sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Paul McCartney chega ao Top 10 da Billboard com "Come On to Me"


"Come On to Me", o single principal da "Egypt Station" do próximo mês, sobe de 12 para 6.
Pela primeira vez em mais de duas décadas, Paul McCartney está entre os dez maiores da lista de músicas da Adult Alternative Songs da Billboard.
"Come On to Me", o single principal do próximo álbum de estúdio de McCartney, Egypt Station, subiu de 12 a 6 no ranking da Adult Alternative Songs, datado de 1º de setembro.
Ao fazê-lo, McCartney registra seu primeiro top 10 em um gráfico de airplay sozinho desde 1997. Foi quando “The World Tonight”, do Flaming Pie de 1997, alcançou o 9º lugar na tabela Adult Alternative Songs, datada de 21 de junho de 1997.
Dito isso, McCartney apareceu no top 10 de uma lista de airplay desde então, com canções nas quais compartilhava créditos de artista. Ele apareceu notavelmente em “FourFiveSeconds” com Rihanna e Kanye West no início de 2015, e a música alcançou o sexto lugar em Pop Songs e Rhythmic Songs. Além disso, McCartney era um artista de destaque em "All Day", de Kanye West, que chegou ao top 10 de vários charts de R & B / hip-hop no final daquele ano.
Quanto às Adult Alternative Songs, “Come On to Me” é agora a música mais alta de McCartney no ranking, superando “Tonight” .McCartney, no entanto, apareceu no gráfico (que começou em 1996) várias vezes desde então, liderado por "Ever Present Past" no 16º lugar em junho de 2007.
Embora ainda tenha que fazer outro ranking de airplay, “Come On to Me” está borbulhando sob o registro de Adult Contemporary datado de 1º de setembro.

source: Billboard

"My Sweet Lord" é a música mais tocada da Apple no século

A empresa de licenciamento de músicas PPL produziu uma lista das 20 mais tocadas no século 21, a lista foi produzida para homenagear o 50º aniversário da Apple Records.lançada pelos Beatles. A Apple Records lançou seu primeiro single no Reino Unido, "Hey Jude", dos Beatles, em 30 de agosto de 1968.
O single nº 1 de George Harrison My Sweet Lord, de 1970, ocupa o primeiro lugar, recebendo mais airplays do que qualquer faixa dos Beatles lançada pela Apple Records, incluindo os singles de sucesso "Hey Jude" (número Três). Let It Be '(número quatro) e' ‘Get Back’ '(Número Seis). "My Sweet Lord" também alcançou o número um no UK Official Singles Chart em 2002, após a morte prematura de George Harrison no ano anterior.
Em outra parte do gráfico, "Imagine", de John Lennon, também mostra gráficos acima de qualquer material dos Beatles, chegando ao número dois. Existem outros dois lançamentos solo de Lennon no gráfico; ‘Jealous Guy’ (Número 15), mais tarde cover feita pela Roxy Music e ‘Instant Karma! (We All Shine On) ’(Número 17). Da mesma forma, Paul McCartney e Wings também têm três entradas no Top 20; "Band on the Run" (número cinco), "Live and Let Die" (número nove) e "Jet" (número 10).
Os dois únicos artistas não-Beatles a figurar no Top 20 são Mary Hopkin, com seu single de 1968, e na UK Number Singles, número 19, 'The Were The Days' (19) e Badfinger, que completam o quadro com 'No Matter' que está no número 20. A gravadora lançou uma gama diversificada de músicas e outros artistas em sua lista inclui o The Modern Jazz Quartet, Billy Preston, o The Radha KRSNA Temple, Ravi Shankar, The Sundown Playboys, James Tavener, James Taylor e Doris Troy.
O fato de que as faixas dos Beatles compõem mais da metade do top 21 dos quais, 'Revolution' foi um lado B e três dos quais são originalmente faixas do álbum - é uma prova da enorme quantidade de repertório dos Beatles e também a sua contínua popularidade. É também um lembrete oportuno, com a National Album Week se aproximando, do poder do álbum. ”
As faixas mais tocadas da Apple Records do século 21
1.) ‘My Sweet Lord’ – George Harrison
2.) ‘Imagine’ – John Lennon
3.) ‘Hey Jude’ – The Beatles
4.) ‘Let It Be’ – The Beatles
5.) ‘Band on the Run’ – Paul McCartney and Wings
6.) ‘Get Back’ – The Beatles
7.) ‘Here Comes The Sun’ – The Beatles
8.) ‘Something’ – The Beatles
9.) ‘Live and Let Die’ – Paul McCartney and Wings
10.) ‘Jet’ – Paul McCartney and Wings
11.) ‘The Long and Winding Road’ – The Beatles
12.) ‘Back in the U.S.S.R.’ – The Beatles
13.) ‘Come Together’ – The Beatles
14.) ‘Revolution’ – The Beatles
15.) ‘Jealous Guy’ – John Lennon
16.) ‘The Ballad of John and Yoko’ – The Beatles
17.) ‘Instant Karma! (We All Shine On)’ – John Lennon
18.) ‘While My Guitar Gently Weeps’ – The Beatles
19.) ‘Those Were The Days’ – Mary Hopkin
20.) ‘No Matter What’ – Badfinger

Colaboração: Nancy Bethe

source: Noise 11

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Diário dos Beatles completa 9 anos

Eu gostaria de agradecer aos colaboradores do grupo Diary Of The Beatles que ajudam nesse blog e os leitores que durante esses anos tem apreciado as informações mantendo a história dos Beatles para futuras gerações.
*
I would like to thank the collaborators of the Diary Of The Beatles group who help in this blog and the readers who during these years have enjoyed the information keeping the Beatles story for future generations.
*
Me gustaría agradecer a los colaboradores del grupo Diary Of The Beatles qiue ayudan en ese blog y los lectores que durante estos años han apreciado la información manteniendo la historia de los Beatles para futuras generaciones.

Obrigado Thanks Gracias

Breno Augusto

Primeira biografia completa de Ringo Starr é lançada no Brasil

Chega às livrarias a primeira biografia completa de um dos bateristas mais importantes do meio musical, Ringo Starr. O editor do The New York Times, Michael Seth Starr, reúne os principais eventos da vida do músico antes e depois do surgimento dos Beatles.
Nos anos 1960, quando Richard Starkey ficou mundialmente conhecido como Ringo Starr, o grande público desconhecia as batalhas pessoais que o jovem já havia enfrentado.
Nascido em 1940 em Dingle, um dos bairros mais agitados de Liverpool, o Beatle – que em 2018 recebeu da realeza britânica a honraria de “sir” – teve uma infância difícil, marcada por pouca escolaridade, doenças graves e longas internações hospitalares.
Apesar de sua clássica discrição, Ringo já era considerado o melhor baterista de Liverpool quando John Lennon, Paul McCartney e George Harrison o convidaram a fazer parte da banda The Beatles. Hoje, quase sessenta anos após a dissolução da banda, as músicas e obras dos Beatles continuam muito populares, assim como Ringo segue um ícone do rock.
Michael Seth Star traça a biografia completa do baterista, com todos os seus triunfos e vícios, os sonhos e polêmicas que os quatro jovens viveram, assim como os ressentimentos que marcaram o rompimento da banda.
Durante sua pesquisa em Liverpool, Michael entrevistou uma série de pessoas que nunca haviam compartilhado suas memórias sobre o músico: Dave Patterson, amigo de infância do baterista, Doreen Speight, que na adolescência manteve uma amizade por correspondência com Ringo quando ele estava tocando com Rory Storm e os Hurricanes no Butlins, Enid Williams, sua professora da pré-escola, entre outras figuras. O livro detalha ainda a carreira de “Richy” pós-Beatles, marcada por sucessos no topo das paradas, excessos e abuso de álcool e a superação de muitos conflitos emocionais.
DADOS DO PRODUTO 
título: RINGO: A HISTORIA DO BATERISTA MAIS FAMOSO DO MUNDO ANTES E DEPOIS DOS BEATLES
título original: Ringo: With a Little Help
isbn: 9788542213898
segmento específico: MUSICA
idioma: Português
encadernação: Capa dura
formato: 16,2 x 23,5 x 2,7
páginas: 480
ano de edição: 2018
ano copyright: 2018
edição: 1ª

Editora Planeta

fonte: O Debate

O single Revolution completa 50 anos parte 2

edição brasileira
 Gravação 
A canção traz uma distorção nunca vista em nenhuma outra canção dos Beatles. Para conseguir tal efeito, foi adicionado um pedal de efeitos “fuzzer” direto entre o amplificador e a mesa de som do Abbey Road Studios e tocado com todos os ponteiros de captação no máximo e depois diminuídos na pós-produção.
No “The Beatles Anthology,” George Martin fala sobre o fato: “Nós adicionamos distorção nela, o que queimou os miolos de várias pessoas da parte técnica. Mas essa era a idéia de John, de elevar todos os instrumentos até os limites. Bem, fomos até o limite e além.” 
Em 9 de julho, durante as gravações de “Ob-La-Di, Ob-La-Da” os Beatles começaram a ensaiar “Revolution” a fim de tentar novos arranjos.
July 11 1968 Studio Three, EMI Studios, Abbey Road
Embora o ensaio tenha sido gravado, no dia seguinte eles apagaram a fita e fizeram 10 novos takes, com palmas e outro estilo de bateria. Foi adicionado um efeito para deixar a bateria mais grave e as guitarras distorcidas foram comprimidas no limite, para dar um ar claustrofóbico na canção.
John Lennon adicionou 2 faixas de vocal nesse dia. Ele duplicou palavras chaves durante a canção, errando, muitas vezes para dar espontaneidade, e gravou também o grito da introdução. No dia seguinte, 11 de julho, foram adicionados o baixo e o piano elétrico tocado por Nicky Hopkins. A produção se seguiu pelos dias 12 e completadas na manhã do dia 13 de julho com mais linhas de baixo, e algumas guitarras tocadas por Lennon e McCartney.  
 July 11 1968 Studio Three, EMI Studios, Abbey Road
Lançamento 
A versão rápida de “Revolution 1” foi a primeira a ser lançada e a última a ser gravada. Lançada como lado B do single “Hey Jude,” no dia 26 de agosto de 1968, chegou sozinho as paradas atingindo a posição 12° nos EUA. Em 1970, a canção voltou a aparecer na coletânea Hey Jude, um álbum de compilações criado para o mercado americano, após o fim dos Beatles.  

Clipe promocional 
Os Beatles executaram a canção em semi ao vivo (com vocais ao vivo em cima de uma trilha pré-executada) em um vídeo promocional dirigido por Michael Lindsay-Hogg ao mesmo tempo em que o vídeo promocional de “Hey Jude” era produzido. O filme foi feito na inauguração de volta aos “shows” no programa de David Frost na ITV, em 4 de setembro de 1968. Enquanto os Beatles estavam cantando os vocais ao vivo para o filme, eles decidiram incorporar trechos da versão de “Revolution 1” do “Álbum Branco,” com Harrison e McCartney adicionando o vocal de apoio “shoo-bee-doo-wah” da versão mais lenta, deixando a canção parecida com uma 3° versão mais híbrida. 
Paul McCartney lidera o grito inicial na versão do filme promocional, pois Lennon não conseguiria soltar o berro e depois ter fôlego para voltar no primeiro verso do vocal.

Comentário:
Graças a essa música que começou toda a minha paixão pelos Beatles

source: Wikipedia

terça-feira, 28 de agosto de 2018

O single Revolution completa 50 anos parte 1

“Revolution” é uma canção dos Beatles composta por John Lennon, creditada à dupla Lennon-McCartney, e lançada no Lado B do single Hey Jude/Revolution de 1968. 
Inspirado pelos protestos políticos no início de 1968, a letra de Lennon expressou as dúvidas sobre algumas das táticas. Quando a versão single foi lançada em agosto, a esquerda política visto como trair sua causa. O lançamento da versão do álbum em novembro indicava a incerteza de Lennon sobre a mudança destrutiva, com a frase "count me out", gravado de forma diferente como "count me in". Em 1987, a canção tornou-se a primeira gravação dos Beatles a ser licenciada para um comercial de televisão, o que levou a uma ação judicial entre os membros sobreviventes do grupo. 
Origem 
A canção foi escrita durante a meditação transcendental em Rishkesh na Índia, e foi inspirada na situação global da época como a revolta estudantil em Paris, a Guerra do Vietnã e o assassinato de Martin Luther King, o que se tornou peça chave na carreira pós-Beatles de John.
Em 1968 havia um grande hiato entre o movimento hippie de "paz e amor" e os tumultos políticos, protestos e repressão. Lennon com seu interesse político crescente se viu confrontando essas idéias e decidiu colocar seus sentimentos sobre o assunto, longe da alienação dos fãs de Beatles. Segundo Lennon na revista Rolling Stone: “Eu queria desabafar sobre o que eu pensava da revolução. Eu achava que já era hora de falarmos sobre isso e parar de não responder perguntas sobre o que achavamos da guerra vietnamita quando estavamos em turnê com Brian Epstein e ter de dizer ‘vamos falar de Guerra dessa vez e não só embromar. Eu pensava sobre isso nas montanhas na Índia. Eu ainda tinha aquele sentimento de ‘Deus irá nos salvar, ’ e que tudo ficaria bem.” 
Embora tenha sido gravada após “Revolution 1” esta versão mais rápida e barulhenta foi lançada antes do “Álbum Branco,” devido a um atrito na banda sobre o lançamento do single.
Paul McCartney estava com receio de uma música tão politizada como “Revolution” se tornar um single e com o apoio de George Harrison vetou a opção de Lennon dizendo que a canção “era muito lenta para ser um single.” John desabafa sobre isso na revista Rolling Stone em 1980: "Quando Paul e George sairam para um feriado eu comecei "Revolution 1" junto com "Revolution 9." Eu queria colocá-la como um single, eu tinha tudo preparado mas eles chegaram e disseram que não era boa o bastante. E a gente colocou o que? 'Hello Goodbye', ou alguma droga assim? Não, colocamos 'Hey Jude', que valia a pena, mas me desculpe, poderia ter colocado ambos." 
John Lennon irritado com as divergências, gravou essa versão mais rápida e cheia de fúria. Porém, nesse trecho da entrevista para o "The Beatles Anthology," John ainda mostrava seu ressentimento sobre a primeira versão: "Eles disseram que não era rápida o bastante e se pensar nos detalhes, se seria um hit ou não, talvez estivessem certos. Mas os Beatles poderiam ter colocado a versão lenta no single, sem se importar se seria um disco de ouro ou de madeira. Mas por causa daquela irritação com a Yoko e o fato de eu estar tendo uma criação dominante como nos velhos tempos depois de andar apagado por 2 anos causaram atritos. Eu estava acordado novamente e eles não estavam acostumados." 
Letra 
A letra é explicitamente política e adverte sobre o significado da palavra revolução nos trechos: 
"Você diz que quer revolução, todos nós queremos mudar o mundo. Você diz que tem a solução real, adoraríamos ver o plano. Você me pede uma contribuição, nós fazemos o que se pode. Mas se você quer dinheiro para pessoas com mentalidade de ódio, tudo que eu digo é que você irá esperar." 
Existe também uma mensagem de "pense por si mesmo", e uma alusão ao ditador chinês Mao Tse-Tung: "Você diz que quer mudar a constituição, todos nós queremos mudar sua cabeça. Você me diz que é a instituição mas é melhor libertar sua mente então. Agora se você ficar carregando fotos do ditador Mao, você não conseguirá nenhum apoio." 
A letra ainda contém uma lírica notavelmente diferente da canção "Revolution 1" do “Álbum Branco” na linha: "When you talk about destruction/don't you know that you can count me OUT" (Quando você fala sobre destruição/Saiba você que NÃO pode contar comigo). Durante as gravações da primeira versão, ele ficava brigando com a letra, rabiscando e mudando OUT e IN ("NÂO conte comigo" e "pode contar comigo"). John falou em entrevistas que ele estava indeciso em relação a seus sentimentos, então ele incluiu ambas as opções.
Nessa versão ele já estava decidido sobre sua posição no termo “revolução” como dito em entrevista de 1980: “Se me quisessem para promover violência, me tire fora. Se me querem nas barricadas, que seja com flores nas mão"

Amanhã a parte 2....

source: Wikipedia

Paul Hicks fala sobre os mixes finais de Imagine

Paul Hicks e Yoko nos estúdios Abbey Road
Paul Hicks: "Yoko estava muito interessada em que esses mixes finais devessem conseguir três coisas - ser totalmente fiel e respeitoso com os originais, ser geralmente mais claro no geral e aumentar a clareza dos vocais de John. "É sobre John" ela disse. E ela estava certa. Sua voz traz o maior impacto emocional ao álbum.
Como todas as outras mixagens estariam explorando novas formas de ouvir o álbum, os mixes finais deveriam ser as melhores recriações possíveis dos originais - tanto em Stereo quanto em sua expansão para o som Surround Sound 5.1.
As gravações do Imagine foram uma alegria absoluta para trabalhar. São ótimas músicas nas mãos de excelentes músicos que realmente sabem como fazer seus instrumentos soarem sonoramente bons e como tocar de forma colaborativa.
John e Yoko havia contratado engenheiros de som muito qualificados e experientes, que usavam equipamentos de alta qualidade e sabiam como usar microfones e gravar em fita com grande experiência, então a qualidade técnica das gravações também era excelente. Muitos desses microfones são tão bons que ainda estão em uso hoje em dia
Phi Spector sentado nos Ascot Studios em 1971
Phil Spector geralmente tendia a gravar instrumentos diretamente na fita com todos os efeitos de reverberação incluídos (como era o caso do álbum All Things Must Pass, de George Harrison). Para as gravações do Imagine, John & Yoko deliberadamente tiveram todas as faixas gravadas secas. Isso tornou o álbum mais fácil de remixar com maior clareza sonora, porque tínhamos muito mais controle individual sobre cada faixa. A faixa "Soldier" tem um grande reverb , mas "Crippled Inside" é muito seca e crua. E essa é a beleza da colaboração de John & Yoko com Phil Spector.
Em 1971, antes de gravar as cordas em Nova York, John, Yoko e Phil fizeram uma mixagem estéreo no Ascot Sound Studios, e ter a mixagem original sem cordas ajudou a combinar as novas mixagens com as originais. Usando isso como um ponto de partida, nós expandimos até onde ele parecia necessário - na maioria dos casos, era um trabalho vocal.
Matthew Cocker criou novas transferências de todos os multi-tracks, bounces, masters e sub-masters originais no Abbey Road, e tomou muito cuidado com as fitas originais e alinhava cada fita especificamente para cada transferência, então a qualidade que tivemos de trabalhar com foi realmente de primeira classe. Uma das maiores conquistas das novas mixagens é que, voltando às gravações multitrack muito originais (ao invés de cópias, bounces ou mix-downs) a guitarra, baixo, piano e vocal agora tem um nível completamente novo de clareza.
John mixando no Ascot Studio em 1971
John compôs os arranjos de cordas para serem relativamente simples e confiantes - às vezes fortes, às vezes delicados. Uma das descobertas mais emocionantes deste projeto foi que as gravações originais das cordas soam tão bonitas. Elas são tocadas por alguns dos melhores músicos clássicos do mundo e também foram gravados excepcionalmente bem. Ouvi-las por conta própria foi uma revelação.
No original Imagine, as cordas foram todas mixadas em mono.
Nos novos mixes finais, as cordas são mixadas em som surround ou em estéreo - o que também ajuda a manter o foco em John. Quando você adiciona as cordas, realmente eleva o som geral a um nível totalmente novo. Nas mixagens de Surround Sound 5.1, a voz de John vem principalmente do alto-falante central, então você realmente se conecta com ele, especialmente nas baladas.
 John mixando no Ascot Studio em 1971
Em "Crippled Inside" você tem George na guitarra à esquerda e Nicky Hopkins no piano à direita, o que lhes dá mais definição, e as guitarras acústicas foram espalhadas pela sala, o que também fizemos em "Oh Yoko!".
Nós nos divertimos um pouco no final de "Oh Yoko!" Com a forma como a gaita se move no espaço.
Para os singles, colocamos o coral "Power To The People" em todo o ouvinte e, como "Happy Xmas (War Is Over)" foi gravado usando uma máquina de fita de 16 trilhas, tínhamos muito mais material para trabalhar.

Álbum, Singles e Extras - 5.1 e Estéreo
Fielmente remixado pelo premiado com triplo prêmio Grammy®, o engenheiro Paul Hicks no Abbey Road Studios, sob a supervisão de Yoko Ono Lennon, usando transferências de áudio em alta definição 24-96 das gravações multi-track originais de primeira geração, estas mixagens finais revelam novos níveis de profundidade sonora, definição e clareza, especialmente em 5.1 Surround Sound.
• Mixagens Originais Produzidas por John & Yoko e Phil Spector
• 2016-2018 Remixes Produzidos por Yoko Ono
• Mixado e projetado por Paul Hicks no Abbey Road Studios & Sear Sound
• Masterizado por Gavin Lurssen, Reuben Cohen e Paul Hicks na Lurssen Mastering
• Masterização de Vinil: Ron McMaster no Capitol Studios
• Produtor de Compilação e Gerente de Produção: Simon Hilton

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

O single Hey Jude completa 50 anos parte 2

Apple Records Promotional Poster
Lançamento 
A canção foi lançada poucas semanas depois de sua gravação e vinha com a canção de Lennon, "Revolution" no lado B.
No projeto “The Beatles Anthology”, Paul McCartney fala sobre o primeiro dia de lançamento do disco: “Eu fui ao escritório da Apple Records no lançamento do single de ‘Hey Jude’. As janelas da frente estavam com cera de limpeza branca e eu pensei, ‘Que grande oportunidade, muitos ônibus passam pela Baker Street lotada...’ Então, eu rabisquei na janela ‘Hey Jude’ na cera branca. Um cara ficou super furioso e me ergueu dizendo, ‘Vou mandar um dos meus filhos que estão por aí para te darem uma surra!’ Eu disse, ‘Calma, calma... Porque isso!?’ e ele disse, ‘Você escreveu “Jude” na janela!’ Eu não tinha ideia de que ‘Jude’ era na verdade judeu, em alemão. Se você olhar o filme feito na Alemanha nazista, 'Juden Raus' eles escrevem ‘judeu’ nas janelas junto com a Estrela de Davi. Eu juro que isso nunca me passou pela cabeça.” 
A canção de quase 7 minutos foi o single mais longo a atingir as paradas britânicas. Seu fade out tem propositalmente 1 segundo a mais do que o hit da parada de um ano antes de Richard Harris, “MacArthur Park.” 
George Martin no projeto “The Beatles Anthology”: “Nós gravamos ‘Hey Jude’ no Trident Studios. Era uma canção muito longa. Na verdade, depois de cronometrar eu disse, ‘Vocês não podem fazer um single tão longo.’ Eu gritei com eles, não pela primeira vez na vida e John perguntou, ‘Porque não?’ Eu não conseguia pensar numa boa resposta na hora, exceto na resposta patética de que os DJ’s não tocariam uma música tão longa. Ele disse, 'Irão tocar se for nossa.' E é claro, ele estava absolutamente certo.” 
“Hey Jude” foi lançada no dia 26 de agosto de 1968 nos EUA. Ficou pelas próximas 9 semanas no topo das paradas e vendeu 5 milhões de cópias nos seis meses seguintes. Ficou ao todo 19 semanas nas paradas. 

Clipe promocional 
Os Beatles contrataram Michael Lindsay-Hogg para filmar um vídeo para promover a canção “Hey Jude.” Hogg já tinha feito o vídeo de “Paperback Writer” e eles tiveram a ideia de filmar com uma controlada audiência, ao vivo. Eles fizeram o vídeo no programa, The Frost Programme, com McCartney em pessoa dublando os vocais.
Em 8 de setembro, David Frost apresentava o vídeo para os britânicos
“Senhoras e senhores, vocês irão ver a maior orquestra de ‘salão de chá’ do mundo. É um prazer apresentar, em sua primeira aparição na TV após sabe-se Deus quantos anos longe das platéias, Os Beatles!” 
Após essa introdução, Os Beatles improvisaram uma parodia de “It’s Now or Never” de Elvis Presley, porém esse trecho nunca foi ao ar pela TV. Em 6 de outubro de 1968, foi transmitido nos EUA, no programa, The Smothers Brothers Comedy Hour. Essas gravações e a performance podem ser vistas no DVD “The Beatles Anthology.”

Amanhã....será sobre a música Revolution... 

source: Wikipedia

domingo, 26 de agosto de 2018

O single Hey Jude completa 50 anos parte 1

"Hey Jude" é uma canção dos Beatles composta por Paul McCartney, creditada à dupla Lennon-McCartney, e lançada em 26 de agosto nos Estados Unidos  e 30 de agosto no Reino Unido no Lado A do single Hey Jude/Revolution de 1968. Apesar da longa duração da canção (mais de sete minutos, o que era muito incomum na época), foi o single mais vendido dos Beatles.Foi eleita pela revista Rolling Stone a 8ª maior música de todos os tempos. 
Origem 
A canção foi escrita em junho de 1968, quando Paul McCartney foi visitar Cynthia Lennon e seu filho Julian. Após o interesse de John em Yoko Ono e o pedido de divorcio de Cynthia, Paul como amigo do ex-casal, sentiu que precisava dar seu apoio a ela.
Segundo Paul no “The Beatles Anthology”: "Eu achei que como amigo da família eu poderia ir a casa deles dizer que tudo ficaria bem, tentar animá-los e ver como estavam. Eu dirigi cerca de uma hora. Eu costumava desligar o rádio nessas viagens e cantarolar, vendo se conseguia compor canções. Então comecei a cantar - 'Hey Jules - don't make it bad, take a sad song, and make it better...' – como uma mensagem de esperança para Julian. Tipo, ‘qual é cara, seus pais estão se divorciando, sei que não esta feliz, mas você ficará bem.’ Depois eu mudei o nome de Jules para Jud, que era um personagem em Oklahoma! e eu gostei do nome.” 
Posteriormente, Cynthia relembra: "Eu fiquei realmente surpresa quando, numa tarde, Paul chegou por iniciativa própria. Eu fiquei comovida pela sua evidente preocupação por nosso bem-estar, e ainda muito mais comovida quando ele me presenteou com uma rosa vermelha acompanhada de uma mensagem bem-humorada 'que tal isso, Cyn, se nós dois nos casássemos?' Nós dois rimos ao imaginarmos a reação do mundo a um anúncio desses. No caminho, ele compôs ‘Hey Jude’ no carro. Nunca me esquecerei de seu gesto de carinho e consideração vindo nos ver. Isso me fez sentir importante e amada, em oposição a me sentir descartada e ultrapassada."
McCartney gravou um demo no piano após seu retorno. Em 26 de julho, Lennon e Yoko estavam hospedados em sua casa, e Paul tocou para eles pela primeira vez. Paul fala sobre no livro “Many Years From Now” de Barry Miles: “Eu terminei tudo na minha casa em Cavendish e eu estava na sala de música no andar de cima quando John e Yoko vieram. Eles estavam de pé atrás de mim enquanto eu tocava para eles a canção. E quando chegou na frase: ‘The movement you need is on your shoulder,’ Eu olhei para ele e disse, ‘eu vou mudar essa linha, está meio fraco.’ E John disse, ‘Você não pode e sabe disso...é a melhor frase da canção.’ Essa foi a colaboração. Quando alguém fala firmemente para você manter algo que iria jogar fora. E toda vez que canto essa linha penso em John.” 
John Lennon mais tarde deixou sua opinião sobre a canção ser direcionada ao seu relacionamento com Yoko, como dito na entrevista para a revista Playboy em 1980: “Paul disse que escreveu para Julian. Ele sabia que me separava e deixava de morar com Julian. Ele cuidava de Julian como um tio, e compôs ‘Hey Jude.’ Mas, sempre achei que fosse uma canção direcionada a mim. Se pensar bem, não quero ser comparado à aqueles fãs que lêem coisas na canções... Mas a letra: ‘Hey, John... go out and get her.’ Em seu subconsciente o anjinho dizia, ‘Seja abençoado, me deixe’ mas o seu diabinho não gostava nada daquilo, pois ele não queria perder sobretudo seu parceiro.” 
Da mesma forma como fizera com "Yesterday", Paul passou a tocar sua nova canção orgulhosamente para qualquer um que encontrasse dessa vez sem medo do plágio (pois com Yesterday, ele tinha receio de que se tratava de uma melodia já existente). Um membro do Badfinger, a primeira banda a participar do selo dos Beatles, a Apple Records, relembra o primeiro dia deles no estúdio: "Paul foi até um grande piano e disse 'Hey, pessoal, ouçam isso', então ele se sentou e nos ofereceu um concerto completo de 'Hey Jude'. Nós ficamos embasbacados." 
As anotações da canção foram compradas por Julian Lennon em um leilão por £25,000. Em 2002 a letra original escrito a mão foi leiloado por £80,000, mas Paul tentou impedir o leilão alegando que o artefato tinha desaparecido de sua casa em Londres, porém Richard Morgan, o representante da Christie's, disse que Paul nunca provou que o papel estava em seu poder. A justiça decidiu em favor de McCartney que proibiu a venda. 
01 de agosto no Trident Studios
Gravação 
Os Beatles começaram as gravações de “Hey Jude” em 29 de Julho de 1968. A primeira sessão era mais um ensaio do que gravação. Eles sabiam que a música teria uma boa repercussão como um single, então dedicaram o tempo para aperfeiçoar os arranjos. Eles gravaram seis takes naquele dia.
No “The Beatles Anthology,” Paul fala um pouco sobre George Harrison e as gravações: “Em ‘Hey Jude’ quando eu sentei ao piano e comecei a cantar, ‘Hey Jude...’George veio com um riff de guitarra. Eu continuei, ‘Don’t make it bad...’ e ele com o mesmo riff, ou seja, ele estava respondendo com riffs todas as frases. Então eu disse, ‘Ei George, eu não acho que isso fica bom na canção. Talvez você devesse tocar só nas estrofes inteiras, mas por enquanto vamos manter as coisas simples, OK?’ Ele disse, OK, OK, beleza.’ Mas eu estava ficando meio puto com aquilo, ele não estava entendendo o que eu queria.”
“Eu insistia para ele não responder tudo com riffs de guitarra, porque aquilo era importante pra mim, mas claro que se você disser pra um guitarrista que não deva tocar, ele vai achar que você esta boicotando ele. Eu acho que George se sentiu tipo, ‘Desde quando você vai me dizer quando eu tenho que tocar? Eu sou um Beatle também!’ Então eu posso entender seu ponto de vista.”
 01 de agosto no Trident Studios
Na noite seguinte eles continuaram trabalhando na canção, gravando os takes 7 ao 23. George Harrison não tocou então decidiu esperar na sala de controle do lado de fora. A sessão foi filmada para o documentário do Conselho Nacional de Música da Grã-Bretanha, que filmaram e transformaram num curta-metragem chamado “Music!” 
Ao final da sessão, o produtor George Martin fez uma mixagem padrão a fim de trabalhar na trilha orquestral que foi gravada em 1° de agosto.
Ringo Starr no “The Beatles Anthology”: “Essa canção se tornou clássica. Me senti bem em grava-la. Foi cansativo algumas vezes, fazer ela sair certa, mas ela ficou perfeita como tinha que ser.” 
Em 31 de julho eles foram para o Trident Studios para gravar a canção na mesa de 8 canais, novidade na época. Segundo Paul McCartney: “Há algo inusitado sobre as gravações. Estávamos no Trident em Soho e Ringo tinha ido ao banheiro e eu não reparei. O banheiro era apenas alguns metros da cabine da bateria, mas ele passou por mim e eu estava distraído ao piano. Eu comecei o take usado na canção pensando que ele estava na bateria, e quando estava próximo da bateria entrar na canção, eu percebi Ringo passando rápido pelas minhas costas para chegar à cabine e quando ele chegou sua bateria estava impecável e ele entrou no tempo certinho! E eu rindo pensei, ‘esse é o take, tem que ser!’ Quando acontece essas coisas, é tão mágico! Então fizemos uma ótima gravação.” 
 01 de agosto no Trident Studios
A canção foi completada no dia 1 de agosto, com Paul adicionando baixo, vocais e os outros Beatles com os vocais de apoio. Depois a orquestra foi adicionada e os músicos foram chamados para uma sessão de vocais de apoio e palmas a fim de tornar a canção mais grandiosa.

Amanhã a parte 2...

source: Wikipedia

sábado, 25 de agosto de 2018

O single She Loves You/I'll Get You completa 55 anos

She Loves You ("ela te ama") é uma canção da parceria Lennon-McCartney, lançada primeiramente no lado-A de um compacto simples no Reino Unido, em 23 de agosto de 1963
O single superou vários recordes nas paradas britânicas, e estabeleceu um novo recorde nos Estados Unidos como uma das cinco canções dos Beatles que seguravam as cinco primeiras posições nas paradas americanas simultaneamente em 4 de abril de 1964. É o single mais vendido no Reino Unido, e foi o single mais vendido em 1963.
Gravação 
A canção foi gravada em 1 de Julho de 1963, menos de uma semana depois de ter sido escrita.Foi feito em uma máquina de gravação de duas vias;Documentação referente ao número de takes com detalhes da gravação necessárias e outras não existe.O procedimento padrão na EMI Studios na época era para apagar a fita original da sessão de duas vias para os singles, uma vez que tinha sido mixada até a fita master (geralmente mono) usada para pressionar os discos.Este foi o destino de quatro músicas dos Beatles que foram lançadas como dois singles: "Love Me Do", "PS I Love You", "She Loves You" e "I'll Get You".Essas faixas só existem como uma master mono, apesar de vários remixes estéreos que foram feitas pela as afiliadas da EMI em todo o mundo, incluindo alguns feitos em 1966 pelo engenheiro Geoff Emerick do Abbey Road.A mixagem foi feita em 4 de julho.
(sessão de gravação de She Love You)
A divisão alemã da EMI (o pai da gravadora Parlophone Records) decidiu que a única maneira de vender discos dos Beatles na Alemanha seria re-gravá-los no idioma alemão. A banda achou desnecessário, mas foram convidados por George Martin para cumprir, gravando "Sie Liebt Dich" em 29 de janeiro de 1964, junto com "Komm, Gib Mir Deine Hand", no Pathé Marconi Studios, em Paris. Eles gravaram novas vozes sobre a música de fundo original para "I Want to Hold Your Hand", mas "She Loves You" obrigava-os a gravar uma nova faixa básica que o original de gravação de duas faixas haviam sido desmanteladas.Ambas as canções foram traduzidos pelo músico Camillo Felgen, sob o pseudônimo de "Jean Nicolas" 
Música e letra
"She Loves You" usa um refrão com letra do título da canção mais a resposta, "yeah, yeah, yeah." A melodia segue dentro de sua escala diatônica sem modulações, é simples mas com um gancho—o refrão—que, além de ser introduzido logo no início da canção, ele se repete e retorna ao final da estrofe. Os acordes mudam a cada dois compassos com uma harmonia homofônica. Segue uma batida de balada 4 por 4 com o tempo bem animado. Não há "espaço morto" algum—aonde a música segue sem ir a direção alguma.
Ela praticamente não tem uma introdução e não demora 2 segundos para o ouvinte começar a ouvir o "gancho" da música. O "grito"("yeah, yeah, yeah"), por si próprio, se tornou a marca registrada de rock'n roll. Embora nos finais dos anos 70 a música de dança começou a dominar o mercado da nova geração, o "grito" ou o cantar com estilo "berrante" ainda é um estilo que domina a música "metal rock" que sobreviveu entre todas as variações de rock dos últimos 40 anos.
(Dick James,George Harrison e John Lennon)
A letra, no entanto, foi algo não convencional. O uso do, então irreverente, "yeah," em vez do mais educado e próprio "yes," era uma 'marca' da geração "rebelde." A geração que quebrou o conservadorismo deixando seus cabelos crescerem, usando roupas mais e mais extravagantes, e que eventualmente chegou ao psicodelismo todo no verão de 1967.
Um engenheiro técnico do estúdio dos Beatles, Norman Smith, captou perfeitamente o espírito da letra da canção: "eu estava arrumando os microfones quando eu vi a letra pela primeira vez no 'stand' ": 
"She loves you, yeah, yeah, yeah
She loves you, yeah, yeah, yeah
She loves you, yeah, yeah, yeah! "
 
"Eu pensei, 'ai meu Deus, mas que letra! Esta vai ser uma daquelas que eu não gosto.' Mas, quando eles começaram a cantar--boom! Uau!!! Incrível!!! Eu estava na mesa de mixagem, correndo de um lado para o outro."
Apesar ainda de outros críticos terem ridicularizado os "yeahs," estes gritos tiveram um enorme efeito na futura imagem dos Beatles e da nova geração toda na Europa, como que no resto do mundo, eles se tornaram os "yeah-yeah-yeah" do rock'n roll!
A letra, também já mencionado acima, foi escrita na terceira pessoa, como uma pessoa dando um conselho a um amigo: "ela te ama, sim" diz a letra, que por si, demonstrava grande parte da mudança desta nova geração que apareceu nos fim dos anos de '50s e durante os anos de '60s. Uma geração amorosa, querendo mais a paz e o amor ao seu próximo—e os Beatles conseguiram sintetizar estes sentimentos em suas letras—o que a nova geração parecia estar sedente para ouvir. Na letra, os cantores dizem ao 'seu amigo,' aos gritos de alegria, que embora ele pense que ele perdeu sua namorada, acabou que ela realmente se importa por ele e ela o ama. Eles ainda aconselham ao 'amigo': "be glad" (Trad Pt. "ser feliz"). O "yeah yeah yeah" é a essência desta manifestação de alegria. E como mágica esta alegria radiante saiu pelos alto-falantes e se fez real aos consumidores do mundo todo.
Lançamento
No dia 23 de agosto de 1963, o single "She Loves You" fora lançado para o público britânico. Acompanhando o Lado-A, "She Loves You", havia a canção, "I'll Get You", no Lado-B.O compacto marcou e "esmagou" vários discos na parada de música britânica, começando a ser o compacto mais vendido, na Grã-Bretanha. A canção começou a subir as paradas no dia 31 de agosto, e se fincou, permanecendo nas paradas por 31 semanas consecutivas—uma permanência excepcionalmente longa--, alcançando dezoito daquelas semanas entre os três primeiros lugares das paradas. Durante aquele período, ela vingou o primeiro lugar da parada de sucesso no dia 7 de Setembro, defendendo esta posição por um mês, antes de oscilar entre os três primeiros lugares; mas, somente num falso alarme e novamente retomando sua posição de primeiro lugar, pela segunda vez, a "Top nº1", no dia 30 de novembro; e aí permaneceu por mais duas semanas. Como se não fosse suficiente, ela se colocou de volta nas paradas por duas semanas no dia 14 de abril de 1964, chegando ao "Top-42." "She Loves You" foi a canção mais vendida em 1963 e, de fato, permanece como o compacto mais vendido dos Beatles no Reino Unido, hoje; defendendo-se de outros sucessos como "Hey Jude." O sucesso dos Beatles foi tal que "She Loves You" permaneceu no Reino Unido como o compacto mais vendido, entre todos artistas do mundo, por 14 anos, somente para ceder a sua posição para a banda Wings, com seu compacto, "Mull of Kintyre", um conjunto fundado pelo Paul McCartney.
Quando "She Loves You" saiu como um compacto nos EUA, no dia 16 de setembro de 1963, ninguém prestou atenção ao fato. Poucos meses depois, os Beatles lançaram "I Want to Hold Your Hand," a qual subiu a número um, lançando a invasão britânica no cenário musical americano e pavimentando o caminho para outros álbuns dos Beatles e outros lançamentos de artistas britânicos. Encorajados pelo sucesso de "I Want to Hold Your Hand", Swan re-lançou o compacto, "She Loves You." Levada pela correnteza da onda que "I Want to Hold Your Hand" originou, "She Loves You" começou, no dia 25 de janeiro de 1964, uma corrida de 15 semanas nas paradas dos Estados Unidos da América. No dia 21 de Março, "She Loves You" coroou-se na incrível virada dos Beatles na América. 
(single lançado pela Swan nos Estados Unidos)
Junto com "I Want to Hold Your Hand," "She Loves You" virou o cenário da música americana de cabeça para baixo, e começou o delírio da Beatlemania na América.
Ao contrário da relutância da 'Capitol Records para prosseguir com os Beatles nos EUA,a Capitol do Canadá foi em frente com o grupo, e "She Loves You" foi lançado em setembro de 1963.Ele foi tocado pela estação de rádio Ontário CKWS no outro mês , e entrou na Chart CHUM nacional em 2 de dezembro de 1963.Ele alcançou o top cinco em 23 de Dezembro,um mês antes de qualquer dos Beatles faria o mesmo nas paradas dos Estados Unidos.Em seguida, passou nove semanas no número um no início de 1964.
"She Loves You" se tornou o primeiro disco dos Beatles a vender bem na Europa continental e levou a uma turnê dos Beatles pela Suécia no final de outubro de 1963.
 (edição brasileira)
Lançamento no Brasil
"She Loves You" foi lançada no Brasil primeiramente num compacto simples, em março de 1964, junto a outro sucesso, "I Want to Hold Your Hand," quando a Beatlemania já estava na moda. "She Loves You" estourou nas paradas de sucesso no Brasil e o compacto foi re-lançado em Setembro de 1964, desta vez como um compacto duplo que icluía já quatro canções.Simultaneamente com o primeiro compacto lançado no Brasil, em março de 1964, She Loves You foi também lançada nesta data no primeiro LP("Long Play") dos Beatles no Brasil, Beatlemania, um LP assim intitulado com seleções musicais especialmente voltadas ao mercado brasileiro. Assim como o selo da Capitol Records--gravadora americana afiliada a EMI da Inglaterra--, fazia nos Estados Unidos, mudando, dos LPs originais dos Beatles no Reino Unido,a ordem das músicas e os nomes dos LPs lançados para o mercado americano, a Odeon do Brasil—também associada a EMI—lançava os LPs com outros nomes e outras seleções musicais para atrair o seu próprio mercado individual no Brasil. No entanto, tanto no Brasil, como na América, ou Europa e no mundo todo, She Loves You dos Beatles foi um enorme sucesso. 

source: Wikipedia

Demo inédita de 'Imagine' de John Lennon é descoberta

Uma demo de "Imagine" de John Lennon nunca ouvida antes foi descoberta, segundo publicou o site "NME". A gravação inédita da faixa do álbum solo mais famoso do ícone dos Beatles será lançada numa caixa comemorativa pela Universal Music em 5 de outubro.
A descoberta foi feita pelo engenheiro de som Rob Stevens, enquanto trabalhava no material para a nova coletânea. A demo inédita estava numa caixa de fitas originais que havia passado despercebida até então. O material era identificado com rótulos pouco claros, enganosos ou totalmente errados. 
"Havia um cartucho com oito faixas que o rótulo não informava nada além de John Lennon, a data e o engenheiro (Phil McDonald) com DEMO na lateral. Não havia indicação do tipo de material que estava na fita. Após uma delicada transferência para o digital 'Imagine' apareceu nesse conjunto abrangente. Foi uma verdadeira serendipidade", disse ao site Stevens.
GRAVAÇÕES CRUAS E ORIGINAIS
A coletânea "Imagine - The Ultimate Collection" terá 135 faixas remasterizadas do ícone dos Beatles. O projeto foi supervisionado no estúdio Abbey Road pela esposa do falecido músico, Yoko Ono.
Segundo o "NME", a coleção incluirá gravações alternativas das faixas do álbum juntamente com as versões sem mixagens, que permitirão que os ouvintes ouçam as performances originais de Lennon e da Plastic Ono Band.
A coleção também contará com "dezenas de demos inéditas, outtakes raros e elementos de trilha isolados”, segundo o site, além de um novo documentário que explora o caminho das faixas desde as demos até as gravações finais.

fonte/source: O Globo ou NME

Fotos inéditas mostram os Beatles em Blackpool

Essas fotos nunca vistas antes mostram os Beatles em Blackpool, 55 anos atrás. Quase 55 anos atrás para o dia, na verdade.
Elas foram tiradas quando os Fab Four tocaram no ABC Theatre do resort, em 25 de agosto de 1963. Eles foram adquiridos de uma mulher que compareceu ao show e tirou as fotos, pelas revendedoras de memorabilia Tracks. As imagens mostram as estrelas em ascensão que encontram os fãs e assinam autógrafos. Os Beatles também se apresentaram no local no início do mês, em 11 de agosto.
A identidade da garota na foto com Paul McCartney não é conhecida. Durante seus primeiros dias, os Beatles fizeram dezenas de shows em Lancashire
Dizia-se que o condado era seu favorito, depois de Merseyside, Hamburgo e Londres. Somente em 1963, eles apareceram 24 vezes, incluindo uma residência de uma semana em Southport e aparições repetidas em Blackpool.
Foi o ano em que tudo aconteceu para os Fab Four. Na primeira temporada de verão de 1963, o ABC, em Blackpool, recebeu Cliff Richard and The Shadows no Holiday Carnival, assim como os Beatles - agendados para tocar cinco noites de domingo.
A Tracks está disponível para fornecer uma avaliação gratuita para qualquer item de memorabilia pop de qualquer leitor, escrevendo para sales@tracks.co.uk ou ligando para 01257 269726.

Colaborações: Beatle Ed o correspondente 24 horas do Canadá e Eric Bourgouin o correspondente na estrada do Canadá

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Imagine e Gimme Some Truth serão relançados em DVD e Blu-ray

O álbum será relançado em livro com fotos contando todo processo do disco e em CD também,além disso tudo será relanado finalmente o filme Imagine produzido em 1971 e lançado em 1972 e o documentário Gimme Some Truth em DVD e Blu-ray em 05 de outubro.
A última vez que foi lançado o filme Imagine de 1971 oficialmente foi anos atrás em VHS.
Em 1971, durante e após a gravação do álbum Imagine, John Lennon e Yoko Ono filmaram todos os procedimentos em sua casa e estúdio em Tittenhurst, suas viagens para Londres e Nova York, e criaram um filme conceitual também chamado Imagine, editado em uma trilha sonora. criado a partir de seus álbuns, Imagine e FLY. As imagens restantes do documentário também foram editadas para se tornar o documentário vencedor do Grammy® "Gimme Some Truth" (Making of the Imagine).
Ambos os filmes foram restaurados e remasterizados do negativo original do filme - Imagine com uma trilha sonora remixada completamente nova em 5.1, e Gimme Some Truth com uma trilha sonora remasterizada em 5.1, e estarão sendo lançados em Blu-Ray, DVD e digitalmente em breve) em 5 de outubro de 2018.

Restaurado e remasterizado do negativo original em HD1080:
Imagine o filme de John & Yoko (mixagens finais de áudio em 5.1 e estéreo)
Documentário Gimme Some Truth - a produção de "Imagine" (Remasterizado Áudio)
Jealous Guy (Vocal, Raw Studio Mix)
How? (Vocal, Raw Studio Mix)
Gimme Some Truth (Vocal, Raw Studio Mix)
Photoshoot De David Bailey
Áudio de 96kHz / 24bit em som surround 5.1, DTS e estéreo

O filme Imagine será exibido em vários cinemas com extras exclusivos em 17 de setembro.