma que John Lennon podia ter tocado em "If Not For You".Embora sem créditos, Maurice Gibb também esteve presente na sessão de gravação e de ter sido amigo de Ringo Starr, e tocou teclados em "Isn't It a Pity ", embora não haja evidências definitivas sobre qual versão.
Bobby Whitlock lembra uma atmosfera jovial e de colaboração nas sessões, como George Harrison "incluídos todos em tudo o que fez porque não havia suficiente para todos."
(Peter Bennett gerente de promoção da Apple Records,Phil Spector e George Harrison escutando a mixagem final de All Things Must Pass)

Nenhum comentário:

Postar um comentário